Faleceu ontem na capital de São Paulo, o músico Neno, ex The Jordans e Os Incríveis!

Faleceu ontem, 03 de dezembro de 2014, em São Paulo, o músico Neno (Demerval Teixeira Rodrigues).

Neno 1 The Jordans - Jovem Guarda - 1967

Neno pertenceu ao conjunto de Rock dos anos 60, The Clevers, administrado por Antonio Aguillar. Foi o primeiro baixo elétrico do grupo The Clevers que depois se tornou Os Incríveis. Tocou também nos The Jordans, que tinha a seguinte formação:

• Ziquito (João Salvador Galati)
• Aladdin (Romeu Mantovani Sobrinho)
• Sinval (Olimpio Sinval Drago)
• Tony (José de Andrade)
• Irupê (Irupê Teixeira Rodrigues)
• Neno (Demerval Teixeira Rodrigues)
• Foguinho (Waldemar Botelho Junior)

Neno com Antonio Aguillar no início de carreira. Foto do acervo de Aguillar

Neno com Antonio Aguillar no início de carreira.
Foto do acervo de Aguillar

Conforme havia informado seu irmão Irupê, Neno estava internado no hospital Ipiranga, com problemas cardíacos e diabetes. Ele havia sofrido uma torção no pé e precisou ser socorrido. Foi ao pronto socorro da Barra Funda e lá colocaram uma tala no pé dele, mas disso gerou uma grande ferida que não sarava em virtude da diabetes avançada. A doença foi se agravando e houve necessidade de retornar ao pronto socorro. Chegando lá, não deixaram que ele voltasse pra casa e seu irmão precisou interna-lo.
Foi levado ao Hospital Ipiranga apresentando problemas de diabetes alta e problemas cardíacos (ele já havia sido operado do coração há algum tempo atrás).
Tudo isso e mais a idade avançada gerou essa complicação. Estava entubado, inconsciente e em tratamento intensivo… mas ontem veio a falecer de infecção generalizada.

O grupo do Facebook “Eterna Jovem Guarda” e a pagina “Jovem Guarda, a Brasa Continua Acesa” , prestam esta homenagem ao querido Neno, que agora se junta aos amigos Nenê, Manito, e tantos outros para tocar no salão do grande baile.


Postagens neste Blog sobre Neno e Os Jordans
.

Netinho, ex baterista dos Incríveis, lamentou a morte do amigo…

“Notícia triste. Nosso querido irmão (1o. na foto) amigo e companheiro responsável pela minha entrada no conjunto The Clevers / Os Incríveis faleceu nesta quarta feira em SP. Que os amigos do plano divino o receba com uma grande festa. Ele merece sentir muita alegria e amor!!”
Neno nos Incríveis

Seu sepultamento dar-se-á às 16h de hoje.

R.I.P.

Seguem alguns depoimentos de Neno…

Durante um dos programas do Antonio Aguillar, em conversa com Jerry Adriani ( Jair Souza), Neno explica para Jerry Adriani o que passou na Itália, e por que parou de tocar!

Em 2012, durante o programa de rádio, “O Som Brasil”, de José Carlos Gomes, pela Rádio Capital, Neno fala do encontro com os Beatles em Londres, na época em que pertencia ao conjunto The Jordans, e também convida para seu Show de Reveillon em São Paulo…

Autógrafo que recebi de Neno em um dos meus discos, no ano de 1967…

Neno Autógrafo

Neno 2

Neno 3

Neno 4 - Revista Contigo

Aladim em depoimento a Antonio Aguillar conta sobre o início do conjunto The Jordans.

O Blog “We Love the Beatles Forever” recebeu com exclusividade e compartilha com seus seguidores o depoimento que Romeu Mantovani Sobrinho, o Aladim, líder do conjunto The Jordans, deu a Antonio Aguillar sobre o início do conjunto The Jordans.

Muito mais que ler em livros, ouça de viva voz toda a história daqueles velhos tempos, belos dias!
No início o conjunto tinha o nome de The Three Plays e era formado por Aladim, Sinval e Tigueis e começaram em 1958.
No programa Crush com Tony e Celly Campello, eram: Aladim, Foguinho, Sinval, Ziquito, e Tony.

Quando saiu o Tigueis, entrou o Foguinho em seu lugar e também entrou o Tony.

Mais tarde Aladim conheceu Mingo, que veio também para o conjunto fazendo guitarra base.

Nessa mesma ocasião, Aladim e Foguinho viram uma pessoa fazendo propaganda para as Lojas Sanger, tocando Saxofone – era o Manito, que também foi convidado para o grupo e aceitou.

Iniciaram então a tocar na Boate Lancaster, assim como os conjuntos The Clevers, The Jet Black´s, The Bells, enfim, todos começaram na Boate Lancaster e tocaram também na Skindô e Saloon.

Em 1960 Mingo gravou uma canção em inglês composta por ele e musicada por Aladim, imitando Paul Anka, e foi um grande sucesso, mas o primeiro grande sucesso da banda foi Blue Starr.

LP "A vida sorri assim", primeiro da série da banda The Jordans, quando Aguillar os levou para a Copacabana Discos e fizeram o LP pela Som Copacabana em 1962.

LP “A vida sorri assim”, primeiro da série da banda The Jordans, quando Aguillar os levou para a Copacabana Discos e fizeram o LP pela Som Copacabana em 1962.

E depois deste grande sucesso veio a Jovem Guarda.

Ouçam o que conta o Aladim, incluindo histórias inéditas acontecidas com eles e Roberto Carlos na coxia do Teatro Record! ;)

Da série “Histórias da Jovem Guarda”, por Foguinho (The Jordans)

Este caso a seguir foi relatado pelo Foguinho, dos Jordans.

Foguinho

“LÁ NO COMEÇO DOS ANOS 60, OS MAIORES NOMES ARTÍSTICOS DO BRASIL ERAM WILSON
MIRANDA E CARLOS GONZAGA, E GRUPOS MUSICAIS INSTRUMENTAIS QUASE NÃO
EXISTIAM.CONHECEMOS O GONZAGA NOS SHOWS RONDA DOS BAIRROS DA RÁDIO
RECORD E ELE NOS CONVIDOU PARA ACOMPANHA-LO NOS SEUS SHOWS, E ASSIM
INICIAMOS UMA AMIZADE MUITO BOA COM ELE. DEPOIS DE UM TEMPO APARECEU O
MIRANDA E ME PERGUNTOU COM SEU JEITO DE FALAR MUITO RÁPIDO:
_ “FOGUINHO, QUANTO É QUE AQUELE CARA ESTÁ TE PAGANDO?”
EU RESPONDI E ELE DISSE: “VOU PAGAR 50% A MAIS PRA VOCÊS ME ACOMPANHAREM A PARTIR DE HOJE”.
FICAMOS SEM AÇÃO PRA NÃO OFENDER O GONZAGA. ENTÃO COMO TÍNHAMOS
FEITO UNS NÚMEROS DE ABERTURA NOS SHOWS DO GONZAGA E VIMOS QUE AGRADAVA
BEM O PÚBLICO, RESOLVEMOS DEIXAR OS DOIS DE LADO E PARTIR PRA FAZER OS
SHOWS SOZINHOS E DEU CERTO. ESSES SHOWS ERAM EM CIRCOS E PAVILHÕES
EXISTENTES NA ÉPOCA. O WILSON ACABOU GRAVANDO UMA MÚSICA DO ALADIM,
CHAMADA “SUZANA”. BONS TEMPOS!
QUANDO ENTREI NO LUGAR DO TIGUEIS, COMPREI A CARAMURÚ DELE POR CR$7.000,00 E
LEVEI PRA CASA, MONTEI NO MEU QUARTO PARA ENSAIAR (APRENDER), AÍ ENTROU NO
QUARTO MINHA MÃE COM MINHA IRMÃ AOS BERROS MANDANDO EU PARAR COM AQUELE
BARULHO E SUMIR COM “AQUILO” DE CASA. MEU PAI, QUE ERA ALFAIATE, ARRUMOU
UNS FELTROS DE ENCERADEIRA E FORROU TODAS AS PELES (DE CABRITO) PARA NÃO
FAZER MUITA ZOEIRA, ASSIM ENSAIAVA SEM PROBLEMA COM AS MULHERES DA
CASA, HE HE HE.”

Em outra ocasião, em 15-09-2012, perguntado sobre como eram as técnicas utilizadas pelos bateristas nos anos 60, Foguinho respondeu:

_ “NOS ANOS 60 VOCÊ TINHA QUE INVENTAR PARA MELHORAR SUA TÉCNICA, NÃO TINHA NADA PARA TREINAR ENTÃO… PEGUEI UMA BAQUETA (5B) E MANDEI UM AMIGO MEU TORNEIRO FAZER UM PAR IGUALZINHO EM AÇO, BEM POLIDA, FICOU LEGAL. DEPOIS PEGUEI UMA BANQUETA FORRADA, LÁ DE CASA, E TREINAVA “PAPA-MAMA” AQUELE TREINO QUE VOCÊ PASSA AS BAQUETAS POR TRAZ DA CABEÇA,CUIDADO PRA NÃO ACERTAR A TESTA COM AS BAQUETAS DE AÇO… KKK
QUANDO COMECEI, AS PELES ERAM DE CABRITO E VOCÊ TINHA QUE SABER “EMPACHAR”, ISTO É, COLOCAR A PELE MOLHADA NO ARINHO DE MADEIRA COM UM CABO DE COLHER E ESPERAR A DITA CUJA SECAR. CONFORME O CALOR DO AMBIENTE, A AFINAÇÃO DA BATERIA BAIXAVA, TINHA QUE FAZER UMA FOGUEIRINHA DE PAPEL PRA ESTICAR
A PELE. HOJE EM DIA, COM AS PELES DE NYLON, ACABARAM OS PROBLEMAS. TEM APARELHO QUE FAZ A VEZ DO BATERA, É PROGRAMADO E PRONTO.”

“QUANDO ENTREI NO LUGAR DO TIGUEIS,COMPREI A CARAMURÚ DELE POR CR$7.000,00 E LEVEI PRA CASA,MONTEI NO MEU QUARTO PARA ENSAIAR(APRENDER), AÍ ENTROU NO QUARTO MINHA MÃE COM MINHA IRMÃ AOS BERROS MANDANDO EU PARAR COM AQUELE BARULHO E SUMIR COM “AQUILO” DE CASA.MEU PAI QUE ERA ALFAIATE, ARRUMOU UNS FELTROS DE ENCERADEIRA E FORROU TODAS AS PELES(DE CABRITO) PARA NÃO FAZER MUITA ZOEIRA,ASSIM ENSAIAVA SEM PROBLEMA COM AS MULHERES DA CASA, HE HE HE.”

  • Waldemar Botelho Jr Foguinho Certa vez, ainda no tempo da jovem guarda, o PRINI LOREZ tinha um show pra fazer no automóvel clube de S.J.DO RIO PRETO e convidou a mim pra tocar bateria,o NENO no contrabaixo e acabamos levando o DORI EDSON de bico. O VEÍCULO para a viagem, um fusca do PRINI, que ia no banco da frente e o seu secretário e motorista o PACO, dirigindo o possante. No banco de traz estava EU,o NENO e o DORI. Os 3 apertados naquele banco levando no colo 1 contrabaixo,1 guitarra e varias peças da bateria (caixa, pratos) e no porta malas da frente mais umas ferragens (xinbal, pedestais, pedal). No caminho o PRINI e o DORI começaram a contar “causos” que eu e o NENO pedíamos para o PACO parar no acostamento pra gente sair e se movimentar, pois estávamos tendo até câimbras de tanto rir. Finalmente chegamos e a tarde fizemos um show na piscina e a noite seria no salão. Na piscina o DORI estava do lado de um senhor quando vinha passando umas gatinhas de maiô e ele disse pro corôa “olha só que gostosas meu, eu pegava essas gatinhas e…”aí o cara disse” é minha filha e minhas sobrinhas, de repente olhei e cadê o DORI? Sumiu, só fui encontra-lo à noite no salão de baile já lotado pra não ver o pai da garota. O PRINI com sua mania de grandeza falou pro NENO: “A hora que apagar a luz vocês entram no balanço que eu venho correndo do fundo do salão, pego a guitarra e começo a cantar”. Até a corrida foi tudo bem mas quando estava chegando perto do palco, um velho garçon saiu do meio das mesas e se pôs na frente do PRINI, CATABUM!..voou garçon,  bandeja copos garrafas e PRINI pra todo lado, e eu e o NENO tocando e morrendo de rir, aí ele conseguiu chegar, pegou a guitarra e fizemos um belo show. A volta, bem… a volta foi outra história!

Nota: Os textos estão em sua forma original, em letras maiúsculas, marca registrada do Foguinho! ;)

Foguinho e seu carrão!

Foguinho e seu carrão!

Na foto abaixo está o conjunto The Jordans em sua formação até dezembro de 1962, que eram:
Mingo, Sinval, Aladim, Tony, Irupê e Foguinho
Em janeiro de 1963, Foguinho e Mingo foram para o exército e o Manito ficou tocando bateria na Boate Lancaster, na Rua Augusta (SP), no lugar do Foguinho, de janeiro até abril.
Em maio de 63, Foguinho retorna a tocar no grupo, pois no quartel ele só ia ao meio dia, então tocava à noite e dormia de manhã (passava a tarde no quartel).
Em maio de 1963, Antonio Aguillar juntou alguns músicos para formar o conjunto The Clevers, arrastando pra lá o Mingo e o Manito… (Informação do Foguinho em 26-05-2014)

The Jordans - Mingo, Sinval, Aladim, Tony, Irupê e Foguinho

The Jordans – Mingo, Sinval, Aladim, Tony, Irupê e Foguinho

The Jordans e o LP “Studio 17”, de 1966.

Em janeiro de 1966 era lançado pela Copacabana o LP “Studio 17”, dos Jordans, e segundo relato de Waldemar Botelho Jr., o baterista Foguinho, este disco, a princípio, teve que ser retirado das lojas! Saibam por que, segundo depoimento do próprio artista.

Na capa do LP está escrito em azul, “contém Tema de Lara”, isso por que aconteceu de os Jordans gravarem as 12 canções para o álbum, porém uma delas não teve autorização de edição, tendo o disco sido lançado com apenas 11 faixas.

Nessa época o conjunto se apresentou no programa “Show do dia 7”, um programa mensal que havia na TV Record Canal 7, e no show eles tocaram um arranjo de “Tema de Lara”, do filme Dr. Zhivago. O sucesso foi tanto que eles tiveram que fazer um bis, a pedido da platéia.

O programa foi exibido em um sábado e no domingo os Jordans foram para o estúdio da Copacabana gravar “Tema de Lara”, a pedido do diretor da gravadora, Sr. Emílio Vitale.

Assim, todos os discos foram recolhidos das lojas e substituídos pelo que continha agora 12 faixas, incluindo o “Tema de Lara”.

Mas como disse o Foguinho, alguns exemplares escaparam e estão nas mãos de colecionadores, como este adquirido pelo amigo Oscar Fornari:

Fotos do LP “Studio 17” e autógrafos dos integrantes do conjunto The Jordans:

  • Aladdin (Romeu Mantovani Sobrinho)
  • Sinval (Olimpio Sinval Drago)
  • Tony (José de Andrade)
  • Irupê (Irupê Teixeira Rodrigues)
  • Neno (Demerval Teixeira Rodrigues)
  • Foguinho (Waldemar Botelho Junior

Depoimento do Foguinho:

Waldemar Botelho Jr. publicou no seu Mural.
“LUCY bom dia,você ficou surpresa que eu cantava nos lp’s,nesse que você tem aí autografado por todos,quem canta “SUZIE Q”sou eu,em todos os lp’s que eu gravei (12)tenho doze músicas cantadas.Nos bailes que tocávamos eu cantava 23 músicas,o MARQUINHO,25 músicas e 17 eram instrumentais.”

Nota: Quem grita “Lara” duas vezes durante a performance da canção é Aladim, conforme informação do Foguinho:

Waldemar Botelho Jr.

  • OIi LUCY TUDO BEM?QUEM GRITA “LARA”NA GRAVAÇÃO É O ALADIM.

Também eram os Jordans quem muitas vezes acompanhavam Erasmo Carlos em suas gravações, a exemplo de “Caramelo” e “O Pica-pau”, nesta última uma curiosidade: é Foguinho quem aparece contando o tempo da introdução, conforme ele mesmo contou aqui.

Grupo no Facebook: George Freedman

O Encontro dos Jordans com os Beatles em 1967

Versão oficial do encontro dos Jordans com os Beatles, narrado pelo próprio Foguinho (Waldemar Botelho Jr.), o baterista do conjunto.

“Era 05 de novembro de 1967,estávamos em LONDRES de passagem,comprando alguns instrumentos numa loja no centro da cidade,tocávamos eu(FOGUINHO) bateria,o TONI contrabaixo e o lojista um teclado,juntou muita gente em volta para ouvir “bossa nova”e tinha um rapaz ao meu lado prestando muita atenção no rítmo,quando paramos êle se identificou como baterista de uma orquestra seu nome PEPE,um espanhol radicado em LONDRES a uns 15 anos e ficamos trocando idéias sobre o samba que êle insistia em tocar errado,para não esticar o papo falei que estava bom e êle ficou sorrindo.Como eram quase 17,00 horas e sem almoçar,perguntei se conhecia algum lugar para se comer massas,êle disse que na rua de traz um amigo dêle tinha uma lanchonete e para lá fomos.Lugar pequeno,nos acomodamos nas mesas da frente e nos fundos tinham dois casais tomando chá,pedimos macarronadas e enquanto aguardávamos o IRUPÊ foi ao banheiro e ao retornar disse”aqueles caras sâo parecidos com os BEATLES”e ninguém deu bola mas quando saíram e passaram na nossa frente pararam para olhar nossas camisetas da escuderia pepe legal e ficamos olhando pra cara dêles,quando saíram é que caíu a ficha,eram PAUL e RINGO,então perguntamos ao amigo do PEPE se êles vinham sempre ali e diante da afirmativa disse que estavam trabalhando em frente num estúdio no filme yellow submarine ao saírmos vimos o PAUL entrar num carro e se mandar,dava pra ver na janela o LENNON,subimos as escadas e batemos a porta,um senhor atendeu e logo atraz dêle veio o JOHNN,o PEPE nos apresentou e o NENO mostrou uns lp’s nossos que tinhamos comprado na ESPANHA e disse que estávamos indo tocar na ITÁLIA,o LENNON pensou que era um presente,agradeçeu e guardou os lp’s,entramos e encontramos o RINGO que logo foi especulando sôbre “bossa nova”pois o SERGIO MENDES tinha lançado um lp com músicas dêles em samba e êle achou legal,o TONI filmou tudo com uma super8 o IRUPÊ e o PEPE bateram as fotos(essa aí ao lado foi a única que saíu).Nesse encontro estivemos eu FOGUINHO,TONI IRUPÊ e NENO,um abraço a todos.”

Tópico original postado na comunidade do Orkut, We Love the Beatles Forever

Seguem algumas poucas fotos registrando o encontro

Irupê falou aos jornais sobre o encontro:

Aladim também fala do encontro com os Beatles e mostra algumas imagens do encontro, no programa “Boa Noite Brasil”, em 2006

Algumas fotos históricas dos Jordans

Primeira formação dos Jordans

The Jordans

The Jordans em 1966

Tocando o Tema de Lara em 1966 – TV Record

1966 – Teatro Record – Canal 7

Foguinho – Boate Saloon – 1963

1966 – Revista Contigo

1967 – Revista Melodias

Ano de 1967

Foguinho e seu Dauphine 1963 – 1964

1964 – Foguinho, Irupê, Ziquito, Aladim, Tony e Sival

Prêmio Roquete Pinto

Recebendo o Prêmio Roquete Pinto em 1966 – TV Record

Acompanhando Roberto Carlos em 1966

Nos EUA em 1964 – com Ziquito

The Jordans e Jair Rodrigues – 1962

Show do Dia 7 (TV Record) – 1966 – Acompanhando Roberto Carlos

Visitando o Rio de Janeiro em 1962

Durante o último programa “Jovem Guarda”

As fotos são do arquivo pessoal de Waldemar Botelho Jr., o Foguinho.

Imagens do Encontro