Vicente Telles, um Cancioneiro do Amor!

Ator, Cantor, Compositor e Produtor Musical, atualmente Vicente Telles atua como Presidente da ABRACNE – Associação Brasileira de Arte e Cultura do Nordeste.

O “homem que não ri”… rindo muito!

Iniciou no meio artístico na década de 70, nos programas de auditório do Cine Art Palácio, na cidade de Santa Inês no Maranhão, apresentado pelo locutor Clélio Silveira. Vicente era convidado cativo nas programações.

No início de 1975 foi montar seu bazar de sonhos no Rio de Janeiro.

Em 1998 estreou na TV Globo como ator, durante o programa Domingão do Faustão, no quadro “Faça-me sorrir”, tendo enorme repercussão. A produção do Faustão levou Vicente para todos os cantos do Brasil em busca de algum “santo milagreiro” que o fizesse dar um sorriso. O ator Eri Johnson, os jogadores como Ronaldinho Fenômeno, Cafu, Zagalo, Romário, Raí, Zico, Leonardo, Edmundo, entre outros da Seleção Brasileira também tentaram, mas ele tornou-se “O homem que não ri”.

Em 1999 Vicente Telles participou como ator em novos trabalhos, como a novela Mandacaru, contracenando com Roberta Close, e de vez em quando participava do programa Linha Direta, da Rede Globo.

Cantor e compositor com mais de 10 discos gravados, carreira que teve inicio em 1979, teve um dos seus discos produzido por Raimundo Fagner e outros com participações de Belchior, Cláudia Telles e Guilherme Arantes, entre outros nomes da MPB.
Seu primeiro LP intitulado Olhar de Vagalume, de 1984, teve Jairo Pires como diretor artístico.
Além de cantor, também compôs muitas músicas gravadas por cantores populares.

Em agosto de 2003 idealizou e realizou junto com Getúlio Côrtes e direção musical de Leno Azevedo o show ,”O pulo do Negro Gato”, um tributo a Getúlio Côrtes, compositor de inúmeras composições gravadas pelo Rei Roberto Carlos, com a presença de grandes estrelas como Fagner, Luiz Melodia, Jerry Adriani, Dr. Silvana & Cia, Golden Boys, Renato e Seus Blue Caps, entre outros artistas da Jovem Guarda.

Em 2009 Vicente Telles lançou o CD “O Romântico Apaixonado”, fazendo incursões por sucessos antigos, interpretando com sentimento de alma, grandes pérolas da Música Popular Brasileira como, “Devolvi”, “Memória de uma Velha Canção”, “Eu daria a minha vida”, “O amanhã espera por nós dois”, entre outras. O disco foi lançado na Feira de São Cristóvão, tendo tido ótima aceitação. Neste disco está a canção interpretada por Caetano Veloso, “Você não me ensinou a te esquecer”, e também outras canções inéditas.

Em 2012 lançou o CD “Vicente Telles Por Todos”, fazendo grande sucesso ao divulgar os cantores de Santa Inês, sua terra no Maranhão.

Ouvir Vicente Telles é ter a certeza de que cantar é um ato de prazer!

Vicente “brincando” na Web:

Devolva-me

Negro Gato – do CD “Outros Caminhos”, lançado em 2012

Uma versão que compôs para a canção dos Beatles, Here There and Everywhere, intitulada “A Canção de Nós Dois”:

“Hoje acordei, ouvindo o teu beijo e sonhei
Quem, Ouvir a canção de nós dois
Verá que o tempo não pode apagar
O amor que eu te dei
E o bem que eu te fiz sonhar
Meu bem, Um novo encanto nasceu
Dentro do meu coração que é teu
O nosso amor é canção em noites de verão
Quando a noite vem faço da solidão tinta e pincel
E pinto uma saudade na tela do céu
Fico a desenhar nosso amor
numa moldura da cor da paixão
que me fez querer morar no teu coração…
Outra noite vem…
Faço da solidão tinta e pincel
E pinto outra saudade na tela do céu
Fico a desenhar nosso amor
Nessa moldura da cor da paixão
Que me fez querer morar no te coração
No teu coração”

“…Sempre que a minha emoção passeia pelo universo interior de alguém que se sente tocado por essa força que emana do meu coração, na minha sensibilidade maior externada nas canções que canto, numa letra que escrevo ou mesmo nas palavras carregadas de poesias ditadas pelo calor de uma ternura infinda, assim me vejo voando no céu dos sonhos de uma alegria que brinca dentro de mim e lava as ruas do meu coração com as lágrimas das realizações. Impulsionado por uma admiração que em mim povoa e leva-me aos caminhos do amor. “A canção de nós dois” Letra de Vicente Telles sob melodia dos Beatles.”

Vicente Telles fez homenagem ao cantor Marcos Roberto, que faleceu recentemente, em julho de 2012:

“Marcos Roberto vai com Deus/Jesus meu irmão, segue esse caminho que te foi destinado. Aqui você fez tudo certo amigo e certamente estará nos braços da ternura, nos campos da felicidade grande poeta do amor… Só plantastes amor!… Os poetas são assim, desde que nascem só plantam amor e a colheita ao lado de Deus/Jesus é certa!… É com carinho que agradecemos pelas canções que nos embalaram os sonhos. Amigo a vida é assim mesmo!… É simplesmente o inicio de um fim!… Deus te acompanhe querido, e agora, saudoso amigo de belas canções. Tenha certeza que estará “Longe dos nossos olhos, mas, dentro dos nossos corações”. Esta é para você “A ultima Carta”.
Este vídeo traz uma canção a qual mostrava a força da sua juventude fazendo soar em todos nos a sua verdadeira emoção e sensibilidade. Ainda sonhávamos o amor, todos na mesma voz!. Momentos guardados nas nossas belas lembranças. Esta é a minha homenagem ao querido amigo Marcos Roberto.
Com carinho Vicente Telles”

Citações, Versos e Prosa

“Prender uma alma é mesmo que prender um pássaro, ele canta pela necessidade de ser livre”.

“Somos uma luz muitas vezes ofuscadas pela ambição e vaidade dos homens pequenos”.

“Eu tenho um cavalo de aço que corte o deserto e vai pro Japão, eu tenho a mão direita livre na noite estrelada de alucinação e, já comi a chama acesa de um dragão chines”.

‎”Nessa Selva de Pedra onde os leões são homens das mentes de aços com as suas lanças de vaidade, meu coração se sente ferido e perdido em meio a todas essas verdades”.

“Assim como não há rios que não vençam obstáculos também não há obstáculo que impeça os seus sonhos”.

“Eu sendo eu verdadeiramente despido de tudo e vestido de emoção”.

“Happiness is the most powerful weapon that exists that can exist in the heart of someone”.

“Os nossos sonhos são os investimentos das nossas verdades para a realidade concreta do amanhã!”.

“Os sonhos são correntes que nos sustentam nas adversidades do dia a dia, por isso sonhar é o único remédio para a realidade da vida!”

“A humildade não é uma opção ela já nasce com o ser humano, ele só precisa ter a humildade de assumir.”

“O meu amor é a singularidade de uma canção impar na pluralidade dos meus versos”.

“A inveja é uma flor roxa que nasce nos corações dos trouxas, dos incapazes, dos mesquinhos e dos homens pequenos de atitudes e caráter. Transforme a força dessa inveja pela doçura de saber ver e reconhecer o talento e a grandeza de cada um”.

“Ser Brega é viver com estilo e com amor.
É não ter vergonha de dizer eu te amo, nem de mandar flores.”

“A inveja nos distancia das pessoas queridas e ainda nos veste com o uniforme da cólera”.

“A inveja é um espelho que só reflete incapacidade”.

“Aos Amigos!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!… Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar… Porque amigo sofre e chora. Amigo não tem hora pra consolar!… Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção. Amigo é a base quando falta o chão! Amigo é colo, é ombro, palavras sinceras, carinho e força para seguirmos em frente sem duvidas.
Com a minha ternura e gratidão aos amigos.
Com carinho e ternura”.
Do amigo Vicente Telles

“Ninguém viveria um grande amor sem passar pelas ruas do romantismo e muito menos sem ter como trilha sonora, canções do nosso rei Roberto Carlos. “Eu tenho tanto pra lhe falar mas com palavras não sei dizer como é grande o meu amor por você”. Também nunca ao término de uma relação, alguém deixa de passar pelos desencantos poéticos de Odair José. “Depois que você casou comigo, nunca mais você se arrumou…. Assim você mata nosso amor”. Se você não beber um trago, vai fazer uma oração, sentar na famosa calçada dos lamentos, desabafar com um (a) amigo (a), chorar pelos cantos, fazer uma poesia, rabiscar o nome da pessoa amada em todos os lugares… Ou com uma lata de spray, dar uma de pichador, grafitando o nome dela no ponto mais alto da cidade, mesmo afirmando não estar nem ai, para não assumir o surto da “breguice”. Nessas horas, tanto faz curtir um Odair José ou um Bartô Galeno num “pé sujo”, ou Vinicius de Moraes, Tom Jobim, Caetano Veloso ou outros chiques, num piano bar. As tristezas e as desilusões, doem do mesmo jeito no brega ou no chique. As canções falam dos mesmos sentimentos, com vocabulários, melodias e arranjos diferentes. A tristeza é tristeza em qualquer lugar do mundo. O triste nem sempre está triste por ser triste. Acho que para ter alegria de grego ganhando presente de troiano é melhor não tê-la. Do meu ponto de vista, a felicidade independe de qualquer humor, você pode estar triste e ser feliz e vice versa. Eu por exemplo sofro de tristeza crônica. Quem me conhece bem sabe disso. Porém, quem me “avistar” de relance numa prosa, contando “causos” e piadas, não vai perceber essa minha faceta. Roberto Carlos parece ter essa tristeza, Vinicius de Moraes e muitos outros também. Essa tristeza muitas vezes é denunciada através do olhar. No caso do Roberto Carlos. Ele parece querer deixar claro quando fala numa canção bem famosa, só de sua autoria: “Olha dentro dos meus olhos vê quanta tristeza…” A pessoa triste não é obrigatoriamente infeliz. Ela canta, sorri, bebe, vai à praia, ao futebol etc… Enfim, tem a felicidade em fatias. (A felicidade de todo mundo pode ser de variadas formas, mais também é em fatias). Sou triste mais sou feliz. Dentro do meu universo feliz, existem pensamentos tristes que talvez já sentisse na raiz da minha concepção e sendo assim, não tem cura. Essa minha tristeza está muito ligada ao amor, a ternura, a generosidade, ao carinho, a humildade e isso me faz educado. Muitos escondem a tristeza atrás de palavras filosóficas, para não mostrar o lado “brega”, sentimental. Quem não entende a tristeza não sabe tirar proveito dela, por isso precisa esconder os seus sintomas ou disfarçá-los. Muitas vezes, os chiques usam biombos intelectuais para não parecerem bregas. Suas atitudes e ações precisam sempre ser clássicas. Costumo dizer que: “Sou brega por que amo ou não sou brega sou apenas um cara colorido”. “A breguice está mais para a literatura que para a matemática, por isso é mais passional”. O povão elege como porta voz do seu coração os cantores bregas com suas vozes chorosas e canções simples. O escritor Paulo César de Araújo, no seu livro Eu não sou cachorro não, diz: “O Brasileiro é um ser triste”. Ele chora de alegria e de tristeza e caminha com felicidade entre esses dois sentimentos. A minha vida é toda essa mistura e o meu coração é latino.
Cecília Meireles dizia: “Não sou alegre e nem sou triste, sou poeta”. Já eu prefiro dizer: “Sou alegre, sou triste e sou poeta”. Que atire a primeira geladeira, quem nunca teve sobre ela um pingüim ou que não seja brega como eu.”

“Teu sorriso em mim ecoa,
como se a alma voa,
correndo em tua direção,
para buscar na tua mão,
O coração de uma mulher
linda tal qual a lua
Venha ser só o meu céu,
pra eu ser teu menestrel
E cantar na tua rua”.

“Bem que o destino em mim plantou você
esplendoroso rumo que me leva a ti
ternura imensa que aquece minha alma
somos um presente de Deus
que em nosso destino plantou a calma”.

“ ÁGUIA ERRANTE”
(Vicente Telles)

Desperta um sentimento teu grito é meu silencio
meu velho amigo do peito vadio é o teu defeito
seguimos a mesma estrada a mesma velha morada
és o meu lado perfeito, es o meu lado banal

Muda tua maneira de ser não sofre mais
me mostra o teu lado forte afinal… Afinal
dois seres que são incompletos
são parte de um mesmo teto… Coração!

Guarda esse teu momento não deixa ele ir embora
não deixa o sofrimento pegar-te ao romper da aurora
correr esse mundo em campo abrir novos horizontes
bater as asas ao vento qual águia que segue errante.

“Quando nada mais restar”
(Vicente Vicente Telles)

Quando te sentires só
E todos os galanteios se calarem
Quando voares por todos os céus
E todos os sóis te aquecerem
Todas as estrelas te seguirem
Se te olhares no espelho sem esperança
Para que sejas simplesmente amada
Quando a ninguem mais interessares
E o sentimento rude da solidão te alcançar
E tomar conta dos teus pensamentos
Para mim ainda estará se preparando pra vires
Saberei dar-te o valor antes de qualquer depois
Se tudo que sofre é a paga do teu erro
Que todos os meus desejos sejam o teu perdão
Esperando-te estarei para um repouso perfeito
nos abraços meus e as mãos que eu aprendi chamar
Eternamente teu, me fiz
Não fique triste por tudo o que já passaste
Estou passando por aqui pra ti

“Quisera eu poder fazer voar meus sonhos para juntos realizarmos com a ternura dos colibris e a candura dos anjos o encontro do grande amor que a vida me destina”.

“Hoje acordei sentindo os ventos acariciando os meus sonhos como se fosse uma cantiga ninando a inocência de quem sonhou ser poeta!” – Vicente Telles:)

“O amor me leva ao mais terno caminho que a vida esconde dos insensíveis”. – Vicente Telles:)

“A vida transcorre calma e lenta como as águas, embora existam pedras no caminho, desviará para tranquilamente desembocar no mar que é a sua a terra prometida!” – Vicente Telles:)

“A verdade é o investimento maior dos nossos sonhos, para uma realidade concreta no amanhã”. – Vicente Telles:)

“O principio da caridade é o amor ao próximo e a sublime aplicação é amar os seus inimigos.
Das maiores virtudes essa é a maior vitória sobre o egoísmo e o orgulho”. – Vicente Telles:)

“Faça aquilo que for melhor para o seu coração;
nós somos as nossas emoções!” – Vicente Telles:)

“Faça aquilo que for melhor para o seu coração;
nós somos nossas emoções!” – Vicente Telles:)

“Tudo e todas as coisas nessa vida são feitas pela vaidade dos homens; só lamento pelas vitimas”. – Vicente Telles:)

“Quisera eu poder fazer voar meus sonhos para juntos realizarmos com a ternura dos colibris e a candura dos anjos o encontro do grande amor que a vida me destina”. – Vicente Telles:)

LIÇÃO DE VIDA

Santa Inês era só uma pequena cidade escondida no interior do maranhão e que me abrigou até os meus 16 anos. Eu era apenas um rapaz franzino, de olhar sonhador e com o peito cheio de coisas pra contar e pra cantar, rindo e chorando mais cheio de poesia. A música, com seu inigualável poder, segurou-me firme e serenamente como presa feliz, arrancando-me da família e dos amigos de infância que, entretanto, continuaram a povoar meu pensamento e meu trabalho como fonte perene de inspiração, de um sonho pungente que ganha espaço na voz plangente de quem canta ébrio de paixões. Eu, Vicente Telles, durante toda a minha trajetória artística sempre procurei levar o nome de Santa Inês a todos os quadrantes do planeta, através de uma luta séria, cheia de dedicação e carinho, que graças a Deus enche de orgulho os despidos de vaidade e de um orgulho mesquinho, os que se sentem pequenos diante da bravura dos que buscam correr atrás do sol, para registrar seus sonhos nas calçadas da realidade, como a própria Santa Inês, na representação dos seus governantes. Por este e outros motivos é que apoio a candidatura de quem tem as mesmas digitais das ruas que guardaram as minhas pegadas entontecidas de sonhos e embriagadas de luz. Como disse certa vez em uma nota o nosso talentoso poeta, músico e cantor Guilherme Arantes, quando afirmou sobre a minha luta que inseri na contracapa de um dos meus discos ainda de Vinil: “… E por isso estou aqui”: “Seu trabalho é marcado pela sinceridade e o carinho com que é feito transparece”, Guilherme Arantes.
Tudo isso é motivo de orgulho para mim e deveria ser para a minha cidade de Santa Inês! Contristado me vejo por não ter tido até hoje o reconhecimento das autoridades que governaram por mais de três décadas essa pobre cidade, mas aos trancos e barrancos e pelos versos que canto: “Casa velha luz de lamparina sem telha por cima esteira pra deitar, um prato que não tem comida enxergo a historia que não sei contar, na parede olho um triste santo que um dia disse ia me ajudar eu sei que como eu há muitos esperando a sorte, quem sabe mudar”, me empenho na caminhada deste moço que fala a língua do meu, do seu e dos nossos corações, que tiveram por muitas vezes lagrimas, risos, sonhos e alegrias enfeitando essa cidade que amo com ternura, carinho e coração. Saí de Santa Inês no dia 09 de janeiro de 1975, como um pássaro empurrado de seu ninho ainda sem asas, tendo que se virar para não ser engolido pelas cobras. Cheguei aqui em 12 de janeiro sem sobrenome e sem deixar família de posses, caí num rio de jacarés e cobras, o meu matulão era apenas pureza, inocência e os sonhos que explodiam num peito sentido, que foi o combustível para que um pássaro sem asas se tornasse um leão. Sempre acreditei muito em Deus e na luz que dera numa conversa que tivemos quando se plantou em meu coração. A partir dai a única luz que existia no meu caminho era apenas eu.
Isso tudo se encontra no meu livro, “O SEGUNDO FILHO DE JOSÉ”, que um dia termino!… É este o motivo de eu estar com Ribamar, por ele ter andado os caminhos que a minha infância andou, por ter as digitais das mesmas ruas e entender a linguagem do coração de um poeta.

Carinhosamente,

VicenteTelles

Entrevista com Vicente Telles

Anúncios

4 respostas em “Vicente Telles, um Cancioneiro do Amor!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s