“Não gostei da mudança”, diz Paulo César Barros!

Paulo César Barros foi o baixista da banda Renato e seus Blue Caps entre o final da década de 1950 e o final da década de 1980.
O conjunto fora fundado por ele e por seus irmãos Renato e Ed Wilson, ainda aos 13 anos de idade.

No início do ano de 2012 Paulo César Barros participou de uma entrevista onde falou sobre a mudança que aconteceu com os Beatles, quando eles deixaram a primeira fase de sua produção musical, entrando em outra fase mais elaborada, mais amadurecidos musicalmente.

Paulo César Barros 2

Neste vídeo, o pensamento de Paulo César, que diz, “não gostei da mudança”!

Qual é a sua opinião? Deixe um comentário! 😉

Leiam algumas opiniões sobre este depoimento de Paulo César Barros aqui.

Um esclarecimento feito em 03-01-2014, pelo próprio Paulo César Barros:

Paulo César escreveu: “… Quero dizer que é um enorme prazer estar com vocês e poder tirar algumas dúvidas com relação à coletiva que fiz em Fortaleza, CE. Quando eu disse que já não curtia a 2ª fase dos Beatles, jamais pensei em depreciar a maior banda de todos os séculos. O que eu disse foi que na 1ª fase era mais espontânea, visceral com os 4 garotos tocando sem compromisso midiático e etc…. e que na 2ª já havia a total influência da cultura musical do grande maestro George Martin, ou seja, as harmonias eram mais elaboradas, arranjos genialíssimos, mas que ao mesmo tempo tudo isso estava acontecendo, infelizmente, na fase da discórdia interna entre os garotos de Liverpool e consequentemente as composições já não tinham mais as características do grupo e sim individuais. Era como se fosse : Vou gravar essa aqui agora e se eles três não gostarem, que se danem ! Não que fosse exatamente dessa forma, mas o clima já passava isso. Pra quem curtiu, vibrou como eu a fase de garagem dos fabulosos THE BEATLES, foi uma grande tristeza. Forte abraço pra todos e feliz 2014.”


Mais comentários incluindo os de Renato Barros estão aqui neste link.

Paulo César Barros com seu contrabaixo anos 50

Paulo César Barros com seu contrabaixo anos 50

Anúncios

19 respostas em ““Não gostei da mudança”, diz Paulo César Barros!

    • Vc está falando que o PC Barros não evoluiu musicalmente se enterrou no passado é isso? Rapaz quem tocou com Raul Seixas, Roberto Carlos, Maria Bethania, Gal Costa, Gilberto Gil, Tim Maia e entre muitos outros não deve nada a ninguém e muito menos a vc.

  1. Ele viu muito mais pelo lado pessoal dos integrantes dos Beatles, já que eles estavam numa fase de lenta ruptura pessoal e musical apesar de admitir que o que eles fizeram foi muito bonito, embora triste, pois expressava a amargura do grupo em relação a fama que os aprisionou e não tinham mais como levar uma vida comum.

  2. Gente, questão de gosto. Eu, particularmente, gosto muito mais da fase psicodélica, mas conheço dezenas de pessoas que preferem a fase yeah-yeah-yeah. Agora, isso não tem nada a ver com o talento e o conhecimento do PC Barros, que é um dos melhores baixistas (se não o melhor) do país. Aconselho a ouvir os trabalhos dele e depois comentar a respeito.

  3. Muita gente ficou perdida com a mudança radical dos Beatles, pois não sabiam mais como copia-los. Tanto pela baixa qualidade dos nossos estúdios, como também de grande parte de nossos músicos. Essa é pura verdade, o resto é blá blá blá.

  4. BEATLES EM TODAS AS FASES.APESAR DE NÃO SER BEATLEMANÍACO,SOU SIM, ANOS 60 MANÍACO.QUANTO AO PAULO, ELE É UM MÚSICO TÃO COMPLETO,QUE OS BLUE CAPS(A MAIOR BANDA DA JOVEM GUARDA),FICARAM PEQUENOS DIANTE DO SEU TALENTO.QUANDO MÚSICO DE BAILES,DIVIDI MUITOS PALCOS COM RENATO E SEUS BLUE CAPS,AQUI EM FORTALEZA, E O PAULO É AQUELE CARA GENEROSO, IRMÃOZÃO DE TODOS. VIDA LONGA A ESSE MONSTRO SAGRADO,QUE É TAMBÉM, UM SUPER VOCALISTA. SALVE PAULO CÉSAR COSME VIEIRA BARROS.

  5. Concordo com o EdCarlos e com o Francisco Brito (Paulo César Barros foi/é o maior baixista que já ouvi tocar e cantar, e eu procurava fazer/tocar baixo nos conjuntos musicais inspirado no que ouvia nas gravações de Renato e seus Blue Caps).

  6. FALAR DE BEATLES É SEMPRE PRAZEROSO, ELES ERAM OS RAPAZES FANTÁSTICOS NUM PALCO MAL ILUMINADO, MAIS A SUA SONORIDADE FAZIA COM QUE NÃO FALTAVA NADA. E TRATANDO-SE DAS DUAS FASES, EU ACHO QUE AS DUAS FORAM MARAVILHOSAS, COMO POR EX: CLÁSSICOS DA PRIMEIRA DA FASE, YESTERDAY, AND I LOVE HER, ETC. 2ª FASE – SOMETHING, DON’T LET ME DOWN, HEY JUDE ETC,
    NÃO VOU CITAR MAIS MÚSICAS, SE NÃO IRIA COLOCAR O REPERTÓRIO TODO
    E TRATANDO-SE DE RENATO E SEUS BLUE CAPS, QUE FOI A TRADUÇÃO DOS BEATLES NO BRASIL NOS ANOS 60.
    EMPRESTARAM SUAS SONORIDADES A VÁRIOS ARTISTAS, PRINCIPALMENTE AOS ARTISTAS DA GRAVADOR CBS, HOJE SONY MUSIC..
    ROBERTO CARLOS É UM DELES,VOU CITAR ALGUNS DISCOS: ROBERTO CARLOS EM RITMO DE AVENTURA, O INIMITÁVEL, ETC.
    QUANDO OUÇO BEATLES DA VONTADE DE OUVIR OS BLUE CAPS.
    TENHO TODOS OS LPS DO PERÍODO JOVEM GUARDA, NA QUAL PAULO CEZAR BARROS É A VOZ PRINCIPAL.

  7. Renato e seus Blue Caps, fantásticos .. adorava!!!!!!

    Bem, o assunto é Beatles, minha opinião é:, eu gosto das duas fases, tenho a impressão que tanto a primeira , quanto a segunda corre em paralelo com minhas fases emocionais, ou seria o contrário? o trabalho deles foi em escala evolutiva , não poderia ser diferente os Beatles jamais ficariam na fase maravilhosa love me do., fatalmente pelo andar da história, pela pesquisa, pela curiosiade deles e do Martin a evolução caminhou por um caminho pra lá de satisfatório.

  8. Concordo plenamente com Paulo Cesar, talves porque eles estivessem varios passos a nossa frente e como amavamos a primeira fase, nao conseguiamos entender essa evoluçao
    . Beatles é sempre Beatles de qq forma ( Sou Beatlemaniaco ) mas nao tenho como nao concordar com o Paulo, a pulsaçao da primeira fase era muito maior. bjs a todos Cacá Romano

  9. Eu gosto das duas fases dos Beatles, mas também prefiro a primeira. Foi a da minha infância. Aliás, custei a “captar” a segunda. E conheço gente que até hoje prefere os Beatles até “Rubber Soul”. Não vejo problemas em o PC ter essa opinião. Por muito tempo eu concordei plenamente com ele. Custei a realmente me sintonizar com os Beatles da segunda fase. Do Álbum Branco, por exemplo, só aprendi realmente a gostar recentemente, ao ouvi-lo com calma em CD, da primeira à última faixa.

  10. Para quem aprecia o uso de drogas, a segunda fase foi genial. Para quem aprecia a boa música, houve algumas composições extraordinárias. Contudo, essa fase só existiu em função da primeira, não só pela lógica mas porque o início foi revolucionário e grandioso. A base disso foi a autenticidade musical, a a graça e a alegria contagiante, responsáveis por 90 por cento do prestígio da banda. Eu era menino, amava os Beatles e era indiferente aos Rolling Stones. Na segunda fase, a fonte havia secado e eu, criança de 10 anos, já preferia que acabassem pois já estavam muito chatos, pesados. Foi quando Paul McCartney deu o “tiro de misericórdia”.

  11. Pessoal, na verdade eu divido os Beatles em várias fases.
    Vejam só:
    1ª Fase – Do Lp Please Please Me – É a fase de Hamburgo, do Cavern Club, com muitas versões de músicas gravadas por outros cantores. Compunham músicas próprias já com o jeito das músicas da época.
    2ª Fase – A fase do Yeah, Yeah, Yeah. Abrange o sucesso midiático e viram moda. Vai do Lp Beatlemania (With the Beatles) até o Help!. Acho que foi a fase que mais curtiram.
    3ª Fase – A descoberta das drogas e do experimentalismo musical. Abrange o Rubber Soul e o Revolver.
    4ª Fase – Fase do Psicodelismo com experiências das drogas e da filosofia hindu. Sgt. Peppers,
    Magical Mistery Tour e Yellow Submarine.
    5ª Fase – Individualista. Lp White Album. –
    Cada um tenta seguir um caminho musical e pessoal diferente do outro.
    Existe um amadurecimento pessoal e tentam fugir da imagem criada pela banda.
    6ª Fase – Rompimento de personalidades – Let it Be – Cada um quer seguir seu próprio caminho e sem encontrar esse caminho musical tentam voltar as origens da banda tocando o rock n roll limpo e sem os arranjos elaborados de George Martin.
    Última Fase – Encerramento com chave de ouro gravando, mesmo que separadamente um do outro, o Lp Abbey Road. Deixam um caminho que posteriormente foi seguido pelo rock progressivo com músicas longas e vocais elaborados.
    A diversificação de todas essas fases é que fez com que a banda sempre será lembrada pois as músicas atingem um leque musical imenso.

  12. Tenho 59 anos, acompanhei a trajetória dos Beatles e também senti que houve uma mudança radical no estilo de tocar e se apresentar do grupo.
    a questão é! Houve uma troca de “Adolescentes”, para adultos muito rápida, muito embora a “Beatlesmania” ñ se importavam e curtiam como fossem à época do ê ê ê…Mas houve sim uma mudança hostil, tanto que a Banda já desgastada entre seus componentes, já não aguentavam mais shows e muito menos estarem juntos… tocaram juntos em cima do edifício da Apple e o final foi decretado…Lamentável!

  13. Paulo César Barros, um dos maiores e melhore BAIXISTAS e VOCALISTAS deste país, o Brasil!
    o cara foi o sustentáculo vocal do grupo musical “Renato e seus blue caps”, ao lado, é claro, de Renato e Cid!
    Para mim, a banda “Renato e seus blue caps”, é um fenômeno da música brasileira. Principalmente, com a sua formação inicial, com a presença do inesquecível e excelente músico, Paulo César Barros (cantando e tocando seu maravilhoso contra baixo)!

    Obs.: depois que passei a entender melhor de música, percebi muito mais a qualidade e a genialidade desse grande músico, Paulo César Barros.

    Parabéns a ele e ao grupo musical “Renato e seus blue caps” (fenômenos da música brasileira)!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s