O Cantor Bobby de Carlo conta como iniciou sua carreira artística.

Os primórdios do Rock no Brasil assim como a Jovem Guarda ficaram na memória de quem viveu aqueles anos dourados e vive nas mentes e corações daqueles que apreciam a boa música, até os dias de hoje.
Um dos principais representantes deste período inesquecível é o cantor Bobby de Carlo, nome artístico de Roberto Caldeira dos Santos, que começou sua carreira no início da década de 1960 cantando rock e que tive a honra e o prazer de conhecer recentemente.

Dia desses, ao publicar uma foto do cantor na página Jovem Guarda, a Brasa Continua Acesa, no Facebook, um comentário me deixou sem resposta, e questionava o fato de não haver muita informação sobre a história do cantor na Wikipédia, e ao fazer uma pesquisa no Google, percebi que realmente não havia muita informação a respeito da carreira profissional deste ídolo do Rock e da Jovem Guarda, o que seria inadmissível se não estivéssemos no Brasil, um país sem memória e que esquece seus ídolos!

Desta forma, conversando com ele sobre sua carreira profissional, ele se dispôs a responder algumas perguntas que eu lhe fiz, me contando carinhosamente alguns fatos de uma forma bem natural, como segue:

Pergunta: Você começou como músico ou como cantor? Como foi que decidiu entrar para a carreira artística?

Resposta: Meu pai me ensinou alguns acordes de violão. Com 15 anos um amigo, Rubens Pardini, compositor e cantor, me pediu que o acompanhasse ao violão em teste na gravadora Odeon. Não o aprovaram.
Celly Campelo e Tony Campelo eram contratados da gravadora e faziam grande sucesso. Adail Lessa, chefe de divulgação, Julio Nagib, diretor artístico e Osvaldo Gurzonni, diretor de vendas da gravadora se interessaram por mim e me convidaram para um teste cantando em estúdio. Fui aprovado.
Sergio de Freitas, que a partir daí se tornou amigo, colaborador, incentivador, participando efetivamente de tudo em minha carreira, era divulgador da Odeon e fez a versão de “Dede Dinah” gravada originalmente por Franckie Avalon com o titulo “Oh! Eliana”.
Comecei minha carreira como cantor.

Pergunta: Por que o nome artístico “Bobby de Carlo”?

Quando da assinatura do contrato com a Odeon, estava lá, “BOBBY DE CARLO” como nome artístico. Nem questionei.
Penso ter sido ideia do Tony. BOBBY, por causa de Roberto (Robertinho) e DE CARLO, um sobrenome italiano assim como CAMPELO, acho que pra dar sorte. rsrsrs

Pergunta: Quem eram os seus ídolos? Você se inspirava em alguém? É Beatlemaníaco também ou os Beatles são indiferentes pra você?

Resposta: Como ídolos: Little Richard, Rick Nelson, Everly Brothers, Pat Boone (por causa dos sapatos brancos), The Ventures e muitos outros. Isto em 1959/60.
Depois vêm vários outros como Beatles, que adoro, Blood, Sweat and Tears.. enfim, muitos…

Pergunta: Como conheceu o Joe Primo, o Foguinho dos Jordans, o George Freedman e o programa do Antonio Aguillar?

Resposta: Conheci o Primo em um show como já havia dito. Recordei-me, Cine Piratininga.
O Foguinho, conheci na Praça Padre Bento (Larguinho Sto Antonio do Pari). Ele morava se não me engano na Rua Catumbi, perto do “Larguinho”.
Estou pensando seriamente em colocar uma placa de bronze no Larguinho com a seguinte inscrição: “Por aqui passaram várias celebridades do Rock no Brasil” ou coisa parecida rsrsrs… Me dê uma sugestão?
O Antonio Aguilar com seu programa ao vivo, indiretamente nasceu no “Larguinho”.
O meu amigo George Freedman embora não fizesse parte da turminha, passou por aqui também.
Conheci o Aguilar em seu programa feito no estúdio da radio Nacional quando divulgava meu disco em 1961.

Roberto Caldeira Dos Santos escreveu: “Os Vampires foi criado por mim e o Primo como a Lucinha descreve em seu comentário acima, o motivo era e foi para atuarmos no programa do Antonio .Aguilar, “Ritmos para a Juventude” ao vivo na radio Nacional de S. Paulo.Paralelamente eu, havia gravado na Odeon como cantor dificultando minha permanência no conjunto.Divulgação do disco, programas de TVs, etc… Com minha saída e entrada do Gato em meu lugar, o nome também foi mudado para Jet Blacks.”
Boby Di Carlo

Bobby de Carlo no Programa de Antonio Aguillar divulgando sua musica “Oh! Eliana” “Observem que no fundo estão GATO, JOSÉ PAULO, JURANDI e um grande amigo VALENTINO GUZZO.. E a fã, claro!!!” (Bobby de Carlo)

Bobby de Carlo

Bobby de Carlo cantando Oh! Eliana

Pergunta: Você também é compositor?

Resposta: Após a Jovem Guarda em 1968, retornei à gravadora Odeon e dentre alguns compactos duplos e simples, gravei 03 musicas minhas, que são “Vem”, “Só” e “Encabulado”. (Veja como fui econômico nos títulos.)
A ideia do “Encabulado” eu roubei do Primo. Certamente ele faria melhor.

Pergunta: Quais os instrumentos que você toca?

Resposta: Com relação aos instrumentos é o seguinte:
Quando conheci o José Paulo (dos Jet Black’s) no mesmo colégio que estudei, o Colégio Frei Paulo Luigi, ele tomava aulas teóricas de violão aprendendo métodos de Carlulli, Tarrega, Aguado.
Tocava muito bem algumas musicas de Dilermando Reis. Tomei conhecimento visual de partituras musicais para violão. Não estudei violão teoricamente, mas, me questionei! O que é musica?
A partir daí comecei a ler sobre divisão musical, valores etc… E descobri que conhecendo musica, vai depender da dificuldade que o instrumento lhe impõe para poder executá-lo.
Como exemplo, quando fiz um solo de ocarina em “Emoção” no meu primeiro L.P.: toquei ocarina, mas, se me pedirem para tocar uma “tarantela” (tipo de musica em que o instrumento se adaptou), não saberia. Teria que estudar ocarina por longo tempo.

Também participei tocando flauta doce em um pequeno solo na gravação dos amigos Deny e Dino pela gravadora Continental com produção de Wilson Miranda (velho roqueiro,também) de nome “A PHOTO”.

Compacto simples lançado por Deny e Dino onde a canção "A Photo" tem participação do Bobby de Carlo tocando flauta doce.

Compacto simples lançado por Deny e Dino onde a canção “A Photo” tem participação do Bobby de Carlo tocando flauta doce.

Violão e contra baixo são instrumentos que me oferecem menos dificuldades, depois vem piano, órgão elétrico, teclados de uma maneira geral. (Vibrafone,. etc…).
Resumindo, como a ocarina, deu pra tocar até citara no pequeno solo em “Ao perder você” no meu primeiro L.P.

Quando eu disse que não conhecia o instrumento “ocarina”, Bobby me explicou e disse:

“Minha sobrinha derrubou a ocarina e sendo de argila, se quebrou, sem recuperação.
A minha parecia uma berinjela. A origem é desconhecida. Muito antiga.
Quanto à cítara, não é a indiana e sim aquelas que se vendiam nas ruas…”

Vejam os instrumentos dele nas fotos:

Ocarina

Ocarina

Citara

Citara

A canção “Oh! Eliana”, primeira gravação:

Bobby de Carlo teve vários sucessos inesquecíveis, como “O Ermitão”, “A Boneca que diz Não”, mas o que marcou sua carreira foi “Tijolinho”, que ele cantava nos programas Jovem Guarda da TV Record, e também na Discoteca do Chacrinha, como podemos ver nestas fotos do acervo do cantor.

Bobby de Carlo no programa do Chacrinha

Bobby de Carlo Programa do Chacrinha

Na época ele foi destaque e capa de várias revistas, entre elas InTerValo e Revista do Rock…

Revista São Paulo na TV

Revista São Paulo na TV

Revista InTerValo

Revista InTerValo

Bobby de Carlo envia Revista do Rock

Revista do Rádio com os colegas cantores, Luis Carlos Clay e Jerry Adriani

Revista do Rádio com os colegas cantores, Luis Carlos Clay e Jerry Adriani

Mais recentemente, em 2008, Bobby de Carlo se apresentou no palco cantando “A Boneca que diz Não”, e a gente registra aqui com este vídeo:

Jair Souza
Jair Souza 12 de fevereiro de 2015 15:26
O BOB É UM DOS PRECURSORES DO ROCK, NÃO FOSSE POR ELE E AQUELA TURMA DO ROCK BRASILEIRO DOS ANOS 50, NÃO TERIA HAVIDO JOVEM GUARDA….ABS. JERRY Jerry Adriani
Roberto Caldeira Dos Santos
Roberto Caldeira Dos Santos 12 de fevereiro de 2015 18:28
Querido amigo Jerry, tive a felicidade de gravar em 78 rpm na antiga gravadora Odeon,(na época era muito difícil),algumas versões de Fred Jorge entre outros, em consequência do sucesso que o rock no Brasil despontava com Betinho e seu conjunto,Sergio Murilo, Tony e Celly Campelo,Ronnie Cord, Carlos Gonzaga e outros poucos. Inevitavelmente surgiram outros cantores (as) e conjuntos de rock resultando no chamado movimento da jovem guarda o qual, todos nós criamos. Quero que saiba que o tenho na mais alta estima pelo seu caráter,honestidade,respeito e consideração com amigos.Grato por sua amizade..Abrs…

2 respostas em “O Cantor Bobby de Carlo conta como iniciou sua carreira artística.

    • Olá Fernando, segue a resposta do Bobby a sua pergunta.😉 rsrs

      Roberto Caldeira Dos Santos 12 de fevereiro de 2015 19:55
      “Em resposta a Lucinha, não era franja e sim abundancia de cabelos lisos. Não precisava usar touca. Porem, hoje em dia preciso usar boné ou chapéu protegendo-me do sol, devido minha testa ligeiramente alongada. rs…”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s