A Verdade “extraoficial” Sobre os Direitos Autorais das Canções dos Beatles!

Em julho de 2014 resgatamos este assunto o qual havia sido longamente debatido no velho Orkut e publicamos aqui, uma tradução de um texto em inglês publicado por Dave White neste link.

A tradução:

Os direitos autorais das canções dos Beatles

Amizade desfeita entre Jackson e Macca.

Quanto você imagina que vale o catálogo das canções dos Beatles?
A resposta dada por Michael Jackson em 1984: $47.5 milhões de dólares. Isso significava que todos os direitos autorais das vendas, apresentações e transmissões por rádio das músicas dos Beatles eram divididos meio a meio entre Jackson e os autores das canções (McCartney e John Lennon).
Até aquela época, McCartney e Jackson tinham um relacionamento amigável tanto pessoal como profissional, até gravando juntos um par de canções de sucesso nos anos 80, “The Girl is Mine” e “Say, Say, Say”. De fato, foi depois que Macca disse através de reportagens a Jacko todo o dinheiro que ele ganhou por possuir as canções de outras pessoas que Jackson ficou interessado em entrar para este campo de negócio musical.

Começou a ironia…

Quando a Television Corporation (aka ATV) colocou os direitos de editora do seu catálogo de 4.000 títulos (incluindo a maioria de canções dos Beatles assinadas por Lennon-McCartney) para venda, Jackson ficou imediatamente interessado. McCartney, não muito. A princípio ele achou que seria muito caro. Além disso, não importava quem as possuísse, ele ainda estaria obtendo uma parte dos direitos autorais sobre as canções dos Beatles. Em determinado ponto, ele tentou conseguir que Yoko Ono fizesse uma parceria com ele, mas ela negou. No final, McCartney tornou-se um licitante muito forte, mas retirou a oferta quando soube que o lance de Jackson havia atingido $43.5 milhões.

Para Macca, isso pode muito bem ter sido mais uma questão de princípios do que de preço. Como ele disse ao jornal Daily Mirror, de Londres, “A coisa que me aborreceu é eu ter que pagar para tocar algumas de minhas próprias canções. Cada vez que eu quiser cantar ´Hey Jude´ eu terei que pagar”. Isso foi suficiente para acabar irrevogavelmente com a amizade entre os dois que antes haviam sido amigos e colaboradores.

O que acontece com o Catálogo dos Beatles agora?

Dizem que Jackson se sentia por demais infeliz sobre o estragon que o negócio causou à sua amizade com McCartney. De fato, em janeiro de 2009, o jornal Daily Mirror, sem revelar as fontes, publicou que Jackson havia escrito um novo testamento o qual concederia sua parte nos direitos de publicação de 250 canções dos Beatles para Macca. Aquela notícia jamais foi confirmada, portanto se aquela é uma das várias versões da vontade de Jackson de que se ouviu falar, ainda não se sabe se é verdade.
Em 1995, a Sony pagou a Jackson $95 milhões por 50% dos direitos pelo catálogo da ATV, incluindo aquelas canções dos Beatles, criando uma parceria agora conhecida como Sony/ATV Music Publishing, com a Sony e Jackson lucrando cada um, 50%.

Dada a complexidade dos negócios financeiros de Jacko e sua posição como um ícone da cultura pop, é provável que passe anos até que o possuidor de metade dos direitos de publicação do catálogo de Lennon-McCartney finalmente seja resolvido. Enquanto isso, McCartney continuará a dividir 50% dos direitos autorais com a propriedade de Lennon.

Algum ressentimento?

Apesar da desunião entre os dois, McCartney parece contente em olhar (pelo menos publicamente) o lado bom. Numa afirmativa publicada pela Associated Press, Macca disse: “Sinto-me privilegiado em ter me relacionado e trabalhado com Michael. Ele foi um rapaz muito talentoso e de alma gentil. Sua música será lembrada para sempre e as lembranças do tempo que passamos juntos serão felizes”.

Na ocasião, Paul McCartney se pronunciou a respeito, conforme reportagem no site UOL, cujo link no momento já está indisponível:

“McCartney nega que Michael quisesse ceder direitos de músicas dos Beatles
O ex-Beatle Paul McCartney deu nesta quarta-feira (8) seu parecer sobre as informações segundo as quais Michael Jackson queria entregar a ele sua parte sobre os direitos das canções do grupo, cujos 50% são de propriedade do rei do pop desde os anos 80.
Em declaração divulgada em seu site oficial, McCartney afirma: “há algum tempo, a imprensa apareceu com a ideia de que Michael Jackson iria deixar para mim sua parte sobre os direitos dos Beatles em seu testamento”.
Segundo o músico, essas informações “foram completamente inventadas”.
“Agora a informação é de que estou desolado ao saber que não me deixou as canções. Isto é completamente falso. Não tinha pensado nem por um minuto que as primeiras informações fossem verdade e, portanto, as notícias de que estou desolado são também totalmente falsas. Não acreditem em tudo o que leem”, escreveu o ex-Beatle.
Michael Jackson comprou a empresa Northern Songs, que era proprietária da maioria das canções compostas por Paul McCartney e John Lennon como membros dos Beatles, em meados dos anos 80, em um leilão no qual ofereceu mais dinheiro do que o baixista do grupo.
Esses 50% sobre os direitos das músicas do grupo é um dos ativos mais rentáveis e com garantia de futuro do cantor morto, já que seu valor estimado está em torno dos US$ 480 milhões.
McCartney declarou que, embora a amizade que manteve com Jackson nos anos 80 tenha se debilitado ao longo do tempo, ambos nunca deixaram de se considerar amigos, e tem “uma lembrança carinhosa” do tempo que passaram juntos.
“Em momentos como este, a imprensa tende a inventar coisas. Portanto, de vez em quando sinto a necessidade de deixar as coisas claras”, termina o comunicado do músico.”

Pois bem, agora soube por um amigo que a historia é outra!
Esta pessoa que prefere não ser identificada recebeu informações extraoficialmente em uma das reuniões que teve com o pessoal da Apple há alguns anos em Londres, as quais dizem o seguinte:

1- Michael comprou apenas uma parte da editora, 49%, sendo que 51% são (ainda) de Paul e John, e não todo o complexo Beatles como fala na matéria.

2- Paul disse a ele (MJ) que ia comprar, quando estavam gravando juntos, em um papo informal, e era leilão fechado e disse o valor que ia dar e o MJ deu um pouco a mais, sem dizer nada ao Paul, por isso eles brigaram , pois o Paul confiou nele e se sentiu traído.
Quando Paul foi cobrar a atitude de MJ, ele tirou sarro do Paul dizendo algo como: “Comprei seus filhos” e isso irritou muito o Paul, mas como ele é muito “político”, isso não vazou e ele ficou na dele. Eu acho que o MJ disse isso em uma entrevista por ai…

3- Yoko Ono disse ao Paul que compraria pela metade do preço e não fez nada, e Paul havia confiado nela… então bobeou feio!

4- Em um dos escândalos infantis o MJ vendeu a parte da editora dele e a ”EMI” comprou – na verdade foi o Paul, mas ele não quer que isso seja de conhecimento publico e dai “culpou” a “EMI” pela compra.

5- Isso de deixar como herança pro Paul é pura balela, invenção de jornalista.

6- A historia da MTV de que não passava Beatles porque o MJ proibia é pura besteira e invenção deles pra não passar Beatles, pois ele (MJ) não tinha esse poder nem nunca teve.

7- Existe pela Apple uma restrição (que eu acho muito imbecil) de ter de pedir autorização toda vez que passar um clipe dos Beatles para não ficar “carne de vaca” , por isso eles pedem às TVs para só passar quando tem algum lançamento ou alguma promoção especial, mas é apenas um pedido, não uma proibição, uma vez que o clipe foi feito para isso – divulgar o artista.
Com isso as TVs acabam ignorando os Beatles, pois não querem ficar pedindo à Apple, já que outros artistas eles podem veicular à vontade.

Paul e Michael

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s