Ringo Starr era obrigado a ter uma paciência de Jó!

Era 22 de agosto de 1968…

Fechou o tempo em Abbey Road, e Ringo foi embora nessa sessão. As tensões entre os quatro eram recorrentes nessa época, e o George Martin tinha que pedir para que os engenheiros dessem um pausa para beber alguma coisa ou fazer alguma refeição. Em algumas sessões, Ringo não era utilizado, e frequentemente ficava na recepção de Abbey Road lendo jornal”, diz Ron Richards. “As vezes, a espera levava até quatro horas.

Um dia, Ringo cansou de esperar foi embora sem avisar. George Martin disse que estava tendo problemas com o Ringo e eu disse que não estava surpreso com isso”. Um dia ele foi e não voltou mais. No dia 22 de agosto, coincidentemente, eles precisariam de um baterista, já que Paul iria gravar Back In USSR. Acabou ele mesmo assumindo as baquetas. “Ringo tinha o trabalho mais difícil”, diz Richard Lush. “Às vezes ficava tocando bateria por nove horas sem parar, às vezes ficava nove horas esperando para tocar. Depois de nove horas de sessão, ainda tinha que ouvir que teria que tocar tudo de novo”. Era preciso muita paciência para agradá-los. Ken Scott: “Sempre ouvia Ringo reclamar de alguma coisa, e ele resmungava que ia deixar a banda. Mas no fim, o trabalho sempre continuava”.

Segundo Hunter Davies, a explicação era a de que Ringo antes era o quarto beatle. Com o fim das turnês, sempre em estúdio, ele era um músico estepe, sempre à espera da próxima gravação em que, como os arranjos dos Beatles se tornavam mais mininalistas e sofisticados, seu trabalho iria ser menos proeminente. A frustração era inevitável, mas amigos dizem que o estopim foram as ásperas críticas de Paul à técnica do amigo, tendo chegado ao máximo quando Paul sugeriu que ele mesmo iria tocar bateria nas suas músicas.

Sem Ringo, Paul faz a bateria dos cinco takes, depois acrescentando drums tracks (pratadas, rolos por cima da parte reta da bateria original). John Paul e George revezaram o baixo e George e Paul a guitarra solo nessa gravação.

Era 28/29 de agosto, não havia lugar agendado em Abbey Road e com Ringo desaparecido, os Beatles terminaram agosto gravando no Trident House. Usando uma mesa com um eight track tape, em vez de fazer vários takes, eles usavam uma base e iam mixando outros takes de violão e guitarra por cima, eliminando imperfeições. Ou seja, foi um take, porém um take “múltiplo”. Da mixagem, participaram Mal Evans e Jakie Lomax. No segundo dia, foram acrescentados meia lua, palmas e baixo pelo Paul, que também toca bateria.

Mas, como é sabido, Ringo volta a Abbey Road uma semana depois, com evasivas sobre desacordos musicais, e dizendo que Paul é o melhor baixista do mundo, mas que também é muito obstinado, pois faz tudo para que as coisas saiam do jeito dele.

Quando Ringo entrou no estúdio 2, viu sua bateria coberta de flores.
Era a forma de um arrependido Paul lhe dar as boas vindas!

(Texto de Marcelo Xavier)
Ringo Starr WA

2 respostas em “Ringo Starr era obrigado a ter uma paciência de Jó!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s