O Selo “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte IV)

YOUNG: UMA HISTÓRIA – CAPÍTULO IV – PARTE A

Uma das contratações feitas por Miguel Vaccaro Netto que mais frutos rendeu foi a do grupo The Cupids.
Além da homogeneidade que apresentavam como grupo, os talentos e personalidades de alguns de seus membros haviam chegado para ficar e ajudar a fazer a história da Jovem Guarda e do show business em geral.
Lucy Perrier era a solista. Dona de uma voz cristalina, possuía também forte personalidade e uma figura carismática. Ao lado de Regiane formava uma dupla de cantoras, cada uma em seu estilo, que nenhuma gravadora possuía igual na época.

Kiss Me Honey, Honey Kiss Me – The Cupids.

Outra vantagem a favor dos Cupids era o fato de ter entre seus componentes dois garotões irreverentes, brincalhões, divertidos, além das boas figuras e dos talentos para cantar e compor.
Dori Angiolella, que ficaria conhecido como Dori Edson alguns anos depois, e Marcos Roberto, cuja sequência de trabalhos ultrapassou as fronteiras brasileiras, tornando-se conhecido em toda a América Latina, principalmente por seu hit “A Última Carta”.

Pela Young, Vaccaro ousou algo diferente: Lançou o primeiro disco dos Cupids e, no mesmo pacote de lançamentos, lançou outro disco com dois dos Cupids, Dori e Marcos, um de cada lado.
Dori gravou a tradicional música irlandesa “Danny Boy” em ritmo de Rock’n Roll, enquanto Marcos Roberto interpretava uma versão para a balada da peça clássica Liebstraum #3, de Franz Liszt, sob o título “I Love You, I Do”.

Danny Boy – Dori Angiolella

I Love You, I Do – Marcos Roberto

Dori Edson, Carlos Bandeira e Marcos Roberto

Dori Edson, Carlos Bandeira e Marcos Roberto

YOUNG: UMA HISTÓRIA – CAPÍTULO IV – PARTE B

A explosão do Rock and Roll em termos mundiais, deu ensejo para que as várias correntes musicais viessem à tona e tivessem uma exposição jamais antes conseguida. Já comentamos aqui como adolescentes, tipo Paul Anka e Neil Sedaka, para exemplificar, passaram a dominar uma fatia do mercado.
Outros gêneros musicais, aproveitando a onda, entraram de carona e passaram a ser ouvidos e apreciados por aquela nova geração de consumidores, os compradores de discos.
Do grupo folclórico vieram Jimmie Rodgers, The Wavers e Kingston Trio.
Da música country faziam sucesso Sonny James e Eddie Arnold entre outros.
Até Hollywood contribuiu com seus jovens atores, como Tab Hunter, Sal Mineo e Tony Perkins, que se aventuravam a cantar.
Os genuínos Rock and Rollers, como Little Richard e Chuck Berry, passaram a ter estranhas companhias nas listas de discos mais vendidos.

O gênero que melhor se saiu nesta salada musical, foi o que era formado por grupos vocais que seguiam a linha de atos como The Ink Spots e The Mills Brothers, que vinham desde os anos 40 criando escola e influenciando novos grupos.
Dai surgiram The Platters, The Coasters, The Five Satins, The Moonglows e tantos outros.
A indústria, sempre alerta, passou a criar grupos de jovens para não perder espaço. Daí, Dion & The Belmonts, The Mystics etc.
A abertura musical do programa Disque Disco, berço da Young, era Whispering Bells, com o grupo Del-Vickings, genuíno representante deste movimento chamado Doo Wop.

Oriundos da região da Penha, cinco jovens formavam o mais distinto grupo vocal do Brasil, o cultuado The Beverly’s. Pereira, Amélia, Wander, Mariano e Castro nada deviam, em aparência, harmonia e talento, aos melhores grupos vocais internacionais.
Levaram para a família Young não somente toda a simpatia e coleguismo, suas marcas registradas, mas também uma enorme contribuição artística, participando como background vocals para a grande maioria das produções da Young.
E, obviamente, The Beverly’s tiveram também seus próprios êxitos, alcançando o status de membros do Top 5 da gravadora.

The Beverlys - Da esquerda para a direita Mariano, Pereira, Amelia, Castro e Wander

The Beverlys – Da esquerda para a direita Mariano, Pereira, Amelia, Castro e Wander

There Goes My Baby – The Beverlys

Dance With Me – The Beverlys

Representando a classe universitária, o grupo The Teenagers era formado por Carlos, Waltinho, Hermes, Toninho e Prandini.
Alguns anos mais tarde, após a saída de Prandini, tornaram-se atrações permanentes no programa “O Fino Da Bossa”, comandado por Elis Regina, agora sob o nome O Quarteto.

Mediterranean Moon – The Teenagers

The Book Of Love – The Teenagers

YOUNG: UMA HISTÓRIA – CAPÍTULO IV – PARTE C

O interior paulista e o gênero Doo Wop foram representados na Young pela cidade de Rio Claro, de onde vieram quatro jovens liderados pelo entusiasmado e idealista José Carlos, e que atendiam pelo nome de “The Youngs”.

Tiveram uma passagem breve, porém marcante.

The Ten Commandements Of Love – The Youngs

Come To Paradise – The Youngs

Por hora o elenco da Young estava completo.
Todas as correntes e tendências estavam cobertas por Miguel Vaccaro Netto.
Tudo já estava registrado em discos e as sessões de gravações tornaram-se históricas.

Neste período a Young utilizou-se de dois dos melhores estúdios de São Paulo.
Uma parte das gravações foram realizadas nos estúdios da RGE, de José Scatena. O engenheiro de som era o lendário Stelio Carlini, tio do músico Carlini, integrante do grupo Tutti Frutti, de Rita Lee, e também do famoso Made In Brasil.

Em outro estúdio no Largo da Misericórdia, propriedade da Continental, com a eficiência do engenheiro de som Ivani Soares, algo inédito iria acontecer…

Mas este será um assunto para nosso próximo capítulo!

Por Alfie Soares

Anúncios

9 respostas em “O Selo “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte IV)

  1. Lucinha, agora que estou com mais tempo, comecei a ler o seu blog, e estou achando sensacional…Muitas coisas você coloca aqui que muitos não conheciam e agora vão passar a conhecer…Estou achando fantástico, com muitas raridades inclusive…Acharia interessante você colocar isso em livro. Já pensou nisso…Parabéns pelo blog e um abraço
    Vlademir Ferreira

  2. Pingback: A Gravadora “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte VII – FINAL) | WE LOVE THE BEATLES FOREVER

  3. Olá Lucia, tudo bem?
    Muito boa a abordagem que faz sobre os ídolos do período, parabéns!! Dois detalhes: o primeiro é uma leve correção com relação ao grupo Beverlys. Eles eram oriundos da Penha, não de São Miguel, local onde alguns integrantes se conheceram. O Outro detalhe é uma notícia: Em janeiro próximo será o lançamento do livro contando a história do Beverlys, escrito pelo único componente vivo do grupo, meu pai Wander Loureiro, contando fatos pitorescos do período de Ouro da Jovem Guarda!!
    Claro que contamos com sua presença!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s