O Selo “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte VI)

YOUNG: UMA HISTÓRIA – Capítulo VI

A YOUNG AO LADO DAS ATRAÇÕES INTERNACIONAIS

A grande magia do rádio é sua capacidade e poder de aguçar a imaginação de seus ouvintes.
Poucos radialistas souberam explorar este quesito como Miguel Vaccaro Netto.
Tanto na edição noturna de seu “Disque Disco” na Rádio Record quanto em sua edição diurna pela Rádio Panamericana, a criatividade de Vaccaro causava comentários, agitação e polêmicas entre a grande legião de ouvintes que o acompanhava.
Ele era o porta-voz daqueles jovens que faziam da Rua Augusta um fenômeno nacional e assim foi quando ele transformou uma morna procura por ingressos para os shows de Johnnie Ray em um enorme sucesso, apenas por criar expectativas para um sorteio de uma camisa vermelha do cantor.

Just Walking In The Rain – Johnnie Ray

Em Junho de 1958, Vaccaro voltou a provocar a curiosidade de seus ouvintes, inventando uma entrevista exclusiva e ao vivo com dois astros internacionais, a quem ele chamou de Cantores Misteriosos, e cujas gravações somente ele possuía.
Ao final do programa, com recordes de telefonemas e audiência, revelou que os artistas, um rapaz e uma garota, eram brasileiros e que aquelas eram suas primeiras gravações.
Estavam lançados, através do Disque Disco, os dois grandes pioneiros da música jovem no Brasil: Celly e Tony Campello!

Handsome Boy (Celly Campello)

Forgive Me (Tony Campello)

Uma das grandes sacadas de Vaccaro envolveu um nome que se tornaria reverenciado e respeitado em todo o mundo.
Brenda Lee foi apresentada ao público como uma garota prodígio que, aos treze anos, encantou o mundo com sua gravação de Jambalaya, de Hank Williams.

Miguel Vaccaro Netto, Brenda Lee e seu agente. Sentado ao fundo está Atílio Riccó, que anos mais tarde faria parte do corpo de diretores do núcleo de novelas da Globo.

Miguel Vaccaro Netto, Brenda Lee e seu agente.
Sentado ao fundo está Atílio Riccó, que anos mais tarde faria parte do corpo de diretores do núcleo de novelas da Globo.

Vaccaro resolveu executar em seu programa o disco em rotação alterada de 45 rpm para 33 1/3 rpm. Assim, Brenda Lee, com sua peculiar voz rouquenha, passou a soar como a de Louis Armstrong. E Vaccaro lançava a semente da dúvida sobre a real existência de Brenda. Isso somente ajudou a fazer de Brenda Lee uma campeã de vendagem no Brasil.

Jambalaya (Brenda Lee)

A direção da TV Record, quando contratou Brenda Lee para realizar uma semana de espetáculos em seu Teatro, não pensou duas vezes. Miguel Vaccaro possuía em seus domínios a equipe de jovens artistas que se apresentavam às quintas-feiras e o veículo ideal para promover sua contratada, ou seja, o programa que praticamente colocou o nome de Brenda Lee no mapa da América do Sul. Assim, numa tarde gostosa de primavera em 1959, o programa Disque Disco recebeu Brenda Lee em seus estúdios na Rua Riachuelo.

Alfie Soares e Brenda Lee

Alfie Soares e Brenda Lee (foto um pouco manchada devido ao fato de ter sido salva depois de um furacao que Alfie Soares enfrentou na Flórida)

Ao ser apresentada a Miguel Vaccaro por seu empresário Dub Allbritten (também autor de seu grande sucesso “I’m Sorry”, em parceria com Ronnie Self), Brenda perguntou a Miguel: “So, now you believe me?” (“E então, acredita em mim agora? “), ou seja, ela já sabia da história.

Brenda Lee e seu Agente

Brenda Lee e seu Agente. Ao fundo estão Dub Allbritten e o Sr. Vaccaro, pai de Miguel, uma saudosa lembrança.

Regiane foi encarregada de recepciona-la e entregar a ela um arranjo de flores e um ursinho de pelúcia.

Brenda Lee e o ursinho Teddy Bear ofertado por Vaccaro.

Brenda Lee e o ursinho Teddy Bear ofertado por Vaccaro.

Regiane cumprimenta Brenda Lee e entrega o ramalhete de flores.

Regiane cumprimenta Brenda Lee e entrega o ramalhete de flores.

A convidada de honra respondeu às perguntas enviadas por ouvintes, ouviu algumas canções apresentadas ao vivo por parte da turma que iria apresentar-se na primeira parte de seu show, e encantou-se com a simpatia e talento daqueles jovens brasileiros.

Em Setembro de 1959, uma terça-feira, teve início a participação dos artistas da Young em um show internacional. Juntou-se aos artistas da Young o grande humorista Renato Corte Real, e a temporada de Brenda Lee foi um retumbante sucesso.
Todas as noites, Brenda ficava ao lado do palco, encantada com o que ouvia.

A turma da Young, Paulinho, Dudu, Daniel e Bob Win (The Avalons), Prini Lorez com o astro internacional, Paul Anka.

A turma da Young, Paulinho, Dudu, Daniel e Bob Win (The Avalons), Prini Lorez com o astro internacional, Paul Anka.

All The Time (The Avalons)

Mr. Blue (The Teenagers)

I Go Ape (Nick Savoia.

Com o início da temporada de shows internacionais, o programa Disque Disco deixou de ser apresentado diretamente do Teatro Record às quintas-feiras, mas os artistas da Young não deixariam de se apresentar naquele palco.
Em seguida ao show de Brenda Lee, o Teatro Record programou A Quinzena do Rock and Roll, contando mais uma vez com os astros da Young e as atrações Johnny Restivo, para a primeira semana e Frankie Lymon, encerrando a programação.
Desta vez o comediante que se juntou à turma da Young para a primeira parte do espetáculo de ambas as atrações foi Doca Vassalo.

Johnny Restivo – I Like Girls (Eu Adoro Garotas)

Frankie Lymon (Goody Goody)

Vieram mais tarde Neil Sedaka, Paul Anka, Teddy Randazzo, Frankie Avalon e Dion, este por apenas dois dias. E todos eles travaram conhecimento e amizade, de uma forma ou de outra, com a turma da Young, que eram uma espécie de embaixadores dos jovens brasileiros junto aos astros norte-americanos.

Alfie Soares e Frank Avalon. Nesta foto Alfie está passando a Frankie um suplemento completo da Young.

Alfie Soares e Frank Avalon.
Nesta foto Alfie está passando a Frankie um suplemento completo da Young.

Mesmo quando a atração do Teatro Record era um artista local, a turma da Young era convocada para o espetáculo.

celly-turma-da-young

Alfie Soares e Neil Sedaka

Alfie Soares e Neil Sedaka

Frankie Lymon

Frankie Lymon

Quando Brenda Lee veio ao Brasil pela segunda vez em 1964, ficou decepcionada ao saber que seus amigos da Young não fariam parte de seus espetáculos.
As gravações da Young faziam a alegria dos responsáveis pelas principais lojas de discos do Brasil. Em São Paulo, as duas lojas mais visitadas pela juventude local eram a Eletroarte, de Antonio Paladino, na Rua Augusta, e a loja de Luis Vassalo, na Avenida Ipiranga. As duas vendiam discos importados, daí a demanda pela Young, que cobria aquela fatia do mercado. E desde que estamos tratando de atrações internacionais e discos importados, aproveito para informar que a trajetória meteórica deste selo criado por Vaccaro não ficou restrita ao Brasil. No início dos anos 60, uma compilação dos principais títulos da Young foi lançada em toda a América Latina sob o título de Asalto En Ritmo, lançado pela Fermata Internacional.

young-internacional

E aqui se encerra o penúltimo capítulo da historia da gravadora Young.

Em breve, o último capítulo, incluindo além do final da historia, mais algumas considerações.

Por Alfie Soares

Uma resposta em “O Selo “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte VI)

  1. Pingback: A Gravadora “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte VII – FINAL) | WE LOVE THE BEATLES FOREVER

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s