O Selo “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira. (Parte VII – FINAL)

YOUNG: UMA HISTÓRIA. Cap. VII (final)

O selo Young tinha como principal objetivo o de revelar e promover novos intérpretes e compositores brasileiros que tinham total identificação com o movimento musical dirigido ao público jovem que passou a dominar o show business mundial. Porém, não fechou seus ouvidos para o que acontecia no universo paralelo da música e, assim, quando o ano de seu nascimento em 1959 coincidiu com o ano de falecimento do grande músico de jazz Sidney Bechet, a Young lá estava para ser a única a lançar a gravação original do saxofonista norte-americano para sua composição mais famosa. Petite Fleur.

A Young passou a ser também uma porta para o Brasil, aberta aos novos talentos de outros paises cujos discos não tinham representação no nosso território através das companhias multinacionais, como Odeon, RCA, Philips e Columbia, o quarteto de ferro que mandava e desmandava no mercado local.

Em 1959, a Inglaterra começava a colocar suas “manguinhas de fora”, mostrando ao mundo Cliff Richard e The Shadows, e nada mais lógico do que tentar a sorte com outro jovem inglês que surgia. Freddie Davis foi o escolhido.
Freddie, que anos mais tarde, precisamente em 1972, voltaria a ter sucesso no Brasil com a sua gravação So Lucky, foi lançado pela Young através de sua versão para o sucesso do grupo Fireflies, “You Were Mine”.

Freddie Davis – You Were Mine

Apenas como fato curioso: O primeiro compacto simples de Elton John lançado no Brasil pela RGE, no início de 1971, com as músicas Your Song / Take Me To The Pilot, foi com o selo Young, porém em cor cinza e não com o tradicional Vermelho e Branco.

Outro pioneirismo creditado à Young: Foi a primeira etiqueta a lançar seus discos em 45 rotações no Brasil, pois seu público consumidor fazia parte daquele refinado grupo que comprava discos importados. Além do tradicional, para a época, 78 rotações, havia a opção de comprar o compacto em 45 rpm. Ao mesmo tempo, lançava compilações em EP (Extended Play), reunindo sucessos em dose quádrupla.

The Avalons – Baby Talk

Regiane – Willie Boy

Nick Savoia (Bad Boy)

The Beverlys (Yaket Yak)

O ano de 1960 chegou trazendo um sentimento nacionalista, graças à promessa do desenvolvimento de uma indústria automobilística, a construção de Brasília etc. Deste sentimento surgiu a ideia de gravar em ritmo de Rock and Roll a marcha Paris Belfort. Esta composição francesa foi usada como fundo para o noticiário da Rádio Record a respeito dos acontecimentos que faziam a história da Revolução Constitucionalista de 1932. Ficou sendo a marcha oficial da revolução.
A ideia era ligar os jovens de 1960 aos jovens que havia lutado por uma nova constituição 28 anos antes. E a linguagem seria o ritmo jovem, sem deturpação de harmonia ou linha melódica.
O guitarrista dos Jester Tigers, Gato, que já era sucesso como cantor com o seu “Kissing Time”, foi o escolhido para ser o solista.

Gatto – Paris Belfort

YOUNG: UMA HISTÓRIA. Cap. VII

Entusiasmados com a ideia da homenagem dos jovens aos veteranos combatentes, Miguel Vaccaro e Henrique Lebendiger criaram um plano de promoção que seria único, totalmente inédito segundo os padrões brasileiros.

O plano consistia em reunir um número grande de ex-combatentes nas escadarias do Teatro Municipal de São Paulo, perfilados ao som da marcha “Paris Belfort”, executada ao vivo por Gatto (José Provetti) e os músicos que participaram da gravação. O evento teria seu início exatamente às doze horas do dia 9 de Junho, um mês antes da data comemorativa da revolução de 1932. Graças a um trabalho da equipe de divulgação da Young, as principais emissoras de rádio de São Paulo executariam a gravação de Gatto ao soar do meio-dia, coincidindo com o início do espetáculo ao vivo.

Assim, no começo da tarde de uma quinta feira fria iluminada por um sol tímido, soaram os primeiros acordes de Paris Belfort, em ritmo de Rock and Roll.
O Teatro Municipal de São Paulo ficava em frente a um dos mais concorridos corredores da cidade, o Viaduto do Chá. A multidão começou a aglomerar-se ao ouvir aquele som vibrante, dando uma pausa na cidade que não podia parar, e pelos rostos sorridentes, pelos pés acompanhando o ritmo e pelas palmas batidas podia se dizer que o evento era um sucesso. Até que um dos veteranos pracinhas estranhou um pouco a maneira como seu hino estava sendo executado e, saindo de sua formação, começou a gritar contra os músicos. Os outros veteranos se juntaram a eles e, até mesmo parte daquela plateia de transeuntes que estava gostando do que ouvia, passou também a ameaçar os músicos.
A solução foi correr pra bem longe dali, do Viaduto do Chá até a Rua Riachuelo, onde ficavam os estúdios da Rádio Panamericana.
Estava encerrado aquele capítulo.

E o destino resolveu ser irônico ao determinar que uma revolucionária marcha se tornasse a última gravação da revolucionária Young. Não haveria mais gravações da Young, mas ela não terminou. Apenas entrou em processo simbiótico com a tradicional indústria fonográfica. Demetrius assinou com a Continental, onde teve uma sequência de grandes êxitos; Nick Savoia, Antonio Claudio (Danny Dallas), The Avalons e Galli Jr., dos Rebels (Prini Lorez) foram contratados pela RGE, Regiane foi para a Odeon, Hamilton Di Giorgio juntou-se a Wilson Miranda e Sergio Reis como os grandes astros jovens da Chantecler, Dori e Marcos (The Cupids) saíram para sua carreiras solos, Nenê, o garoto prodígio dos Rebels, juntou-se aos grupos que pavimentaram seu caminho em direção a um dos grupos mais vitoriosos do Brasil, Os Incríveis. Gato juntou-se aos Jet Black`s e assim por diante.
A Young não acabou. Tornou-se objeto de colecionadores e caçadores de raridades musicais,adquirindo status de “cult“.

O estúdio da Panamericana, de onde “Disque Disco” era transmitido, foi o primeiro palco destes jovens talentosos. Juntamente com Vaccaro, aqueles futuros astros contaram com a boa vontade e ajuda de outros profissionais, como os técnicos de som Francisco Vieira e Eddy Costa, os locutores Brim Filho, Augusto Tovar, Walkiria e José Magnoli, conhecido depois como Helio Ribeiro, grande nome do rádio brasileiro.

De um sonho realizado com a paixão e a ousadia de Miguel Vaccaro Netto muitas carreiras tiveram seu inicio. Com a vibração e talento dos jovens que formaram a família Young muitas portas se abriram para tantos outros movimentos inspirados por estes pioneiros.
Seria fabuloso se cada um dos que viveram aqueles mágicos momentos dedicasse um pequeno tempo de sua vida para compartilhar sua história…

Young - Discografia

Young – Discografia

discografia-young-2

Por Alfie Soares

Quem é Alfie Soares?

É o nome artístico de Afonso Soares de Azevedo, que no período de 1959 a 1962 trabalhou como assistente de Miguel Vaccaro Netto, Rádio Panamericana (Jovem Pan) e programa Disque Disco, época em que foi criada a Young.
Também neste período trabalhou no Teatro Record, nas apresentações de atrações internacionais como Brenda Lee, Neil Sedaka, Paul Anka, Teddy Randazzo, Frankie Lymon, Johnny Restivo, Frankie Avalon e outros tantos.

De 1964 a 1969 trabalhou na Odeon, onde começou como divulgador e depois tornou-se produtor.
Fez trabalhos com Abílio Manoel, Silvio Cezar, Eduardo Araujo, Silvinha e outros.

De 1969 a 1970 foi produzir para a Philips/Polygram. Gravou com Ronnie Von, Coisas de Agora, Tim Maia e outros.

De 1971 a 1979 trabalhou como contratado pela RCA Victor para tomar conta do Departamento Internacional e também produzir. Lá ele voltou a trabalhar com Eduardo Araujo, Silvinha, Demetrius e outros.

De 1980 a 1992, após rápida passagem pela gravadora Continental, parou de trabalhar com discos e foi para uma produtora de shows cujos donos eram Atílio Vanucci Jr. e Chico Anísio. Lá ele teve participação ativa nos shows de Kiss, Peter Frampton e Harlem Globetrotters. Dali foi com Claudio Liza para a Intershow, onde trabalhou novamente com Ronnie Von, Manolo Otero, Sarita Motiel e Fabio Jr.
Passou a trabalhar exclusivamente com Fábio até 1991. Em 1992 mudou-se para Miami, onde vive até hoje.

Vale dizer que em 1962 escreveu suas primeiras músicas com Hamilton Di Giorgio. Depois, teve como parceiros Wagner Benatti, o Bitão dos Pholhas (Clube Atômico c/ Luiz Fabiano), Papi (What To Do c/ Vanusa), Tony Campello (Cada Coisa Em Seu Lugar).
Depois, sozinho, escreveu musicas e versões para Eduardo Araujo, Silvinha, Celly Campello, Suzy Darlen, Joelma, Agnaldo Timóteo, Nelson Ned, Os Incriveis, Os Pholhas, Julio Iglesias, Chris McClayton e alguns outros mais.
Seu último trabalho, antes de mudar-se, foi para Zezé Di Camargo (Faz Eu Perder o Juízo).

Alfie Soares e Brenda Lee

Alfie Soares e Brenda Lee

O Selo “Young” e sua Importância no Cenário da Música Brasileira.

PARTE I

PARTE II

PARTE III

PARTE IV

PARTE V

PARTE VI

PARTE VII (FINAL)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s