Curiosidades sobre uma Guitarra que pertenceu a Renato Barros.

Esta é uma informação para os fãs de Renato e Seus Blue Caps, principalmente aqueles que são músicos e gostam de saber detalhes de gravações.

Trata-se de uma guitarra da marca IBANEZ que pertenceu a Renato Barros mas que por ser muito pesada, ele trocou por uma pedaleira que não usa mais atualmente.

Podemos ver Renato tocando esta guitarra durante uma participação da banda no Programa Milk Shake na extinta TV Manchete.

Nesta apresentação a banda faz um pout pourri com as músicas:
– Primeira Lágrima
– Até o Fim
– Não te Esquecerei
– Ana
– Feche Os Olhos
– Menina Linda

.

.
São duas guitarras numa só, um braço com 6 cordas (normal) e o outro braço com 12 cordas, muito usada nos anos 60 e 70. Só que normal 12 cordas só. A execução é a mesma. Cada corda corresponde à mesma nota da de 6, no caso da de 12 cordas, as mesmas notas são dobradas e muito próximas umas das outras. As notas são “oitavadas”, no uso popular, a mesma nota fina e grossa.

Renato Barros me disse que usou a guitarra de 12 cordas em várias gravações de músicas da banda Renato e Seus Blue Caps, Roberto Carlos e muitos outros artistas e inclusive os Beatles usaram muito também a guitarra de 12 cordas em gravações.

“Na música Como Há Dez Anos Atrás eu uso na introdução.” (Renato Barros)
.

.

RENATO BARROS EXPLICANDO SOBRE AFINAÇÃO DE GUITARRAS – 26-03-2018

Anúncios

Washington Coliseum Concert em 11 de fevereiro de 1964. Há 54 anos!

Os Beatles John, Paul, George e Ringo fizeram seu lendário primeiro concerto Americano no Washington Coliseum em 11 de fevereiro de 1964, portanto, há exatos 54 anos!

O local era uma arena de boxe com plateia por todos os lados, o que forçava a banda a parar o show e mudar a bateria e os amplificadores de lugar para contemplar o público, para que este pudesse ter a chance de ver a banda de frente.

Os microfones falhavam e a potência sonora era bem precária, mas a banda teve uma performance cheia de energia.

O evento foi filmado pela Rede CBS e exibido em circuito fechado de cinemas, mas depois ganharia o mundo!

Considerações: Cláudio Teran

.
FOTOS by Rowland Scherman Photography

The Beatles no Ed Sullivan Show – O Início da Beatlemania!

Num domingo, 09 de fevereiro de 1964, milhões de norte-americanos esperavam na frente de pequenos aparelhos de TV em preto e branco na expectativa de ver o novo fenômeno da Grã-Bretanha. O público para aquele show foi estimado em mais de 70 milhões de pessoas.

The Beatles fizeram sua primeira apresentação no Ed Sullivan Show, e o mundo estava diante do início da BEATLEMANIA!

De acordo com o livro “Diário dos Beatles” de Barry Miles, há uma passagem onde ele fala sobre o começo da Beatlemania e que diz:

“O começo da Beatlemania” ( pág 103)

“No dia 13 de outubro de 1963, os fãs da banda bloquearam a Argyl Street e depois se espalharam pela Great Marlborough Street, interrompendo o tráfego na região do London Palladium. Enquanto isso, dentro do teatro a plateia gritava tanto que John chegou a berrar, “calem a boca”. As manifestações dos fãs inspiraram os jornais do dia seguinte a criarem o termo ” Beatlemania”. A cobertura do evento também foi feita pela ITV, que a exibiu em seu noticiário noturno.”

Mas também há quem considere o início da Beatlemania o dia em que os Beatles desembarcaram no Aeroporto JFK nos Estados Unidos pela primeira vez, em 07 de fevereiro de 1964, já com um número 1 nas paradas de sucesso!”

Mas a data mais provável e marcante talvez seja mesmo a de 09 de fevereiro de 1964, quando há exatos 54 anos, The Beatles fizeram sua primeira apresentação no Ed Sullivan Show, dando início à Beatlemania!

Em fevereiro de 1964, os Beatles começaram a ganhar ímpeto como a mais nova mania da América, e foi a primeira apresentação deles no The Ed Sullivan Show que solidificou a popularidade deles na América do Norte.
Ed Sullivan, o apresentador com “cara de poker” de show de variedades da TV americana, havia visto os Beatles em uma cena de confusão no aeroporto de Heathrow, Londres, em outubro passado.

“Afinal quem são esses tais de Beatles?” ele aparentemente teria perguntado a seus associados.

Ele iria descobrir rapidamente que eles eram o mais novo fascínio da Grã-Bretanha, e ele decidiu levá-los para tocar no seu show.

O Ed Sullivan Show foi gravado nos estúdios da CBS em Nova York. O estúdio tinha uma capacidade para 703 pessoas sentadas. Os escritórios da CBS receberam mais de 50.000 pedidos de bilhetes. Mas apenas uma pequena parte destes foram delegados para os fãs dos Beatles. O Ed Sullivan Show tinha tarifa familiar, e embora Sullivan nunca tivesse se esquivado de atos considerados controversos, tais como Elvis Presley, James Brown e outros astros do rock iminentes, Sullivan ficava sempre claramente mais confortável seguindo o “establishment” do mundo do entretenimento. Na verdade, o seu animal de estimação era um fantoche de rato chamado Topo Gigio, uma paródia meio idiota de estereótipos culturais italianos.

Além do mais, Sullivan sabia que os Beatles eram algo especial, e ele os teria em seu show de uma forma ou de outra, nove vezes.

Em sua primeira aparição no The Ed Sullivan Show, os Beatles tocaram cinco músicas em dois sets. O primeiro incluiu All My Loving , Till There Was You, e She Loves You. Depois, na segunda metade do show, os Beatles tocaram I Saw Her Standing There e I Want To Hold Your Hand.

Cada canção foi bem ensaiada e saiu sem nenhum problema. O público , pelo menos naquela seção que estava reservada para os fãs jovens dos Beatles ficou comportado além do que se poderia esperar, até o sinal dos administradores de palco para gritarem até colocar pra fora o coração. Essa foi uma parte do negócio , ao que parece . Sullivan tinha feito um pacto ou uma “promessa “, como ele chamou, com os “jovens” em seu auditório para frearem um pouco a exaltação até que a música terminasse. Isso era, afinal, a televisão, e não algum clube noturno local. E enquanto os Beatles pudessem ser a atração principal da noite, Sullivan estaria igualmente orgulhoso do fato de que ele estava apresentando o elenco da Broadway de “Oliver ” – com Georgia Brown e Davy Jones, que passou a ser um dos The Monkees – Frank Gorshen (comediante, dando impressões de celebridades ) , Mitzi McCall & Charlie Brill (time de comédia ) , Tessie O’Shea ( cantor, medley de canções ) , Fred Kapps ( mágico ) e Wells & The Four Fays ( acrobatas, fazendo comédia física ).

No início do Show de 09 de fevereiro, Sullivan leu um telegrama de congratulações de Elvis Presley, o rei do movimento do rock nos Estados Unidos . Alguns descrevem isso como uma espécie de “torch-passiong “. O Rei estava longe da morte naquela época, mas seus herdeiros certamente estavam presentes naquela noite no estúdio da CBS. Isso não foi para dizer que não houve detratores. Tendo vivido através do hulla hoop e a louca mania da dança chamada “The Twist” , a maioria dos pais viram os Beatles como simplesmente mais um modismo momentâneo. Até mesmo o diretor musical de Sullivan teria dito em reportagem que “Eu lhes dou um ano.” Mas aquilo era mais do que o início de um breve caso de amor com quatro rapazes de Liverpool. Era o início da Beatlemania, uma mudança de comportamento cultural que duraria e continuaria até os dias de hoje.

Texto original traduzido por Lucinha Zanetti.

SHOWS DA BANDA RENATO E SEUS BLUE CAPS EM PERNAMBUCO E BAHIA / JAN 2018

A banda Renato e Seus Blue Caps desembarcou em Recife sexta-feira, dia 19 de janeiro, e de lá seguiu para a cidade de Limoeiro onde participou das festividades da “126a. Festa de São Sebastião”.
No palco em frente ao templo da Matriz, Renato e Seus Blue Caps emocionou pessoas de todas as idades com seu carisma e Show de Rock and Roll. Quem esteve presente viu Renato Barros fazer sua guitarra chorar!

.
Assistam aqui ao Show completo da banda Renato e Seus Blue Caps na cidade de Limoeiro, em Pernambuco, durante a 126a. Festa de São Sebastião, em 19 de janeiro de 2018.
Filmagem: WEB TV:

.

.

No dia seguinte pela manhã a banda seguiu para mais um Show, agora na cidade de Salvador, Bahia, no tradicional, sofisticado e disputado espaço de eventos, o Cerimonial Rainha Leonor, na Pupileira.

Show impecável, seguem fotos e vídeos.

.


.

RENATO E SEUS BLUE CAPS NA PUPILEIRA EM SALVADOR – 20-01-2018

– Dona do Meu Coração
– Eu Não aceito o teu adeus
– Eu sou apenas alguém
– Hotel California
– Ana
– Playboy
– Não volto mais
– Cláudia

.

ENTREVISTA DE RENATO BARROS AO BN CULTURA (JORNAL ON LINE BAHIA NOTÍCIAS)

Sábado, 20 de Janeiro de 2018 – 00:00
Renato e Seus Blue Caps fazem ‘Festa de Arromba’ com The Fevers em Salvador
por Jamile Amine

Formado atualmente por Renato Barros, Cid Chaves, Gelsinho Moraes, Darci Velasco e Amadeu Signorelli, o grupo carioca Renato e Seus Blue Caps retorna a Salvador neste fim de semana com a “Festa de Arromba”, desta vez ao lado dos amigos do The Fevers. Os shows, que remontam o universo dos anos 1960 e a Jovem Guarda, acontecem neste sábado (20), a partir das 21h, no Cerimonial Rainha Leonor, situado na Pupileira. “A gente está muito feliz de voltar já, acho que num espaço de três meses. É uma volta muito rápida, e a gente gosta tanto da Bahia, então é muito bom”, diz o líder do grupo, Renato Barros, lembrando as últimas apresentações, na AABB e no Teatro Castro Alves, em 2017.

A ideia da “Festa de Arromba” não é novidade, mas sua dimensão foi modificada ao longo dos anos. “O formato já existe desde 1999, que foi quando a gente fez pela primeira vez, só que naquela época eram várias bandas, era um negócio gigantesco. Era Renato e Seus Blue Caps, Os Fevers, Os Pholhas, Os Incríveis, Golden Boys…”, lembra Barros. “Fizemos um número grande de shows assim e depois foi diminuindo, e acabou que nós voltamos a nossa realidade, que é o que a gente gosta mesmo de fazer, show solo. A gente gosta, pra não misturar as coisas, porque cada banda tem seu estilo, a sua concepção e a nossa é de cantar para as pessoas ouvirem, nem tanto para dançar. Mas eu acho ótimo, acho que a gente vai conseguir fazer um bom show junto com os Fevers, que são nossos amigos”, acrescenta o músico, destacando o que avalia como um dos principais pontos positivos de eventos desta natureza: “mostrar seu trabalho para um público que não é cativo”.

No repertório, os maiores hits de Renato e Seus Blue Caps, como “Menina Linda”, “Feche os Olhos”, “A Primeira Lágrima”, “Meu Primeiro Amor” e “Meu Bem Não Me Quer”, além de duas canções em tributo a Tom Jobim, considerado por Renato Barros “o maior compositor brasileiro”. Mas o grupo poderá lembrar ainda um grande nome da música baiana. “Eu estava pensando em homenagear o Dorival Caymmi, mas não sei se vai dar tempo… Tomara que dê!”, conta Barros, destacando que, apesar do set list contar com canções já conhecidas, o modo de executá-las é sempre renovado. “A gente sempre tenta ficar bem próximo do que rola, mantendo a energia de tocar. É claro a gente não toca essas músicas da forma que tocava nos anos 1960, a gente vai mudando”, diz ele, explicando que a proposta dos artistas de sua geração é trazer um clima de nostalgia para aqueles que viveram a época, mas também mostrar seu trabalho para os mais novos.

60 anos de História nas páginas de um livro
Em 2019 o Renato e Seus Blue Caps faz 60 anos, mas o peso das décadas parece não romper a naturalidade com a qual Renato Barros encara a trajetória da banda. “É o tipo do negócio que não faço questão de falar, porque espanta o povo”, comenta o músico. “Eu quero que caia no esquecimento (gargalhadas)”, brinca. “Mas é verdade. A gente começou bem cedo e conseguiu muita coisa. Eu pelo menos não esperava nunca que fosse conseguir. Mas as coisas aconteceram e a gente tem que aceitar o tempo”, acrescenta ele, reafirmando sua forma de encarar a longeva carreira: “Eu acho que a gente tem que focar mais em outros detalhes, focar mais na feitura do show, da produção”. Diante disto, as seis décadas provavelmente chegarão sem celebrações ou grandes alardes, mas a história do grupo deve ser eternizada em páginas de papel. “Eu pessoalmente estou envolvido em um provável lançamento de um livro. Estou pensando muito nisso. Estou naquela fase de colher dados antes de Cristo (risos)”, conta Barros, sobre o projeto de lançar uma obra biográfica. “Estou na fase da pesquisa, de me lembrar, ter certeza mesmo do que eu falo. Porque tem tanto tempo, que a gente pode se enganar. Eu estou com muito cuidado, principalmente quando a gente fala de outras pessoas. Embora fale bem, mas fazer um livro é uma responsabilidade muito grande. É o que eu estou focado agora”, revela o cantor, que para esta empreitada conta com o apoio da jornalista paulista e amiga Lucia Zanetti. “Ela é muito competente e legal, e na verdade, quem está me cobrando isso é ela”, destaca.

O LP TWIST (1962) COMENTADO POR RENATO BARROS.

Ouvindo “TWIST” e o nascimento da Bossa Nova na companhia de RENATO BARROS.

Destaques:

– Gravado pela Copacabana Discos, o nome da primeira faixa, “Peppermint Twist”, era de uma boate em Nova York chamada Peppermint;

– Renato conta como surgiu a ideia de se fazer o disco com os artistas cantando 04 músicas cada um;

– Na música “I like Twist with my baby” o pai de Renato faz participação batendo palmas;

– O grupo “Os Cariocas” participam em duas músicas fazendo “backing vocal”: Cuide Certinho do Meu Bem, versão de Demetrius e Bonequinha, composição de Renato Barros.

– O caso da ausência de um baterista para a gravação do disco, o que fez com que Renato Barros tocasse a bateria em uma das músicas do disco.

NOTA: O Diretor da Copacabana Discos a quem se referiu Renato Barros era Nazareno de Brito.

.

O mesmo vídeo no Facebook:

.

.

O LP TWIST de 1962 gravado por Renato e Seus Blue Caps é composto pelas seguintes faixas:

01 – Peppermint Twist
02 – Chega (Makin Love)
03 – I Like Twist With My Baby
04 – Sinal Ocupado (Busy Signal)
05 – Meu Anjo da Guarda
06 – Summer Comes Again
07 – Blue Caps Twist
08 – Eu Quero Twist
09 – Hey, Brotinho
10 – Cuide Certinho do Meu Bem (Take Good Care of My Baby)
11 – Namorando
12 – Bonequinha

Formação:

Renato Barros: Guitarra Solo
Paulo Cesar Barros: Baixo
Edson Barros (Ed Wilson): Guitarra Rítmica
Roberto Simonal: Sax
Claudio: Bateria
Ivan Botticelli: Piano
Reynaldo Rayol e Cleide Alves: Vocal

Renato Barros e Lucinha Zanetti – Teatro Bradesco São Paulo março 2017

RENATO BARROS NO RIO DE JANEIRO / LUCINHA ZANETTI EM PIRACICABA

REGISTRANDO A HISTÓRIA DO ROCK BRASILEIRO

EM 29 DE NOVEMBRO DE 2017

.

RENATO BARROS CONTA COMO CONHECEU IVAN BOTICELLI, EX BLUE CAP.

Complementando sobre o disco “Twist” que publicamos ontem, 30/11, RENATO BARROS fala sobre a participação de IVAN BOTICELLI na banda Renato e Seus Blue Caps, que foi de 1960 a 1962, e de como eles se conheceram, que foi em uma daquelas “gigs” que os jovens músicos costumavam fazer… Neste vídeo, cenas do filme “Rio, Verão e Amor”, em cuja abertura Boticelli toca piano no conjunto de Bossa Nova.


.

NO FACEBOOK:

.

Depoimentos de Músicos Brasileiros sobre a Influência dos Beatles.

Uma Série publicada pelo site UOL e a banda cover Zoom Beatles celebraram os 50 anos da Beatlemania e do lançamento do álbum “Please, Please Me”, dos Beatles, ocasião em que alguns músicos brasileiros foram entrevistados e deram seus depoimentos.
Para comemorar os 50 anos de “Please, Please Me” em 22 de março de 2013, 1º disco da banda que revolucionou e mudou os rumos da história da música, o UOL preparou um grande especial em vídeo, dividido em quatro capítulos.
Com depoimentos de nomes consagrados da música brasileira como Caetano Veloso, Cauby Peixoto, Ronnie Von, Ritchie, Odair José, Renato Barros (Renato e Seus Blue Caps) e Lilian Knapp (Leno e Lilian), a homenagem também conta com a participação da banda Zoom Beatles, que regravou nos mínimos detalhes o álbum para o especial. Cada faixa tem seu respectivo clipe, gravado no heliponto do prédio do UOL, em São Paulo.

Zoom Beatles

“Quem acha que não foram influência, não sabe apreciar”

“A gente fazia mais um arranjo para o Brasil, para a América do Sul, por que se tiverem que escolher entre a música gravada por vocês e a música gravada pelos Beatles, vocês vão ficar na rabeira…” disse Renato Barros

“Eles fizeram muito mais do que seria necessário. Depois, eu vi como as músicas deles eram bonitas!”, relembra Caetano Veloso. Tanto na performance nos palcos quanto no estúdio, o quarteto inglês mostrou sua genialidade ao longo de sua trajetória e continua sendo reconhecido por todas as gerações de músicos. “A ideia do pop song vem das mãos deles. Eles escreveram o manual para nós”, ressalta Ritchie.

Além dos depoimentos de Renato Barros (Renato e Seus Blue Caps), Caetano Veloso, Cauby Peixoto, Ronnie Von, Ritchie, Odair José, Lilian Knapp (Leno e Lilian), e do Radialista Roberto Maia, podemos assistir no episódio trechos dos clipes de “Do You Want To Know a Secret?”, “A Taste of Honey”, “There’s a Place” e “Twist and Shout”.

PARTE 1 – “Quando eles apareceram, era como ouvir Justin Bieber”, diz Caetano Veloso.

PARTE 2 – “A gente fazia mais um arranjo para o Brasil, para a América do Sul, por que se tiverem que escolher entre a música gravada por vocês e a música gravada pelos Beatles, vocês vão ficar na rabeira…” disse Renato Barros
“Depois dos Beatles, o ‘tio Ronnie’ virou Ronnie Von”, afirma o cantor.

PARTE 3 – “Em Goiás, acharam que John e Paul eram uma dupla sertaneja”, recorda Odair José.
Lílian Knapp menciona a amiga que cantou com os Beatles, que foi nossa querida Lizzie Bravo.

PARTE 4 – O 4º e último capítulo do “Especial Beatles – 50 anos de Beatlemania” traz detalhes do legado que a banda de Liverpool deixou e mostra como a indústria musical, desde então, tem seguido e copiado tudo que foi descoberto e aprimorado pela banda que mudou os rumos da música mundial.

O VÍDEO COMPLETO NO FACEBOOK
.

.

DEPOIMENTO DE RENATO BARROS
.

.

Historiadores dizem que a visita dos Beatles a Bangor em 1967 foi um ponto de partida para mudanças.

Há cinquenta anos atrás os Beatles chegaram a Bangor, no Norte do País de Gales, para participarem de uma Conferência de 10 dias sobre Meditação Transcendental liderada pelo Maharishi Mahesh Yogi, mas sua visita causou uma agitação não apenas entre os fãs, como também na mídia.

Foi lá que descobriram que seu empresário havia morrido, um fato que alguns dizem que marcou o começo do fim para o grupo.

Era 25 de agosto de 1967 e acabavam de lançar seu oitavo álbum de estúdio, Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band.
Eles estavam em um ponto alto da carreira e decidiram visitar Bangor, porém não para tocarem em um Show.

O professor Chris Collins, chefe de música da Universidade de Bangor, disse que a visita da banda ao norte de Gales foi incomum desde o início.
George Harrison, o guitarrista dos Beatles, conheceu Maharishi Yogi, um guru da Meditação Transcendental – uma forma de meditação silenciosa – que os convidou para a sua conferência na cidade de Gwynedd.

“George Harrison ficou muito interessado no que o Maharishi estava ensinando e levou John e Paul a uma sessão em Londres, seguida imediatamente no retiro em Bangor, no local onde funcionava o Normal College, e agora parte da Universidade de Bangor,” disse o Prof Collins.
“Eles simplesmente pularam em um trem e estavam aqui algumas horas depois de decidirem fazer isso.”

“A imprensa certamente estava muito atenta ao que estava acontecendo. Havia um grande interesse pelo fato de que os Beatles pareciam ter descoberto o misticismo oriental e havia suspeitas sobre o fato em torno da imprensa na época.
“Aquilo realmente levou todos a Bangor para segui-los, além de criar um grande interesse na localidade”.

John Lennon pouco antes da partida do trem da Estação de Euston para Bangor.
GETTY IMAGES

Não foi apenas a imprensa que veio – os fãs também se reuniram.
Os Beatles ficaram no Normal College, agora o Centro de Gerenciamento da universidade.
Len Jones era um dos jardineiros da época e disse que eles causaram bastante reviravolta.
“Eu vim aqui às oito da manhã para começar a trabalhar e havia centenas de pessoas aqui. Eles estavam cantando e estavam meditando”, disse ele anteriormente.
“Os Beatles vieram então, e ninguém conseguia se mover com aquelas centenas de pessoas, especialmente as meninas. E todos estavam gritando ‘Beeeeatles, onde estão vocêsssss’?
“Toda a Universidade, todos pararam de trabalhar por um dia ou dois. Era o paraíso e realmente colocava Bangor no mapa”.
Mas The Beatles não estaria em Bangor por muito tempo. Eles chegaram na sexta-feira – e no domingo, o telefone público tocou no corredor dos salões da universidade onde ficavam.
Eventualmente, alguém respondeu o telefone e Paul McCartney recebeu a notícia de que seu Empresário Brian Epstein havia sido encontrado morto.

Ao tomarem conhecimento sobre a morte de Brian Epstein, The Beatles decidiram voltar para Londres.
Imagem: GETTY IMAGES

O jornalista Freelance Derek Bellis foi convocado para Bangor para entrevistar os Beatles sobre a notícia.
“Foi uma ocasião estranha, suponho que surreal seja a palavra que resume”, lembrou o senhor deputado Bellis.

“John foi quem mais falou nas entrevistas e ele disse que o Maharishi havia dito que eles deveriam lembrar as coisas felizes e as coisas construtivas.
“Parecia como se o Maharishi fizesse algumas observações bastante neutras, e agora você pudesse descrevê-las”.
Historiadores disseram que foi um ponto de virada para os Beatles. Sem Epstein para manter o grupo em conjunto, eles passaram mais e mais tempo em seus próprios projetos antes de se separarem definitivamente em 1970.

“Vir a Bangor foi coisa de George Harrison, mas John Lennon, Paul McCartney e Ringo Starr foram junto. Depois da morte de Brian Epstein, isso não aconteceu tanto, e os Beatles começaram a seguir suas próprias rotinas individuais,” disse o Prof Collins.
No entanto, as pessoas em Bangor ainda sentem orgulho de sua conexão com a banda. “Há todas as histórias que todos que moram em Bangor conhecem”, acrescentou o Prof Collins.
“Como a visita dos Beatles ao restaurante chinês, onde George tinha um bilhete de banco na sola do seu sapato e essa era a única maneira deles garantirem o pagamento, porque eles não carregavam dinheiro com eles.

“Há fotos de Paul McCartney em lugares estranhos ao lado da Estrada da Universidade, que são parte da conscientização local das pessoas sobre a estada dos Beatles.
“Se você mora em Bangor e aparece um novo livro sobre os Beatles, a primeira coisa que você faz é ir no índice e procurar Bangor!
“Está sempre constando lá e você pode ler o pouco da historia de quando os Beatles fizeram parte do seu mundo brevemente”.
Essa conexão ainda está marcada até hoje – há uma placa na universidade e uma laje de ardósia na rua principal lembrando esses três dias em 1967, quando os Beatles chamaram a atenção do mundo para Bangor.

Por Chris Dearden
BBC News

Tradução: Lucinha Zanetti

MAIS SOBRE OS BEATLES EM BANGOR