1966: um pesadelo na história dos Beatles!

A Beatlemania começou a dar sinais de estar perdendo força em 1965, quando pela primeira vez alguns assentos ficaram vagos nos concertos dos Beatles e os fãs já não lotavam os aeroportos para dar as boas vindas ao grupo. Ainda havia muita histeria e muitos fãs compareciam, mas talvez alguns já começassem a achar que era perda de dinheiro pagar para ir a um concerto onde seus heróis ficavam a muitos metros de distância e eles nem ao menos podiam ouvir uma nota sequer de suas músicas.

Embora os Beatles tivessem decidido que não fariam mais turnês, ainda não pensavam em acabar com a banda. Eles na verdade fizeram uma pausa de quatro meses nas apresentações, e usaram este período para gravações em estúdio, mas foi aí que uma série de desastres transformaram o ano de 1966 num pesadelo para a banda.

Primeiro: em Março, o fotógrafo oficial da banda Robert Whittaker, fez as fotos de publicidade onde eles estavam vestidos normalmente com suéteres e jaquetas escuras, mas por alguma razão, outras fotos foram também tiradas com eles todos vestidos com casacos brancos de açougueiro e posando com pedaços de carne e bonecas desmembradas.
Uma dessas fotos foi usada para a capa de um novo LP, chamado Yesterday And Today, lançado na América pela Capitol.

Quando algumas cópias saíram na metade do mês de junho e a foto começou a aparecer nas propagandas, houve um imediato protesto, onde alegavam ser a capa de natureza ofensiva e de muito mau gosto.
A Capitol então teve que recolher todas as cópias e substituir a foto por outra mostrando a banda de pé ao redor de uma mala. Ainda com muito material prensado, a gravadora optou por produzir às pressas outra imagem em papel adesivo, onde os Beatles apareciam ao lado de uma mala com Paul dentro. Essas imagens foram coladas nas primeiras edições do famoso “butcher cover original”, em português “cover do açougueiro original”. Muitos fãs observaram isso e descolaram o adesivo para obter a capa original.

Tudo isso custou uma fortuna!

Segundo: Nesse meio tempo os Beatles acertaram uma turnê para a Alemanha, Japão e Filipinas. A turnê começou bem e foram muito bem recebidos, quando chegaram em Hamburgo, depois de uma ausência de 3 anos. Porém as coisas começaram a dar errado no caminho para Tokyo. Primeiro foi o vôo que teve que ser desviado devido a um tufão e eles tiveram que aguardar durante horas no Alaska.
Quando finalmente chegaram no Japão, eles se depararam com outra tempestade: o promoter local havia feito a reserva do Nippon Budokan, um local dedicado a lutas marciais japonesas, e muitos japoneses consideravam lá um lugar sagrado, e portanto ficaram horrorizados em saber que o local seria usado para a apresentação de música pop e seus fãs histéricos.
Houve muitos protestos e a polícia teve que se colocar estrategicamente no meio do público, prontos para apartar qualquer manifestação.
Resultado: 10 mil fãs sentaram-se em silêncio para ouvir a música – mas nessas alturas o nível musical da banda nível da banda de musicalidade estava longe de estar afinado e quase tudo foi inoportuno e fora das regras.
Além de tudo, a polícia montou guarda na frente do Hotel e os Beatles ficaram proibidos de saírem nas ruas de Tokyo.

Terceiro: Se as coisas foram ruins no Japão, foram muito piores na próxima parada: as Filipinas.
Ferdinand e Imelda Marcos estavam no auge de sua ditadura quando os Beatles chegaram a Manila.
O presidente, sua esposa e seus três filhos foram convidados de honra para os concertos e os jornais locais noticiaram que a banda iria fazer uma apresentação de cortesia no palácio, às 11h da manhã.
Os rapazes aparentemente não sabiam disso e portanto não apareceram.
Eles fizeram seus dois concertos mas na manhã seguinte os jornais estavam cheios de estórias sobre Imelda ter sido deixada esperando…
Os próprios Beatles e a Embaixada Britânica receberam bombas e ameaças de morte e o promoter local ficou tão desnorteado que recusou-se a entregar ao grupo a parte deles arrecada na bilheteria.
Brian Epstein rapidamente organizou um pedido de desculpas pela televisão para explicar o que havia acontecido, mas a transmissão foi misteriosamente interrompida.
Conclusão: para poderem deixar o pais, os Beatles tiveram que pagar uma taxa de 7 mil libras.

Quarto: Poucas semanas após este episódio das Filipinas, mais más notícias.
Uma revista americana publicou um artigo no qual John falava sobre religião e no qual ele havia dito que os Beatles eram mais populares que Jesus.
Essa estória nós todos já conhecemos, e sabemos que vieram a queima dos discos, que a música deles foi banida das rádios locais e tudo o mais! A turnê da América que estava prestes a acontecer, quase teve que ser cancelada.
O show final foi no Candlestick Park em São Francisco, onde os Beatles tocaram até exatamente 10h da noite e depois deixaram o palco.

As excursões finalmente chegaram ao seu final.

Embora tenha sido um ano conturbado na vida dos Beatles, 1966 foi muito importante também, pois  foi quando eles lançaram o álbum Revolver, um dos melhores álbuns de todos os tempos, e que muitos até consideram o divisor de águas na carreira deles!

Contudo, mesmo com o fim das excursões e turnês, o talento sobreviveu às intempéries!

Talvez 1966 tenha sido um ano mais complicado para os Beatles, por que sobre eles depositou-se uma responsabilidade hercúlea, em todos os sentidos, e a indústria musical ainda estava sendo desbravada, portanto, sem muitos recursos.

Foi como se eles pagassem um preço pelo seu pioneirismo na história da música pop, papel a eles conferido até hoje.Talvez se os Beatles tivessem surgido depois do advento do “show business”, eles não teriam que sofrer o que sofreram na época; um exemplo é que a infra-estrutura dos shows era precária, e não devia dar prazer nenhum para eles em tocar, isso sem contar com a histeria ensurdecedora das fãs.  Mais tarde isso viria a mudar, os shows passaram a ter estrutura, a exemplo dos shows de Led Zeppelin, onde os fãs queriam mais era curtir o show e não apenas “berrar” pelos seus ídolos.

Os Beatles saíram dos palcos no limiar desta mudança!

Foi em 1º de maio de 1966 que aconteceu a última apresentação dos Beatles na Grã Bretanha, e foi no Empire Pool Wembley. Houve Show e entrega dos prêmios da New Musical Express com Spencer Davis Group, Herman´s Hermits, Roy Orbinson, Cliff Richards, Rolling Stones, The Seekers, The Who, The Yardbirds, e The Beatles, entre outros.

Os Beatles tocaram por 15 minutos apenas 5 canções: I Feel Fine, Nowhere Man, Day Tripper, If I Needed Someone e I´m Down; e embora as câmeras estivessem presentes no local, elas pararam seu trabalho durante a apresentação dos Beatles por causa de uma disputa contratual, assim sendo, não há registros deste acontecimento histórico.

Concluindo, foi também em 1966 que George Harrison disse a famosa frase: “That’s it. I’m not a Beatle anymore.” (É isso. Não sou mais um Beatle).

Fontes:

1 – Capítulo IV do livro: A Photographic History of The Beatles.

2 – Comunidade “We Love the Beatles Forever

About these ads

3 respostas em “1966: um pesadelo na história dos Beatles!

  1. Eu tenho o disco com essa capa e,me lembro que na época achei muito estranha pois naõ era do feitio dos os Beatles pousarem uma forma para os fotos dessa maneira. Só depois que fui saber que era uma forma deles se mostratem contra a guerra do Vietnã por razões contratuais..

  2. Pingback: 1966 – O pesadelo na história dos Beatles | The Beatles College

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s