O Compositor Renato Barros (da Banda Renato e Seus Blue Caps)

Ao longo de sua carreira Renato Barros compôs canções gravadas não apenas pela sua Banda Renato e Seus Blue Caps, mas também por diversos cantores de diferentes estilos, como por exemplo Ed Wilson, Wanderléa, Leno e Lílian, Wando, Wanderley Cardoso, Leno, Jerry Adriani, Márcio Greyck, Roberto Carlos, The Fevers, José Augusto, Roupa Nova, Sandra Sá, Roberto Ribeiro, Lápis de Cor, Conrado, Erasmo Carlos, Roberto San, Maritza Fabiani, Pedro Paulo, Reginaldo Rossi, entre outros.

Aqui uma relação de algumas de suas composições.

A Garota Que eu Gosto (Adaptação – Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
A Pobreza (Gravada por Leno)
A Saudade que Ficou (c/ Ed Wilson) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Amanheci Chorando (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Amor Sem Fim (c/ Alessandro) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Angústia (com Leno) 1974
Anjo Rebelde (c/ Nanni e Cid Chaves) – (Gravada por Renato e Seus Blue Caps) -1987
Aprenda a Me Conquistar (c/ Lilian Knapp e Carlinhos)
Aquela Canção (Gravada por Leno)
Aquele Tempo (com Lilian Knapp) – 1995
Arco-Iris (com Rodrigo) 1983 –(Gravada pelo grupo Lápis de Cor)
Atriz – (Gravada por Renato e Seus Blue Caps) – 2001
Baby (com Vadinho) – 1991
Batom Vermelho (c/ Nanni e Gelson Morais) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Beatlemania (Com Erasmo Carlos) (Gravada por Erasmo Carlos) – 1965
Bichinho de Pelúcia (com Hernani Cardoso) 1982 –(Gravada por Renato e Seus Blue Caps) – 1982
Blue Caps Twist (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Boa Viagem (com Nanni/Mariozinho Rocha) 1983 – (Gravada pelo conjunto Roupa Nova)
Bonequinha (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Canção do Homem Só (com Getúlio Côrtes) 1965
Cartão Vermelho (com Clarice Pinto) 1988 – (Gravada por Sandra de Sá)
Castigo (gravada por Maritza Fabiani)
Chorarei, Chorarei, Chorarei (1971) (Gravada por Roberto San)
Choro de Amor (com Erasmo Carlos) 1965 – (Gravada por José Ricardo)
Cláudia (Lodi) (J.C. Fogerty / Versão Renato Barros) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Colcha de Retalhos (com Rodrigo) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Com Dezesseis Anos (com Hugo Belardi) – 1985
Com Você no Coração (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Como Há Dez Anos Atrás (gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Como Te Adoro Menina (Quiereme Mucho) (Gonzalo Roig/versão de Renato Barros) 1965 – Ed Wilson
Coração Faminto (c/ Gileno) (gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Devo Tudo a Você (gravada por Jerry Adriani) – 1966
Devolva-me (c/ Lilian Knapp) (Gravada por Leno e Lilian em 1966 e por Adriana Calcanhoto em 2000)
Doce Esperança – 1965
É Tarde Pra Se Arrepender (com Pedrinho) – (Gravada por Leno e Lilian) – 1972
Esta Noite Não Sonhei Com Você (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Está Pra Nascer (Gravada por Leno e Lilian) – 1967
Eu e Você (com Vadinho) (Gravada por José Augusto e Roupa Nova)
Eu Não Sabia Que Você Existia (c/ Tony) (Gravada por Leno e Lilian)
Eu Sei (I’ll Be Back) (Lennon & McCartney / Versão de Renato Barros)
Eu Te Amei Demais (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Eu Te Amo (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Eu Te Quero, Eu Te Adoro (c/ Rossini Pinto) (Gravada por Wanderley Cardoso)
Feche os Olhos (Lennon e MacCartney) (versão) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Fim de Ano Feliz (com Vadinho) 1995
Gaivota (com Rodrigo) 1982 – (Gravada pelo grupo Lápis de Cor)
Gamadinho por Você (Gravada por Erasmo Carlos)
Garota Malvada (I call your name) (Lennon-MacCartney Versão: Renato Barros)
Garotinha (com Gileno) (Gravada por Leno)
Guerrilheiro do Amor (c/ Nanni e Hugo Belardi) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Lar doce lar (c/ Carlinhos) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Limbo do Tra-La-La (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Maior Que o Meu Amor (Gravada por Roberto Carlos)
Me Cace Me Ache (com R. Belardi) – 1985 – (Gravada por Wando)
Memórias (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps) 1983
Menina Feia (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Menina Linda (c/ Lennon e MacCartney) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Meu Amigo do Peito (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Meu Bem Não Me Quer (My Baby Don’t Care) – (com Herring) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Meu Primeiro Amor (com Mauro Motta) (Gravada pelos Fevers) – 1975
Meus Domingos Sem Você – (Gravada por Pedro Paulo) – 1970
Monaliza da TV (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Não Chore (Stormy) (B. Bule/J.B.Cobb/Versão Renato Barros) – 1969
Não Demore Mais (It’s Good to See You) – 1968 (Peter Shelley/versão Renato Barros) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Não é Nada Disso (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Não Foi o Que eu Fiz (c/ Pedrinho) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Não Há Dinheiro que Pague (Gravada por Roberto Carlos)
Não Maltrate um Coração (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Não Me Perguntem por Ela (Gravada por Jerry Adriani)
Não Precisa Devolver (Meu Retrato) (Gravada por Leno)
Não Quero Mais Saber de Brigas – 1967
Não Vá Embora Sem Me Dizer (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Não Volto Mais (Paperback Writer) (Lennon & McCartney / Versão de Renato Barros)
Não Vou Deixar Você Sair (com Mauro Motta) – 1974
Nem Mesmo em Sonho (Gravada por Leno e Lilian) – 1967
Nos Braços, Nos Olhos e No Coração (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Nós Dois (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Noturno em Mi Bemol (adaptação de Renato Barros) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
O Amigo da Onça (com Erasmo) – 1967
O Carro do Papai – 1964 (Gravada por Ed Wilson)
O Brinquedo se Quebrou (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
O Feio (c/ Getúlio Côrtes) (Gravada por Roberto Carlos)
Okay (Okay) (Dave Dee-Dozy-Beaky-Mick-Tich / Versão de Renato Barros) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Onde Está (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
O Escândalo (Shame and scandal in the family) (Huon Donaldson-S. H. Brown Versão: Renato Barros)
O Pica-Pau (c/ Lilian Knapp) (Gravada por Erasmo Carlos)
Orgulho de Menina (Original de Dave Clark Five) (Clark/Smith/ Versão Renato Barros) – 1965 (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Os Costeletas (c/ Getúlio Côrtes e Carlinhos) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Páginas (com Rossini Pinto) – 1974 (Gravada por Márcio Greyck)
Paixão Proibida (A Pobreza) – 1988 – (Gravada por Conrado)
Papel Picado (Gravada por Leno)
Patrulha na Cidade – 1964 – (gravada por Ed Wilson)
Perdi Você (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Pode Me Procurar (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Pra Sempre (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Preciso Ser Feliz (c/ Paulinho e Lilian Knapp) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Primeira Lágrima (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Que Destino Tenho Eu (com Roberto Bernardes) (Gravada por Jerry Adriani)
Querida Gina (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Quero Um Beijo Seu – (gravada por Pedro Paulo) – 1969
Que Saudade de Você (gravada por Renato e Seus Blue Caps) – 2001
Rainy Day (com Ricardo e Jandira Feghali) (Gravada pelo conjunto Roupa Nova)
Rancho Brasil (com Vadinho) – 1995
Razão e Emoção (Gravada por Roberto Ribeiro)
Renato Collection (com Nanni) – (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Rossi, The King (Gravada por Reginaldo Rossi)
Se Eu Encontrasse (com Guty) – 1965
Se Você Soubesse (c/ Rossini Pinto) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sem Resposta (com Leno) – 1981 –(Gravada por Leno)
Sem Seu Amor – 1968 – (Gravada por Ed Wilson)
Sem Suzana (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sem Ter Você (Gravada por Sergio Luiz) – 1967
Sem você (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sereia (Gravada por Renato e Seus Blue Caps) – 2001
Seria Bem Melhor (com Pedro Paulo) – 1970
Se tu Soubesses (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sexo Frágil (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sim, Sou Feliz (c/ Paulo César Barros) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Só Falta Você (Gravada por Renato e Seus Blue Caps) – 2001
Sozinho (com Pedro Paulo) (Gravada por Pedro Paulo) – 1970
Só Por Causa de Você (c/ Gileno) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sol de Primavera (com Rodrigo) – 1983
Sou Amor pra Te Entregar (c/ Massom) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sou Louco Por Ela (c/ Ed Wilson) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sou Louco Por Você (com Ed Wilson) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Sou Tão Feliz (Love Me Do) (Lennon & McCartney / Versão Renato Barros)
Suco de Laranja (c/ Ernani Cardoso e Pantera) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Summer Comes Again (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Tão Má pra Mim (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Telefonema – 1963 (Gravada por Ed Wilson)
Tentei Lhe Esquecer – 1969
Todo Mundo Vê que Você Me Quer – 1969
Transa de Amor – 1989
Triste Amor (gravada por Jerry Adriani) – 1965
Tudo Morreu Quando Perdi Seu Amor (gravada por Wanderléa)
Um é Pouco, Dois é Bom, Três é Demais (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Uma Vida Inteira – 1973 (gravada por Jerry Adriani) (Gravada por Jerry Adriani)
Vamos Fundo (c/ Nanni) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Vera Lúcia (c/ Paulo Cezar Barros) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Você Deixou Saudades (c/ Mauro Motta) (Gravada por Jerry Adriani)
Você é Um Pedaço de Mim (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Você Não Serve Pra Mim (Gravada por Roberto Carlos)
Você Não Sabe o Que Vai Perder (Gravada por Roberto Carlos)
Você Quis Zombar de Mim (c/ Ed Wilson) (gravada por Jerry Adriani) – 1967
Você Vai Me Ouvir (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)
Volte Querida (com Lilian Knapp) – 1998
Vou ao Teu Encontro (c/ Ernani Cardoso) (Gravada por Renato e Seus Blue Caps)

RENATO BARROS COMENTA CADA UMA DESSAS COMPOSIÇÕES CITADAS:

.

AQUI UMA BELÍSSIMA COMPOSIÇÃO DE RENATO BARROS QUE NÃO FOI LANÇADA OFICIALMENTE PELA BANDA E POUCOS CONHECEM.

“PENSANDO EM MIM” (RENATO BARROS)


.

“De 1965 pra cá, não fui apenas um simples roqueiro ou um artista da Jovem Guarda.
Passei por várias outras fases novas na música, inclusive como produtor da CBS e comecei a fazer viagens pelo Brasil e pelo exterior, tomando conhecimento e me familiarizando com vários gêneros musicais, desde o brega do cantor José Ribeiro ao Jazz de Sinatra e Nat King Cole.
Aqui no Brasil, conheci Nelson Gonçalves, Gonzagão, Zé Ramalho, Fagner, Zeca Pagodinho, Jorge Aragão, João Nogueira e Roberto Ribeiro, que em seu último CD, gravou um samba de minha autoria, chamado ‘Razão e Emoção’.
Mergulhei de cabeça em todos os estilos musicais e tirei proveito da beleza de cada um, inclusive do Tom Jobim. Sou um fã ardoroso da Bossa Nova e fui talvez o primeiro a desconfiar do incrível talento da Anitta, enquanto todos falavam mal. Agora é que estão reconhecendo (em parte).
Então é isso, música é pra quem nasce com ela.
Agradeço a Deus por isso. Continuo a gostar de música, continuo compondo melodias, mas atualmente não tenho me dedicado muito a fazer letras…” (RENATO BARROS)

Anúncios

Washington Coliseum Concert em 11 de fevereiro de 1964. Há 54 anos!

Os Beatles John, Paul, George e Ringo fizeram seu lendário primeiro concerto Americano no Washington Coliseum em 11 de fevereiro de 1964, portanto, há exatos 54 anos!

O local era uma arena de boxe com plateia por todos os lados, o que forçava a banda a parar o show e mudar a bateria e os amplificadores de lugar para contemplar o público, para que este pudesse ter a chance de ver a banda de frente.

Os microfones falhavam e a potência sonora era bem precária, mas a banda teve uma performance cheia de energia.

O evento foi filmado pela Rede CBS e exibido em circuito fechado de cinemas, mas depois ganharia o mundo!

Considerações: Cláudio Teran

.
FOTOS by Rowland Scherman Photography

The Beatles no Ed Sullivan Show – O Início da Beatlemania!

Num domingo, 09 de fevereiro de 1964, milhões de norte-americanos esperavam na frente de pequenos aparelhos de TV em preto e branco na expectativa de ver o novo fenômeno da Grã-Bretanha. O público para aquele show foi estimado em mais de 70 milhões de pessoas.

The Beatles fizeram sua primeira apresentação no Ed Sullivan Show, e o mundo estava diante do início da BEATLEMANIA!

De acordo com o livro “Diário dos Beatles” de Barry Miles, há uma passagem onde ele fala sobre o começo da Beatlemania e que diz:

“O começo da Beatlemania” ( pág 103)

“No dia 13 de outubro de 1963, os fãs da banda bloquearam a Argyl Street e depois se espalharam pela Great Marlborough Street, interrompendo o tráfego na região do London Palladium. Enquanto isso, dentro do teatro a plateia gritava tanto que John chegou a berrar, “calem a boca”. As manifestações dos fãs inspiraram os jornais do dia seguinte a criarem o termo ” Beatlemania”. A cobertura do evento também foi feita pela ITV, que a exibiu em seu noticiário noturno.”

Mas também há quem considere o início da Beatlemania o dia em que os Beatles desembarcaram no Aeroporto JFK nos Estados Unidos pela primeira vez, em 07 de fevereiro de 1964, já com um número 1 nas paradas de sucesso!”

Mas a data mais provável e marcante talvez seja mesmo a de 09 de fevereiro de 1964, quando há exatos 54 anos, The Beatles fizeram sua primeira apresentação no Ed Sullivan Show, dando início à Beatlemania!

Em fevereiro de 1964, os Beatles começaram a ganhar ímpeto como a mais nova mania da América, e foi a primeira apresentação deles no The Ed Sullivan Show que solidificou a popularidade deles na América do Norte.
Ed Sullivan, o apresentador com “cara de poker” de show de variedades da TV americana, havia visto os Beatles em uma cena de confusão no aeroporto de Heathrow, Londres, em outubro passado.

“Afinal quem são esses tais de Beatles?” ele aparentemente teria perguntado a seus associados.

Ele iria descobrir rapidamente que eles eram o mais novo fascínio da Grã-Bretanha, e ele decidiu levá-los para tocar no seu show.

O Ed Sullivan Show foi gravado nos estúdios da CBS em Nova York. O estúdio tinha uma capacidade para 703 pessoas sentadas. Os escritórios da CBS receberam mais de 50.000 pedidos de bilhetes. Mas apenas uma pequena parte destes foram delegados para os fãs dos Beatles. O Ed Sullivan Show tinha tarifa familiar, e embora Sullivan nunca tivesse se esquivado de atos considerados controversos, tais como Elvis Presley, James Brown e outros astros do rock iminentes, Sullivan ficava sempre claramente mais confortável seguindo o “establishment” do mundo do entretenimento. Na verdade, o seu animal de estimação era um fantoche de rato chamado Topo Gigio, uma paródia meio idiota de estereótipos culturais italianos.

Além do mais, Sullivan sabia que os Beatles eram algo especial, e ele os teria em seu show de uma forma ou de outra, nove vezes.

Em sua primeira aparição no The Ed Sullivan Show, os Beatles tocaram cinco músicas em dois sets. O primeiro incluiu All My Loving , Till There Was You, e She Loves You. Depois, na segunda metade do show, os Beatles tocaram I Saw Her Standing There e I Want To Hold Your Hand.

Cada canção foi bem ensaiada e saiu sem nenhum problema. O público , pelo menos naquela seção que estava reservada para os fãs jovens dos Beatles ficou comportado além do que se poderia esperar, até o sinal dos administradores de palco para gritarem até colocar pra fora o coração. Essa foi uma parte do negócio , ao que parece . Sullivan tinha feito um pacto ou uma “promessa “, como ele chamou, com os “jovens” em seu auditório para frearem um pouco a exaltação até que a música terminasse. Isso era, afinal, a televisão, e não algum clube noturno local. E enquanto os Beatles pudessem ser a atração principal da noite, Sullivan estaria igualmente orgulhoso do fato de que ele estava apresentando o elenco da Broadway de “Oliver ” – com Georgia Brown e Davy Jones, que passou a ser um dos The Monkees – Frank Gorshen (comediante, dando impressões de celebridades ) , Mitzi McCall & Charlie Brill (time de comédia ) , Tessie O’Shea ( cantor, medley de canções ) , Fred Kapps ( mágico ) e Wells & The Four Fays ( acrobatas, fazendo comédia física ).

No início do Show de 09 de fevereiro, Sullivan leu um telegrama de congratulações de Elvis Presley, o rei do movimento do rock nos Estados Unidos . Alguns descrevem isso como uma espécie de “torch-passiong “. O Rei estava longe da morte naquela época, mas seus herdeiros certamente estavam presentes naquela noite no estúdio da CBS. Isso não foi para dizer que não houve detratores. Tendo vivido através do hulla hoop e a louca mania da dança chamada “The Twist” , a maioria dos pais viram os Beatles como simplesmente mais um modismo momentâneo. Até mesmo o diretor musical de Sullivan teria dito em reportagem que “Eu lhes dou um ano.” Mas aquilo era mais do que o início de um breve caso de amor com quatro rapazes de Liverpool. Era o início da Beatlemania, uma mudança de comportamento cultural que duraria e continuaria até os dias de hoje.

Texto original traduzido por Lucinha Zanetti.

Show de GETÚLIO CÔRTES com participação especial de RENATO BARROS

Beco das Garrafas é o nome atribuído a uma travessa sem saída da rua Duvivier, entre os edifícios de números 21 e 37, em Copacabana, no Rio de Janeiro e que nas décadas de 50 e 60 abrigava um conjunto de casas noturnas, onde se apresentavam Sergio Mendes, Tom Jobim, Ronaldo Boscoli, Miele, entre outros músicos. E cantores como Wilson Simonal, Elis Regina, Sylvia Telles, Dóris Monteiro, Claudette Soares e Alaíde Costa.

Mais recentemente, em 30 de janeiro próximo passado, aconteceu no lendário Bottle’s Bar, no Beco das Garrafas, um Show que também ficará para a historia, pois reuniu dois dos maiores compositores do Brasil, que são Getúlio Côrtes e Renato Barros (da banda Renato e Seus Blue Caps).

O Show foi registrado por Henrique Kurtz para a posteridade, e poderá ser assistido no Facebook e no Youtube.

“Quando eu tinha 16 anos nós tínhamos um baterista chamado Cláudio Caribé, era nosso baterista, era doidão, meio maluco, e ele era muito ligado à rapaziada da Bossa Nova. Eu não conhecia ninguém da Bossa Nova, então ele me levava lá para o Beco das Garrafas em Copacabana, onde eu pude assistir as canjas do Tom Jobim, Roberto Menescal e essa turma toda da Bossa Nova. Minha mãe gostava muito de cantar Bossa Nova também.” (Renato Barros)

GETÚLIO CÔRTES CANTA SUA COMPOSIÇÃO “LOBO MAU”- BECO DAS GARRAFAS – PARTE 1

Introdução
Getúlio Côrtes canta sua composição “Lobo Mau”, gravada por Roberto Carlos

RENATO BARROS NO SHOW DE GETÚLIO CÔRTES – BECO DAS GARRAFAS – PARTE 2

Músicas:
O Feio (Getúlio Côrtes-Renato Barros)
Eu e Você (Renato Barros)
Eu Não Sabia Que Você Existia (Renato Barros-Toni)

RENATO BARROS INTERPRETA SUA COMPOSIÇÃO “RAZÃO E EMOÇÃO” – Parte 3

.
“Razão e Emoção” é uma composição de Renato Barros.

GETÚLIO CÔRTES CANTA “O TEMPO VAI APAGAR” E “POR MOTIVO DE FORÇA MAIOR” – Parte 4

.

“O TEMPO VAI APAGAR” E “POR MOTIVO DE FORÇA MAIOR”


.

RENATO BARROS CANTA “A POBREZA” E “DEVOLVA-ME” – Parte 5
.

.
“A POBREZA” E “DEVOLVA-ME”

.
RENATO BARROS CANTA O JAZZ STANDARD “WHEN I FALL IN LOVE” – Parte 6
.

.
“WHEN I FALL IN LOVE”


.

RENATO BARROS E GETÚLIO CÔRTES – BECO DAS GARRAFAS – PARTE 7 (FINAL)
.

.
Singin’ In The Rain / Custe O Que Custar (Homenagem ao compositor Edson Trindade) / Quase Fui Lhe Procurar / Negro Gato / I`ve Got You Under My Skin
.

.

Show do compositor GETÚLIO CÔRTES, O Negro Gato, no lendário Bottle’s Bar – Beco das Garrafas.
Participação especial de RENATO BARROS (Renato e Seus Blue Caps).
Copacabana, Rio, 30-01-2018.

Acompanhamento Musical:
Chico Neto (piano)
Eristom Gonçalves (baixo)
João Cortez (Bateria)
Carlinhos (Sax)

Filmagem: Henrique Kurtz
Edição: Lúcia Zanetti

SHOWS DA BANDA RENATO E SEUS BLUE CAPS EM PERNAMBUCO E BAHIA / JAN 2018

A banda Renato e Seus Blue Caps desembarcou em Recife sexta-feira, dia 19 de janeiro, e de lá seguiu para a cidade de Limoeiro onde participou das festividades da “126a. Festa de São Sebastião”.
No palco em frente ao templo da Matriz, Renato e Seus Blue Caps emocionou pessoas de todas as idades com seu carisma e Show de Rock and Roll. Quem esteve presente viu Renato Barros fazer sua guitarra chorar!

.
Assistam aqui ao Show completo da banda Renato e Seus Blue Caps na cidade de Limoeiro, em Pernambuco, durante a 126a. Festa de São Sebastião, em 19 de janeiro de 2018.
Filmagem: WEB TV:

.

.

No dia seguinte pela manhã a banda seguiu para mais um Show, agora na cidade de Salvador, Bahia, no tradicional, sofisticado e disputado espaço de eventos, o Cerimonial Rainha Leonor, na Pupileira.

Show impecável, seguem fotos e vídeos.

.


.

RENATO E SEUS BLUE CAPS NA PUPILEIRA EM SALVADOR – 20-01-2018

– Dona do Meu Coração
– Eu Não aceito o teu adeus
– Eu sou apenas alguém
– Hotel California
– Ana
– Playboy
– Não volto mais
– Cláudia

.

ENTREVISTA DE RENATO BARROS AO BN CULTURA (JORNAL ON LINE BAHIA NOTÍCIAS)

Sábado, 20 de Janeiro de 2018 – 00:00
Renato e Seus Blue Caps fazem ‘Festa de Arromba’ com The Fevers em Salvador
por Jamile Amine

Formado atualmente por Renato Barros, Cid Chaves, Gelsinho Moraes, Darci Velasco e Amadeu Signorelli, o grupo carioca Renato e Seus Blue Caps retorna a Salvador neste fim de semana com a “Festa de Arromba”, desta vez ao lado dos amigos do The Fevers. Os shows, que remontam o universo dos anos 1960 e a Jovem Guarda, acontecem neste sábado (20), a partir das 21h, no Cerimonial Rainha Leonor, situado na Pupileira. “A gente está muito feliz de voltar já, acho que num espaço de três meses. É uma volta muito rápida, e a gente gosta tanto da Bahia, então é muito bom”, diz o líder do grupo, Renato Barros, lembrando as últimas apresentações, na AABB e no Teatro Castro Alves, em 2017.

A ideia da “Festa de Arromba” não é novidade, mas sua dimensão foi modificada ao longo dos anos. “O formato já existe desde 1999, que foi quando a gente fez pela primeira vez, só que naquela época eram várias bandas, era um negócio gigantesco. Era Renato e Seus Blue Caps, Os Fevers, Os Pholhas, Os Incríveis, Golden Boys…”, lembra Barros. “Fizemos um número grande de shows assim e depois foi diminuindo, e acabou que nós voltamos a nossa realidade, que é o que a gente gosta mesmo de fazer, show solo. A gente gosta, pra não misturar as coisas, porque cada banda tem seu estilo, a sua concepção e a nossa é de cantar para as pessoas ouvirem, nem tanto para dançar. Mas eu acho ótimo, acho que a gente vai conseguir fazer um bom show junto com os Fevers, que são nossos amigos”, acrescenta o músico, destacando o que avalia como um dos principais pontos positivos de eventos desta natureza: “mostrar seu trabalho para um público que não é cativo”.

No repertório, os maiores hits de Renato e Seus Blue Caps, como “Menina Linda”, “Feche os Olhos”, “A Primeira Lágrima”, “Meu Primeiro Amor” e “Meu Bem Não Me Quer”, além de duas canções em tributo a Tom Jobim, considerado por Renato Barros “o maior compositor brasileiro”. Mas o grupo poderá lembrar ainda um grande nome da música baiana. “Eu estava pensando em homenagear o Dorival Caymmi, mas não sei se vai dar tempo… Tomara que dê!”, conta Barros, destacando que, apesar do set list contar com canções já conhecidas, o modo de executá-las é sempre renovado. “A gente sempre tenta ficar bem próximo do que rola, mantendo a energia de tocar. É claro a gente não toca essas músicas da forma que tocava nos anos 1960, a gente vai mudando”, diz ele, explicando que a proposta dos artistas de sua geração é trazer um clima de nostalgia para aqueles que viveram a época, mas também mostrar seu trabalho para os mais novos.

60 anos de História nas páginas de um livro
Em 2019 o Renato e Seus Blue Caps faz 60 anos, mas o peso das décadas parece não romper a naturalidade com a qual Renato Barros encara a trajetória da banda. “É o tipo do negócio que não faço questão de falar, porque espanta o povo”, comenta o músico. “Eu quero que caia no esquecimento (gargalhadas)”, brinca. “Mas é verdade. A gente começou bem cedo e conseguiu muita coisa. Eu pelo menos não esperava nunca que fosse conseguir. Mas as coisas aconteceram e a gente tem que aceitar o tempo”, acrescenta ele, reafirmando sua forma de encarar a longeva carreira: “Eu acho que a gente tem que focar mais em outros detalhes, focar mais na feitura do show, da produção”. Diante disto, as seis décadas provavelmente chegarão sem celebrações ou grandes alardes, mas a história do grupo deve ser eternizada em páginas de papel. “Eu pessoalmente estou envolvido em um provável lançamento de um livro. Estou pensando muito nisso. Estou naquela fase de colher dados antes de Cristo (risos)”, conta Barros, sobre o projeto de lançar uma obra biográfica. “Estou na fase da pesquisa, de me lembrar, ter certeza mesmo do que eu falo. Porque tem tanto tempo, que a gente pode se enganar. Eu estou com muito cuidado, principalmente quando a gente fala de outras pessoas. Embora fale bem, mas fazer um livro é uma responsabilidade muito grande. É o que eu estou focado agora”, revela o cantor, que para esta empreitada conta com o apoio da jornalista paulista e amiga Lucia Zanetti. “Ela é muito competente e legal, e na verdade, quem está me cobrando isso é ela”, destaca.

RENATO BARROS FALA SOBRE OS BAIXISTAS QUE PASSARAM PELA BANDA E ESCLARECE A CURIOSIDADE DOS FÃS SOBRE A CAPA DO ÁLBUM DE 1969.

Perguntei a Renato Barros quais foram os baixistas que passaram pela banda Renato e Seus Blue Caps e se Cadinho (Cláudio) entrou depois de Pedrinho e antes do Amadeu. Renato respondeu que foi no final dos anos 80, depois da saída do Pedrinho e antes da entrada do Amadeu (atual baixista da banda). o início da gravação falhou, me desculpem), inclusive citou que ele aparece no documentário “Renato e Seus Blue Caps, Uma Historia de Sucesso”, exibido pela TV Manchete, produzido por Ney Padilha, e já publicado na página oficial da banda no Facebook.
.

Ouçam neste vídeo a seguir a resposta de Renato Barros:

.

.

O VÍDEO NO FACEBOOK:

.

Sobre a capa do disco de 1969, Renato explica que era uma época em que estava em voga o psicodelismo, então eles acharam por bem fazer uma capa psicodélica, usando algumas roupas do tipo e tal. O fotógrafo da CBS disse que conhecia um lugar bem legal para este propósito, e indicou a Gamboa no Rio de Janeiro. E lá foram eles. Na época a formação era Renato, Cid, Pedrinho, Scarambone e Tony, e encontraram um muro meio em ruínas, ao lado de um portão, e fizeram a foto.

O primeiro que aparece, e está de colete preto, é o Pedrinho, baixista.

Amilton di Giorgio em “Canções” e “Poesias”, agora “on line”!

Já contamos aqui a historia do cantor e compositor Amilton di Giorgio, como também já falamos de sua convivência com a literatura e até citamos algumas poesias de sua autoria nesta publicação.

Agora gostaria de compartilhar com vocês o livro de Amilton di Giorgio, que seu filho Renato disponibilizou recentemente via internet.

Podemos ouvir as músicas e ler as poesias deste grande poeta, músico e compositor dos anos 60. Basta escolher “Canções” ou “Poesias” para desfrutar deste talento que é Amilton di Giorgio.