Morre o músico Marcus Rampazzo, o George Harrison Brasileiro!

Marcus  no Teatro Crowne Plaza, onde a banda Beatles 4ever se apresentou durante 8 anos e meio. Foto do arquivo de Maria Helena Alberti

Marcus no Teatro Crowne Plaza, onde a banda Beatles 4ever se apresentou durante 8 anos e meio.
Foto do arquivo de Maria Helena Alberti

WHILE MY GUITAR GENTLY WEEPS…

Eu tinha Marcus R. Rampazzo na conta de um homem gentil cuja bondade parecia brotar dos olhos.

Era a meu ver o tipo de fã dos Beatles que qualquer um de nós gostaria de ser. Ele tocava guitarra com tanta destreza e maestria que aquilo só podia ser um dom.

Um fã especial como ele podia quando quisesse fazer brotar de seus dedos as canções que nos arrebatam há muito tempo.

Rampazzo era dos tais que fazia até um leigo compreender o papel de George Harrison quando nos apresentava os solos e sutilezas que enriquecem a melhor música da história do rock.

E a identificação dele com George ia além das guitarras.

Rampazzo tinha todas elas, mas contava muito mais a veneração e reverência dele ao nosso ídolo comum quando tocava George e extraia com minúcias os sons que nos são tão íntimos daquelas canções que aprendemos com os discos e a vida.

“Feche os olhos e ouça George tocando”, diziam seus admiradores; alunos e amigos mais chegados.

Rampazzo deixa a vida aos 62 anos após cair na rua, fulminado por um AVC.

E já que a morte é um mistério teremos o tempo que nos resta para tentar entender porque foi assim.

Perdemos um cara que era tão fã que gostava de se vestir de George todos os dias, e assim os modelos das roupas que usava sempre tinham algo a ver com o nosso ídolo e dele em particular.

Marcus R. Rampazzo sai de cena e deixa uma lacuna que não se preenche. E condena ao silêncio eterno a notável coleção de guitarras iguais as de George Harrison, as quais ele cuidava com dedicação de um pai zeloso.

George disse um dia que guitarras encostadas num canto de parede não significam nada, porque o que verdadeiramente faz a diferença é o cara por trás da guitarra.

Então quem se vai pra nunca mais com Marcus R. Rampazzo é a essência, ao som de um solo infinito que chora mansamente…

Por Cláudio Teran

Marcus será velado no Velório do Cemitério da Quarta Parada em São Paulo. A chegada do corpo no local deverá acontecer por volta das 19h de hoje, 29 de março de 2016.
Ele será sepultado neste mesmo local amanhã, ao meio-dia.

Marcus Rampazzo

Anúncios

Morre George Martin, o produtor da música dos Beatles!

Hoje o mundo acordou com a triste notícia do falecimento do maestro George Martin, que foi o responsável direto pela produção impecável das canções dos Beatles.

Sir George Martin, o produtor da banda The Beatles, faleceu em 08 de março de 2016, aos 90 anos, informou o baterista Ringo Starr, no Twitter.

“George fará falta”. “Obrigado por todo seu amor e gentileza, George. Paz e amor”, Ringo Starr.

A causa da morte não foi divulgada.

George Martin encontrou os Beatles pela primeira vez no dia 6 de junho de 1962. Foi quando fez com eles o teste de gravação no estúdio número três da EMI, em St. John’s Woodm Londres…

“Achei-os muito atraentes como pessoas. Gostei de estar com eles. Era engraçado o contraste de serem tão insignificantes e eu parecer tão importante. Eu não deveria ter-me incomodado com o fato de eles gostarem de mim ou não, contudo fiquei satisfeito porque eles pareceram gostar de mim. Descobri que o John era um admirador dos discos de Peter Sellers, que eu havia lançado.”

E ao falar de seu relacionamento com os Beatles em seu livro lançado em 1979, “All You Need Is Ears”, George Martin escreveu:

_ “Devo enfatizar que havia um esforço de equipe. Sem meus instrumentos e pontuação, muitas e muitas das gravações não teriam o som que eles fazem. Se eles teriam feito melhor, não posso dizer. Eles poderiam ter feito. Isso não é modéstia da minha parte, é apenas uma tentativa de dar uma imagem concreta da nossa relação.”

Fica aqui a nossa homenagem, nossos aplausos, nossos agradecimentos!

We Love se despede de George Martin - by Joe

“Um beatle morreu. As maravilhosas cordas de Yesterday. O arranjo magnífico de Eleanor Rigby. As loucuras psicodélicas de I Am the Walrus. O sonho perturbador de Strawberry Fields. O clima britânico de Penny Lane. R.I.P. Beatle George Martin. Os que vão viver com sua falta te saúdam. Um beatle morreu.”
(Luis Fernando, banda Golpe Sujo)

.

.
“He taught us a lot and I’m sure we taught him a lot.” (John Lennon)