Uma Homenagem aos 450 anos do Nascimento de William Shakespeare.

O Blog “We Love the Beatles Forever” presta uma homenagem ao maior escritor e dramaturgo inglês, William Shakespeare!

Shakespeare nasceu em 23 de abril de 1564 e morreu no mesmo 23 de abril de 1616, aos 52 anos.
Trabalhava como empregado, cuidando de cavalos, quando iniciou no teatro como ator. Em cinco anos ele ficou rico!

Consta que aos 18 anos casou-se com Anne Hathaway, que lhe concedeu três filhos: Susanna, e os gêmeos Hamnet e Judith mas teve um filho que morreu com 12 anos de idade…

As peças que escrevia eram para o Rei, que na época era James, sucessor da Rainha Elizabeth em 1603.

Morreu em Stratford aos 52 anos, em 1616 e foi enterrado no coro de uma igreja, e em sua lapide estão esses versos, talvez de sua própria autoria:

“Good friend, for Jesus`sake forbear
To dig the dust enclosed here.
Blesses be the man that spares these stones
And cursed be he that moves my bones.”

“Bom amigo, eu te rogo
Para enterrar o pó guardado aqui.
Bendito será o homem que preservar estas pedras
E amaldiçoado será aquele que mover os meus ossos.”

★★★★★★★★★★★★

William Shakespeare was Born at Stratford-on-Avon on 23rd April 1564. He was the third child, and eldest son of John Shakespeare and Mary Arden. His father was one of the most prosperous men in Stratford, and held several municipal offices including those of alderman and major.

Although most of the records are lost it is certain that Shakespeare studied at the local Grammar School where the masters held Oxford degrees. The Elizabethan curriculum excluded mathematics and the natural sciences but taught a good deal of Latin rhetoric, logic and literature, Greed, History and the Bible.

In December 1582, Shakespeare married Ann Hathaway, daughter of a farmer and eight years his senior. Their first child, Suzanna, was born six months later and in 1585 twins, Hamlet and Judith, were born.

Little is known of Shakespeare`s early married life, or of when and why he went to London. Although in 1593 and 1594 he published two narrative poems dedicated to the Earl of Southampton, “Venus and Adonis” and “The Rape of Lucrece”, and probably wrote most of this 154 sonnets in the middle nineties, Shakespeare`s literary activity seems to have been almost entirely devoted to the theatre.
There was little playing in 1593, for the theatres were closed during a severe outbreak of the plague; but in the autumn of 1594, when the plague ceased, the playing companies were reorganized, and Shakespeare became not only an actor but a sharer in the Lord Chamberlain`s Company, later known as the “King`s Men” who went to play in the Theatre in Shoreditch. During these months Marlowe and Kyd died and for a time Shakespeare was without a rival as a playwright. Although the actual dates of composition are uncertain it is probable that he had already written the three parts of “Henry VI”, “Richard III”, “Titus Andronicus”, “Two Gentlemen of Verona”, “Love`s Labour`s Lost”, “The Comedy of Errors”, and the “The Taming of the Shrew”. Soon afterwards he wrote the first of his greater plays – “Romeo and Juliet” – and he followed this success is the next three years with “A Midsummer Night`s Dream”, “Richard II”, and “The Merchant of Venice”. The two parts of “Henry IV”, introducing Falstaff, the most popular of all his comic characters, were written in 1597-8.

The Company left the Theatre in 1597 owing to disputes over the lease. A new playhouse called the Globe was erected on the South bank of the River Thames. The expenses of the new building were shared by the chief members of the company, including Shakespeare, who by now was a man of some means. In 1596 he had bought New Place, a large house in the centre of Stratford, and through his father had purchased a coat-of-arms from the Heralds, which was the official recognition that he and his family were gentlefolk. His wife and children lived at New Place in Statford while Shakespeare continued in London. His son died in the summer of 1595.

By the summer of 1598 Shakespeare was recognized as the greatest of English dramatists. In the book “Paladis Tamia”, an anthology of English Literature written at that time by Francis Meres, many playwrights are mentioned but Shakespeare`s name occurs more often than any other, and Shakespeare is the writer whose plays are listed.

After the death of Queen Elizabeth in 1603, her successor, King James took over the Lord Chamberlain`s Company and promoted them to be his own servants, so henceforward they were known as the King`s Men. They acted very frequently at Court, and prospered accordingly. In the early years of the reign Shakespeare wrote the more somber comedies, “All`well that ends well”, and “Measure for Measure”, which were followed by “Othello”, “Macbeth”, and “King Lear”. Then he returned to the Roman themes with “Anthony and Cleopatra” and “Coriolanus”.

Since 1601 Shakespeare had been writing less, and there were now a number of rival dramatists who were introducing new styles of drama, particularly Ben Jonson.

In 1608 the King`s Men acquired a second playhouse, an indoor private theatre in Black friars. Shakespeare seems to have retired from the stage at about this time: his name does not appear in the various lists of actors after 1607. He now lived most of his time at Stratford, where he was regarded as one of the most important citizens. In these last years he wrote four tragic-comedies – a play with tragic incidents but a happy ending – “Pericles”, “Cymbeline”, “The Winter`s Tale” and “The Tempest”, making a total of 37 plays written in 25 years.

Shakespeare died at Stratford on his fifty-second birthday in 1616, and was buried in the chancel of the church. Over the grave are the lines (perhaps by Shakespeare himself), that have kept his bones undisturbed in the crowded burial ground whre old bones were often dislodged to make way for new:

Good friend, for Jesus` sake forbear
To dig the dust enclosed here.
Blessed be the man that spared these stones
And cursed be he that moves my bones.

SHAKESPEARE`S PLAYS

Shakespeare`s first plays were anonymous, and it is probable that he began his life as a dramatist by improving the works of other writers. The three plays which tell the story of Henry VI may be examples of this.

“Romeo and Juliet” is the first of Shakespeare`s great tragedies. The plot of this story of tragic love was known all over Europe. The deaths of Romeo and Juliet are necessary: their families are enemies and death is the only way out of their hopeless situation.
The tragedy is deeply moving and sad but without the violence of his later tragedies. From the first the play was popular. It was written at a time when the bried vogue for sonnet-writng was at its height, and it fitted perfectly with the general mood of those poets who were exploring and expressing the sensations of love during the early 1590`s.

In “The Merchant of Venice” Antonio, the Merchant, borrows money from Shylock, a Jewish money-lender, to help his friend Bassanio, who wants to marry the rich and beautiful Portia. Shylock hates Antonio and only agreed to lend the money on condition that, if it is not repaid at the right time, Antonio shall pay with a pound of flesh taken from any parte of Antonio`s body that Shylock choses. When Antonio`s ships are wrecked and to everyone`s surprise he cannot pay the money, Shylock demands his pound of flesh. The case is taken to court and Antonio has no hope. Then suddenly Portia, dressed as a lawyer, appears in court. At first she tries to persuade Shylock to have mercy, but she does not succeed, even with the famous speech about mercy:

“It droppeth as the gentle rain from heaven
Upon the place beneath; it is twice blessed:
It blesseth him that gives nd him that takes.
`T is mightiest in the mightiest; it becomes
The throned monarch better than his crown.”

Then Portia herself becomes hard: Shylock may have his pound of flesh – but not one drop of blood; there is nothing about blood in the agreement. As Shylock cannot take the flesh without spilling some blood, Antonio is saved.
From the day of it original production “The Merchant of Venice” has been one of Shakespeare`s most popular plays. The reason for this popularity is found in the quality of the poetry, the clarity of the characterization, and the romantic elements. Shakespeare is dealing with Love and Hate, and Love comes out supreme in the person of Portia, one of the most attractive of Shakespeare`s heroines.

The historical play “Julius Caesar” is probably one of the easiest to understand. The action is clear: the rise from the introduction to the climax, the killing of Caesar, in Act III, and the dradual fall to the tragic end of the play with the death of the conspirators. The hero is Brutus, who joins Cassius and the other conspirators to kill Caesar, because they believe he wants to make himself king. Before a large crowd of Roman citizens Antony makes his great speech over the body of Caesar beginning:

“Friends, Romans, countrymen, lend me your ears!
I come to bury Caesar, not to praise him.”

On seeing the body of his enemy, Brutus, at the end of the play, Antonio says:

“This was the noblest Roman of them all
All the conspirators, save only he,
Did that they did in envy of great Caesar.”

In this play and in “Antony and Cleopatra” and “Coriolanus”, the fatal weakness of character, and the tragic course of evetns, which together led a great man to ruin, are clear enough. Brutus is not a practical man. He loves Rome more than he loves his friend Ceasar; but he is thrown into a situation whre he must deal with practical life and war. He makes several bad mistakes. For example, he allows Antony to speak to the people after himself; and the crowd remembers Antony`s speech better because it is later. A practical man would speak last to an uneducated crowd. He uses reasons to show the people that the murder was necessary. Antony more wisely stirs up their feelings.

In “Hamlet”, the prince of that name suspects that his dead father, king of Denamark, has been murdered by his uncle, Claudius, who has since become king and has married Hamlet`s mother. The ghost of his father appears to him on the battlements of the castle and tells him about the murder. Hamlet must find proof of the murder. In the crisis in Act III Hamlet has his proof when his uncle gives himself away as a troup pf actors act the murder as Hamlet imagines it. But still Hamlet hesitates and this is his undoing. The play still holds our attention and our sympathy is with Hamlet, but the end is certain and unavoidable. The Queen dies after drinking poisoned wine that the king intended for Hamlet. Seeing this Hamlet stabs the king even as he himself is dying from a wound caused by a poisoned sword used by his opponent in a duel.

Hamlet`s tragic weakness is hesitation, inability to act when action is needed. He is too much of a thinker.

In “Macbeth”, the hero, Macbeth, must be considered together with his wife, Lady Macbeth. Returning victorious from a battle he meets three old witches who tell him that he will receive high honours and then become king. The honours come almost immediately, and he decides to help fate to make him king. Together with his wife he plans to murder king Duncan when he stays in their castle. When he fears failure his wife urges him on. Macbeth becomes king, but feels unsafe until Banquo, his friend and truly noble soldier, is dead and can no longer influence the people against their new ruler. He brings about the murder of Banquo using hired assassins. This means that Macbeth is safe for the moment; he is king as the witches prophesied.

After this climax the forces ranged against him become more powerful as the people suspect foul play. His subjects are appalled at the cruel murder of Lady Macduff and her children, after Macduff has joined forces with Duncan`s sons against Macbeth. Lady Macbeth becomes mad and kills herself because of the deeds she had taken part in. Duncans sons bring an army against Macbeth and he is killed in a fight with Macduff, and Malcolm, the rightful heir of Duncan is declared king in his place.

“Twelfth Night” has been called the perfection of English comedy. The whole play is alive with humour and…

(… to be continued in the pictures below…)

Foto 38

Foto 39

foto 1

foto 2

Foto 3

Foto 4

Foto 5

Foto 6

Foto 7

Foto 8

Foto 9

Foto 10

Foto 11

Foto 12

Foto 13

Foto 14

Foto 15

Foto 16

Foto 17

Foto 18

Anúncios

John & Yoko, uma mensagem para quem realmente é fã de Lennon!

“Jamais vou conseguir entender uma pessoa que diz ser fã do John e desrespeita sua mulher, o grande amor da sua vida, sua inspiração, seu tudo. Você não precisa gostar dela cantando, nem da sua arte, nem de tudo que ela diz/faz, mas RESPEITO é essencial. Pentelha? Pois é, ERA O JOHN QUE FAZIA QUESTÃO DELA ESTAR DO SEU LADO O TEMPO TODO. Se algum de vocês tivesse visto os dois juntos, como eu vi muitas vezes, e entendessem a dimensão desse amor – que a maioria dos seres humanos jamais vai experimentar – talvez fizessem diferente. A outra coisa é o PRECONCEITO: mulher, oriental, forte, inteligente, culta, toca piano clássico desde os 5 anos, de família milionária, quase uma família real no Japão, etc. etc. Se fosse uma loraburra que abrisse as pernas pro marido, botasse laquê no cabelo, se arrumasse toda e ficasse calada, todo mundo ia achar bacana. VIVA A YOKO E TODAS AS MULHERES FORTES DESTE MUNDO!!! P.S. O John ia detestar pessoalmente cada um de vocês que fala desse jeito da mulher dele.
Como mulher que saiu de casa aos 15 anos e trabalha desde então, que criou a filha sozinha dando muito duro, que sempre defendeu o direito à igualdade entre homens e mulheres, fico MUITO injuriada com quem insulta a Yoko. Deixar passar batido seria concordar, e isso não farei jamais.”

John e Yoko 2

Palavras do John numa entrevista pra Playboy:

“But what about the charge that John Lennon is under Yoko’s spell, under her control?
LENNON: Well, that’s rubbish, you know. Nobody controls me. I’m uncontrollable. The only one who controls me is me, and that’s just barely possible.
Still, many people believe it.

LENNON: Listen, if somebody’s gonna impress me, whether it be a Maharishi or a Yoko Ono, there comes a point when the emperor has no clothes. There comes a point when I will see. So for all you folks out there who think that I’m having the wool pulled over my eyes, well, that’s an insult to me. Not that you think less of Yoko, because that’s your problem. What I think of her is what counts! Because… fuck you, brother and sister… you don’t know what’s happening. I’m not here for you. I’m here for me and her and the baby!”

Traduzindo: “Mas e a respeito do que dizem que John Lennon está sob o jugo de Yoko, é controlado por ela?

LENNON: Bem, isso é lixo, você sabe. Ninguém me controla. Eu sou incontrolável. O único que me controla sou eu, e isso nem é tão possível.
Ainda assim, muitas pessoas acreditam nisso.
LENNON: Escute, se alguém vai me impressionar, seja um Maharishi ou uma Yoko Ono, chega um momento em que o rei se desnuda. Chega um momento em que eu vou ver. Então para todos vocês pessoas aí que pensam que eu estou sendo subjugado, bem, isso é um insulto para mim. Não por que vocês desfazem de Yoko, porque isso é um problema de vocês. O que eu penso dela é o que conta! Por que … foda-se, irmão e irmã … vocês não sabem o que está acontecendo. Eu não estou nem aí pra vocês. Estou aqui para mim pra ela e para o bebê!

Texto escrito por Lizzie Bravo

Lizzie Bravo e John Lennon em 1968

Lizzie Bravo e John Lennon em 1968

“Os Beatles Ilustrados”, um novo livro sobre os Fab Four lançado em Portugal!

Texto de Rubens Stone

“Os Beatles Ilustrados” é o título de um dos mais badalados livros recém-lançados em Portugal. O autor, Abel Rosa, é um dos maiores colecionadores e pesquisadores da obra do grupo na terra de Camões.

Livro Os Beatles Ilustrados - imprensa portuguesa
Assim como aconteceu em todo o mundo, a beatlemania aportou em Portugal nos idos de 1964, numa época em que uma forte censura vigorava naquele país. Os Beatles foram recebidos com desconfiança por parte da imprensa portuguesa. A revista Flama, na edição de março de 1964, dizia que os Beatles “simplesmente descobriram a fórmula de ganhar dinheiro fácil. Berram, saltam, fazem barulho, nada mais.”
Foi nesse clima que o filme “A Hard Day’s Night” recebeu em Portugal, o ridículo título de “Os Quatro Cabeleiras do Após-Calypso”.

Livro dos Beatles em Portugal 2

Diante de uma aberração como essa, o nosso “Os Reis do Iê Iê Iê” é simplesmente um título genial. (rstone)

Livro dos Beatles  em Portugal 1

Um outro livro lançado em Portugal que também teve muito sucesso foi o “Beatles em Portugal”, de autoria de Luís Pinheiro de Almeida, Teresa Lage

Edição/reimpressão: 2002
Páginas: 176
Editor: Assírio & Alvim
ISBN: 978-972-37-0766-3
Coleção: Rei Lagarto

Sinopse
Talvez não saiba, mas apesar de Os Beatles (a banda mais famosa do mundo, que ainda hoje influencia a música pop e cujos discos se continuam a vender aos milhões) nunca terem actuado em Portugal (por cá eram os tempos do “orgulhosamente sós” e um concerto daqueles 4 “guedelhudos” iria certamente perturbar o “sossego”), os seus elementos estiveram, de vários modos, ligados ao nosso país. Paul McCartney era mesmo um assíduo frequentador do Algarve, e a letra de “Yesterday” foi escrita em Portugal. E também a canção “Penina”, por cá popularizada pelos Sheiks de Carlos Mendes, mas antes disso oferecida a Aníbal Cunha, dos Jota Herre, que tocava na altura no Hotel do mesmo nome, tendo o Beatle ainda feito uma perninha no palco do bar. George Harrison tinha um amigo português com quem partilhava a paixão pelos automóveis e uma grande afeição por um cavaquinho fabricado propositadamente para ele por um artífice de Tebosa, concelho de Braga.
O livro tem um exaustivo inventário de tudo o que em Portugal disse e diz respeito aos Fabulous Four (comemoram-se nesta altura os 40 anos da edição do primeiro single da banda, “Love Me Do”), entrevistas concedidas a jornalistas portugueses (incluindo os autores do livro), depoimentos de pessoas que com eles contactaram, uma enorme iconografia (cartazes, fotos, as edições portuguesas dos discos, documentos, etc.), e uma bibliografia.

Críticas de imprensa
“O livro ‘Beatles em Portugal’, além de preencher um vazio na produção escrita nacional sobre os Beatles, acaba por ser um poderoso instrumento para perceber o país nas décadas de 60 e 70, devolver memórias, projectar imaginações. Todos os aspectos das relações do grupo com Portugal foram cobertos (as entrevistas a McCartney feitas por um muito jovem Joaquim Letria ou por Baptista-Bastos, em inícios de 60 são deliciosas) e a obra integra uma discografia portuguesa – única no mundo! – completíssima e uma bibliografia fundamental. Pelo menos, a primeira ambição dos autores terá sido conseguida: ‘Beatles em Portugal’, antes de aparecer nas livrarias, já é um livro de colecção.”
Nuno Miguel Guedes, Visão, 21/11/02

Casa Branca 200 Anos – Velhos Tempos e Dias de hoje – 2ªParte

Continuando as comemorações dos 200 anos de Casa Branca, além da postagem sobre a modista mais famosa da região, que foi a minha tia Silvia Zanetti…

https://luciazanetti.wordpress.com/2012/02/13/silvia-zanetti-a-costureira-de-casa-branca-e-regiao/

Fica aqui também o registro feito pela Maria Clara Lira.

Velhos Tempos Belos Dias

1a

Continuando com a Comemoração dos 200 anos de Casa Branca, hoje vamos relembrar um pouco mais.

Ainda não tínhamos Supermercados, mas tínhamos o Empório Zanetti, o Armazém do Sr. Florentino, o Armazém do Sr. Luiz Alonso, o Armazém do Galante, o Armazém do Chico Procópio, o Empório do Sr. Joaquim Pinto, o Empório do Sr. Irineu Geogertte, a Venda do Sr. Juca Astolfi, a Casa Coelho, a Casa Manrique, a Casa Palhavan, a Casa Romano do Sr. Tertuliano, a Casa Cristal do Basilone, a Casa Loti, a Casa Carlos, a Loja Rubi, o Calçados Salotti, a Loja Abdalla, a Sapataria do Sr. Bilia, a Casa Palma, a Casa Horta, a Casa Lopes do Sr. Antonio Lopes, a Casa Vicenza do Sr. Fiori e Da. Lina, a Loja Principal, a Loja do Julinho Magalhães e a Loja do Sr. Joanin.

1 antigo mercado municipalAntigo Mercado Municipal, ficava onde hoje é o AME.

2 casa coelhoCasa Coelho.

Ver o post original 864 mais palavras

Conjuntos formados nos anos 60 no Brasil, influenciados pelos Beatles.

Esta matéria integra o livro que será publicado em breve pelo jornalista Xico Junior, intitulado “NO TEMPO DA CUBA-LIBRE”.

Capa e contra-capa No Tempo da Cuba-Libre

Os Covers dos Beatles: Malks, Os Mísseis, Os Bravos, Manifesto, Tokeloko e Traveling Past Band são nomes de conjuntos musicais formados nos anos 60 no Brasil, influenciados pelos Beatles!

"Os Malks", primeiro grupo cover dos The Beatles, de Canoas, em 1965, tinha esse primeira formação: Cézar Zica (bateria), Aérnio Penteado, o Zé (base), Paulo Armando Venhofen, o Paulinho (baixo) e Davi Garcia Neto (solo).

“Os Malks”, primeiro grupo cover dos The Beatles, de Canoas, em 1965, tinha esse primeira formação: Cézar Zica (bateria), Aérnio Penteado, o Zé (base), Paulo Armando Venhofen, o Paulinho (baixo) e Davi Garcia Neto (solo).

Tudo teve início nos final do ano de 1965, início do verão, quando Paulo Armando Venhofen, seu irmão Luiz Carlos e um vizinho da Rua Silva Paes, em Canoas, estavam sentados e recostados num muro, enqunto uma vizinha escutava em seu quarto, a todo volume, um disco dos The Beatles. Nunca me esqueço, revela Paulinho Venhofen, a música que ela ouvia: “A Hard Day´s Night”. Se aproximaram do quarto da jovem, que logo apareceu dizendo, como que premonizando: “Olha aí gurizada! Isso é que vocês devem fazer. Montar um conjunto e tocar essas músicas”. A jovem passava o dia inteiro ouvindo aquele disco e repetia: “Eles (The Beatles) são demais!”.

"Os Mísseis", segundo nome da banda cover dos The Beatles, em 1968, que se apresentou no Canoas Tênis Clube, tinha a seguinte formação: Aérnio Penteado (o Zé), Paulo Armando Venhofen (o Paulinho), Luiz Carlos Venhofen e Davi Garcia Neto.

“Os Mísseis”, segundo nome da banda cover dos The Beatles, em 1968, que se apresentou no Canoas Tênis Clube, tinha a seguinte formação: Aérnio Penteado (o Zé), Paulo Armando Venhofen (o Paulinho), Luiz Carlos Venhofen e Davi Garcia Neto.

“A partir daquele dia passamos a nos interessar na possibilidade de montar um conjunto. Assim, começamos a buscar informações em revistas, jornais e nos discos, o que era muito mais difícil”, revela o Paulinho. “Devido a esse interesse, dessa procura, acabamos encontrando uma pessoa que muito nos ajudou: era o Plauto Paim, que já tocava na banda “Os Eremitas” com seu irmão o Bibica. Acho que essa foi a primeira banda de rock de Canoas, pois me lembro que eles tocavam na Casa de Chá São Luiz”, então na Galeria São Luiz, a primeira de Canoas (a casa pertencia à família Ghisleni, que morava na rua Vasco da Gama e quem geralmente atendia o pessoal era o filho Sérgio, que mais se dava com a gurizada da época).

Grupo que assistiu os "covers" dos The Beatles surgirem em Canoas: Vera Sienko, Paulo, Sérgio, Rosane, Paulo Armando Venhofen (o Paulinho), Gi, Marisa, Davi Garcia Neto e Luiz Carlos Venhofen, em Canoas - 1966

Grupo que assistiu os “covers” dos The Beatles surgirem em Canoas: Vera Sienko, Paulo, Sérgio, Rosane, Paulo Armando Venhofen (o Paulinho), Gi, Marisa, Davi Garcia Neto e Luiz Carlos Venhofen, em Canoas – 1966

Decidido, Paulinho buscou amigos que sabiam ou tinham vontade de tocar algum instrumento, como bateria, baixo, solo, base e sem muita delonga tudo foi resolvido, pois procuraram em cada um dos integrantes da nova bada a boa vontade, a determinação e quem tinha mais facilidade de aprender um determinado instrumento. Assim, ficou decidido: o Davi Garcia Neto seria o solista, Paulinho o baixista, Luis Carlos Venhofen o baterista, mas faltava o guitarra-base. E assim descobriram outro vizinho, o Aérnio Penteado, ou Zé Aérnio. Falta, então, a aquisição dos instrumentos, e naquele tempo não tinha as facilidades de mercado que existem hoje, especialmente em Canoas, onde não havia uma só loja de equipamentos musicais. Descobriram que na rua Alberto Bins, em Porto Alegre havia a loja “A Marocke” e quem os atendeu foi um rapaz de nome Carlinhos, também músico, que juntamente com o Mitch Marini Gelson Schneider formavam a banda “O Bizarro”. No bairro Partenon também encontraram uma fábrica de guitarras “Mil Sons”, que depois passou a se chamar “Martins Sons”, cujo dono era o “seu” Adão que lhes fez bom preço. Mesmo com instrumentos sem a melhor qualidade técnica, mas compatível com os recusos do grupo, já que os Gianini, Sonelli, Beger, Phelpa, etc, eram superiores, inclusive no preço. Mas como a vontade de tocar era tanta e a grana curta, toparam ficar com os instrumentos da “Mil Sons”, pois assim já podiam começar os ensaios, já que a vontade de tocar era quase que incontrolável. Fizeram aulas práticas com o amigo e professor Plaulo Paim que, de imediato, ensinou-lhes três músicas básicas, e só soladas. Ensaiavam todos os dias, assim o grupo ficou tão afinado que logo começaram a participar de eventos.

"Os Mísseis": Paulo Armando Venhofen (o Paulinho), Aérnio Penteado (o Z´r) e Davi Garcia Neto.

“Os Mísseis”: Paulo Armando Venhofen (o Paulinho), Aérnio Penteado (o Z´r) e Davi Garcia Neto.

O Plauto Paim organizava, no Colégio Maria Auxiliadora, ou “Colégio das Freiras” como também era conhecido, uma reunião-dançante com música ao vivo. Coisa rara até então – uma quebra de tabu -, pois que na maioria dos casos esse tipo de festa jovem eram realizadas nas salas das residências ou nas garagens e com toca-disco ou vitrola, que rodava somente os “bolachões” ou CDs de vinil. Além de “Os Malks”, que muitos confundiam com “Os Mísseis”, nome esse que só foi adotado pelo grupo tempos depois, tocaria na dita reunião “Os Eremitas” do próprio Plauto Paim, esse, provavelmente, o primeiro conjunto de rock que surgiu em Canoas; “Os Mugs” dos irmãos Celso e João Carlos Orsi, e “Os Cabeludos de Esteio”, já que a banda esteiense, liderada pelo Índio, não tinha ainda sido batizada com um nome.

"Os Mísseis": Jacaré, Grego, Paulinho Venhofen e Norberto de Carli e ao centro o craque Paulo Roberto Falcão, que anos depois, a parir de 1983, viria a se tornar, além de um dos maiores ídolos do Sport Club Internacional e do Brasil, "L´ottavo Rei di Roma".

“Os Mísseis”: Jacaré, Grego, Paulinho Venhofen e Norberto de Carli e ao centro o craque Paulo Roberto Falcão, que anos depois, a parir de 1983, viria a se tornar, além de um dos maiores ídolos do Sport Club Internacional e do Brasil, “L´ottavo Rei di Roma”.

Antes de “Os Malks” se apresentarem para um grande público, como foi o da reunião dançante do “Colégio das Freiras”, eles já haviam tocado em festinhas de aniversários na vizinhança e para parentes, inclusive no aniversário do primo do Davi Garcia, um dos integrantes do conjunto, o Anaulpa, irmão do Ajax. A festa, conforme os comentários, bombou ainda que com um repertório de apenas 15 músicas, basicamente de Os Incríveis, The Jet Blacks e The Jordans, conjuntos nacionais de grande sucesso à época, e principalmente músicas do grupo estadunidense The Ventures, formada em 1958 e que gravou “Hawaii 5-0”, que virou trilha sonora de um seriado policial norte-americano com o mesmo nome e que ficou no ar por 12 temporadas, de 1968 a 1980. Muito dos então jovens dos anos 60 hão de lembrar, naturalmente. O sucesso foi óbvio, pois tudo era novidade: o som, as guitarras e tudo ao vivo. E o esquema para que a festa não acabasse logo, naturalmente, primeiro se apresentava “Os Malks” com seu pequeno repertório, no intermezzo som na vitrola com os “bolachões rodando na eletrola e no final voltava o grupo com interpretações ao vivo e o mesmo repertório. Ninguém estranhava e nem achava ruim porque era tudo novidade … e da boa.
Um detalhe que é importante ressaltar: se observarem bem nas fotos as roupas com que os jovens se vestiam nos anos dourados e diamantinos, e não havia calças jeans ou brim coringa, essa fabricada pela Alpargatas em São Paulo, geralmente na cor caqui. O brim coringa virou uma quase coqueluche por ser resistente, pois até mesmo os uniformes da maioria dos colégios, para os meninos, usavam o brim coringa na cor caqui como uniforme. Assim, o Externato São Luiz (com Z mesmo), a camisa azul marinho com o dístico no centro do peito e calças de brim na cor caqui. O mesmo era usado pelo colégio Estadual Marechal Rondon, só que a camisa era branca, se não me falha a memória de tergal. Foi uma época em que todos, inclusive os jovens, usavam roupas talhadas por alfaiates ou calças e camisas compradas em lojas de pret-à-porter, porém de tecidos diversos. E até mesmo em dias de semana andavam de terno e gravata e os sapatos mais limpos possível e brilhantes. Muitos optavam pelo sapato de verniz que não exigia tanto esmero e zelo, porque mantinha automaticamente o brilho … e o capricho. Era chique e revelava capricho, coisa que as meninas da época – hoje são tratadas de minas – observavam nos menores detalhes. Então, para uma paquera ou uma conquista ou até mesmo merecer a atenção das garotas, estar aprumado era indispensável. Fazia parte da etiqueta masculina na época.
Bem, resumindo “Os Malks”, que no letão diz ser “golada” ou “bocado, mordisco, sorbo, trago”; mesmo sem o baterista original Luiz Carlos Venhofen, mas improvisado com o Cézar Zica, colega do Externato São Luiz ou “Colégio dos Padres” como era chamado pela grande maioria do alunos e não alunos, fez o maior sucesso, tanto entre os estudantes do “Colégio dos Padres” e especialmente entre as meninas do Colégio Auxiliadora. Dos ensaios para esse evento ficou apenas uma foto como registro, solicitada pela dona Érica Penteado, mãe do Zé Aérnio, mas que não temos para fazer, aqui, o devido registro histórico.
Pois, naquele tempo dos anos dourados e diamantinos, mesmo nas reuniões em casa de famílias, havia a preocupação, tanto dos rapazes como das meninas, de uma boa e discreta produção. Era raro se ver algum rapaz numa festa dessas, ou mesmo tempos depois nas “soiréss-dançantes” nos clubes, sem estarem corretamente trajados de terno e gravata e os sapatos devidamente polidos, brilhando, enquanto as garotas, com maior discrição ainda, se produziam que o que havia como o “dernier cri” ou o “último grito” na moda. E tempos depois já adotando a tão combatida e rejeitada, pelos pais, “mini-saia”. Os penteados, ainda que hoje possam parecer caretas, absolutamente fora de moda, era um dos detalhes que as meninas mais se preocupavam. E aí a preparação com bobs e depois dê-lhe laquê prá garantir o penteado até o final da festa, enquanto que no rosto o ruge e batom, que davam um realce de mais sensualidade às já sensuais garotas. Na reunião, era rotineiro se ver a maioria dos jovens tímidos, à espreita de uma oportunidade para dançar com a garota eleita por cada um dos rapagões, que formavam como que um círculo à beira da pista à espera da tão sonhada oportunidade de poderem dançar, de rosto colado, obviamente, mesmo que sob os constantes e vigilantes olhares das mães.

The Cleans era um grupo do Rio Grande do Sul, da cidade de Canoas.

Grupo "Os Cleans", surgido em Canoas nos anos 60, depois seguiu para o Rio onde gravou Cds (vinil) e participou de diversos programas de repercussão nacional, como a "Jovem Guarda", pontificado pelo "rei" Roberto Carlos, o "tremendão" Erasmo Carlos e a "ternurinha" ,Wanderléa e "O Bom", comandando pelo cantor Eduardo Araújo. Na foto do acervo particular de Xico Júnior, a primeira formação: Santamaria, Soneca, (?), Zé e Nei Cardoso.

Grupo “Os Cleans”, surgido em Canoas nos anos 60, depois seguiu para o Rio onde gravou Cds (vinil) e participou de diversos programas de repercussão nacional, como a “Jovem Guarda”, pontificado pelo “rei” Roberto Carlos, o “tremendão” Erasmo Carlos e a “ternurinha” ,Wanderléa e “O Bom”, comandando pelo cantor Eduardo Araújo. Na foto do acervo particular de Xico Júnior, a primeira formação: Santamaria, Soneca, (?), Zé e Nei Cardoso.

O grupo The Cleans, ou Os Cleans, iniciou a sua trajetória em Canoas, ainda na década de sessenta, onde animou muitos bailes e soirées dançantes, frequentadas pela juventude dos anos diamantinos no Clube de Bolão Gaúcho, Sociedade Canoense de Caça, Pesca e Tiro, Grêmio Esportivo Niterói e outros mais. Depois, visando galgar sucesso, rumou para o centro do País.
Em 1966 o grupo venceu a fase regional do concurso Primeiro Encontro Nacional da Jovem Guarda e classificou-se para a grande final realizada na TV Record, de São Paulo, ficando em segundo lugar. Na capital paulista passaram a acompanhar vários artistas em shows e em seguida foram contratados pela TV Excelsior – Canal 9 para atuarem no Programa “O Bom”, comandado pelo cantor Eduardo Araújo. E em 1967 gravaram seu primeiro disco no selo Pauta.
Os Cleans foi um dos primeiros grupos do Rio Grande do Sul a introduzir o vocal em suas apresentações e o pioneiro na utilização da guitarra com alavanca, entretanto, a trajetória em São Paulo foi realizada com dificuldades. A formação original foi: Zé, Vasques (canoense), Nei CArdoso (canoense), Carlos Roberto e Paulo no sax, em seguida Tony Osanah, (dos Beat Boys) que ficou alguns meses. O conjunto sofreu várias alterações. Em 1968 teve início a formação mais duradoura indo até 1971: Zé, Vasques, Ney Cardoso, Carlos Roberto e Lairton. Gravaram dois compactos na RCA Victor: Chick – A- Boom, em 1968, e Nova Geração, em 1969. Participaram dos programas: “Almoço com as Estrelas”, “Astros do Disco”, e “Jovem Guarda”, entre outros. Acompanharam o Hermes de Aquino no IV FIC (Festival Internacional da Canção) e também a cantora Laíz Marques em “Sala de Espera”.

Serginho Canhoto, ex-The Jet Black`s, fala sobre Os Cleans: “Eta gauchada boa de musica, foram meus amigos durante e depois da Jovem Guarda e ate hoje! Viva Porto Alegre, Rua da Praia… e o bairro da Glória! Diz aí Luiz Marcelo!”

FONTE: No tempo da Cuba Libre, Blog de Xico Junior