Especial Jovem Guarda em Vídeos!

Em 17 de janeiro de 1968 Roberto Carlos se despediu do programa Jovem Guarda comandado por ele pela TV Record canal 7, que teve seu início em 22 de agosto de 1965.

Apesar do breve período de duração, o programa ficou para sempre eternizado no coração de quem viveu aquelas jovens tardes de domingo…

Para quem viveu aquela época e acompanhou tudo de perto e gosta de recordar aqueles belos dias, seguem alguns vídeos de um evento especial realizado entre alguns cantores que participaram da Jovem Guarda, como Bobby de Carlo, George Freedman, Waldireni, Nalva Aguiar, Deny, Leno, Renato e Seus Blue Caps, Wanderley Cardoso, The Jordans, Martinha, Demétrius, Os Caçulas, Marcos Roberto e Dori Edson.

A apresentação foi realizada no final do ano de 1995 para 1996, na fazenda de Sérgio Reis em Sorocaba, e levado ao ar em seu programa pela Rede Manchete de televisão.

“Foi em 1995/96 Programa do Sérgio Reis gravado direto de uma fazenda no interior de São Paulo em comemoração aos 30 anos da Jovem Guarda, registro antológico.” Disse-me Deny sobre este dia memorável.

The Jordans – Blue Starr

Bobby de Carlo – “Tijolinho”

Tutti Frutti – George Freedman

Doce de Coco / O Bom Rapaz – Wanderley Cardoso

Menina Linda / Feche os Olhos – Renato e Seus Blue Caps com Leno no baixo

Pobre Menina – Leno e Renato e Seus Blue Caps

Rítmo da Chuva (Demétrius) / Eu Daria a Minha Vida (Martinha)

“Vá embora daqui” / “Perto dos Olhos, Longe do Coração” – Marcos Roberto e Dori Edson

Os Caçulas – “A chuva que Cai”

“Coruja” – Deny e Sérgio Reis

“Roberta” / “Al-di-la” / “LA Bamba” – Ary Sanches

Ary Sanches, Deny e Bobby de Carlo

Ary Sanches, Deny e Bobby de Carlo

George Freedman

George Freedman

Show em Comemoração aos 50 anos da Jovem Guarda: Fotos e Vídeos

Sábado, dia 22 de agosto de 2015, comemoramos os 50 anos do primeiro programa Jovem Guarda levado ao ar pela TV Record Canal 7 de São Paulo, e para comemorar a data, o radialista e precursor da Jovem Guarda, Antonio Aguillar realizou em São Paulo no Club Homs, com muita desenvoltura, este evento que contou com a presença de vários cantores que pertenceram ao movimento e que também estiveram presentes no programa comandado por Roberto Carlos, Erasmo e Wanderléa.

Estiveram presentes Jerry Adriani, Wanderléa, George Freedman, Martinha, Cyro Aguiar. Enza Flori, Os Jovens, Ronald e Deny, Cláudio Fontana, Cláudio Roberto, Demétrius, Ary Sanches, Joelma Giro Montanaro, Dick Danello, Nilton César, Ed Carlos, The Clevers, Jonas Backer, cantor de bossa nova e pertence a OMB – Órdem dos Músicos do Brasil, entre outros artistas da Jovem Guarda e também um convidado especial: Cauby Peixoto!

Vejam aqui fotos com os artistas:

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10207153267011870.1073741888.1288187940&type=1&l=f1a5e6ac2d

Bolo dos 50 anos da JG

Registros em Vídeos

Parte 1
Antonio Aguillar e The Clevers – Abertura

Parte 2
Nilton César

Parte 3
Jerry Adriani

Parte 4
Dick Danello

Parte 5
Demétrius

Parte 6
Joelma

Parte 7
Ary Sanches

Parte 8
Enza Flori

Parte 9
Os Jovens

Parte 10
Ronald Antonucci e Deny D. Dino

Parte 11
Martinha

Parte 12
Cauby Peixoto

Parte 13
Cláudio Claudio Fontana

Parte 14
George Freedman

Parte 15
Ed Carlos

Parte 16
Wanderléa

“FOI UMA VERDADEIRA FESTA DE ARROMBA. NO FINAL A WANDERLÉA APAGOU A VELINHA DE 50 ANOS DA JOVEM GUARDA. A BANDA THE CLEVERS TOCOU A MUSICA PARABÉNS A VOCÊ E A PLATEIA CANTOU NUMA SÓ VOZ OS PARABÉNS A VOCÊ EM HOMENAGEM AO MOVIMENTO MUSICAL MAIS BADALADO DO PAIS. VEJA OS MOMENTOS FINAIS DO SHOW. SUCESSO TOTAL…OBRIGADO SENHOR.” (Antonio Aguillar)

“Gostaria de parabenizar ao Antonio Aguillar, pelo sucesso do show dos 50 anos da JG. Ele conseguiu lotar o salão do Clube Homs. O público vibrou e cantou com os artistas, do começo ao fim. Agora, outro, só daqui há 25 anos. A Célia, esposa do Antonio Aguillar, não parou por um minuto sequer que, como boa anfitriã, cuidou para que todos se sentissem à vontade. Enfim, uma festa de grande sucesso, como sempre foi na Jovem Guarda. Parabéns, amigo e “timoneiro” da juventude!!!” (George Freedman)

Bolo - cantando os parabéns

O Reencontro de dois Pioneiros do Rock no Brasil!

Antonio Aguillar nasceu em São José do Rio Preto (SP) e foi para São Paulo em 1948, conduzindo uma câmera tipo fole.
Passou a fotografar amigos, famílias, e os desfiles de 7 de setembro, até conseguir um emprego num jornal semanal de São Paulo.
Em 1949 fazia fotos “free” para jornais e revistas até chegar o ano de 1950, quando por concurso, entrou para o jornal O Estado de São Paulo, onde trabalhou como repórter fotográfico até 1960.
Em 1960 foi para o rádio, destacando-se como locutor comercial, produtor e apresentador de programas ao vivo na televisão, permanecendo durante 20 anos na Rede Globo de Televisão de São Paulo. Nessa trajetória lançou em discos e projetou muitos astros e estrelas tais como: Roberto Carlos, Sérgio Reis, The Jordans, The Jet Blacks, The Clevers “Os Incríveis”, Jean Carlo, Marcos Roberto, Wanderley Cardoso, Jerry Adriani, Eduardo Araújo, Os Vips, George Freedman, Paulo Sérgio, Carlos Gonzaga, etc.
Atualmente reside em São Paulo, onde há onze anos mantém um programa na Rádio Capital, chamado “Jovens Tardes de Domingo”.

George Freedman chegou ao Brasil juntamente com sua mãe, sua tia, seu primo e a avó materna, vindos da Alemanha, no dia 01 de setembro de 1947 e em dezembro de 1962 lançou seu primeiro LP, o Multiplication.
Antonio Aguillar foi o produtor do LP Multiplication de George Freedman, e desde 1962 começou a cuidar de sua vida artística.
No LP Aguillar escreveu assim na contracapa:

“George Freedman, este autêntico “ídolo dos brotos do Brasil”, está tão somente começando sua fulgurante carreira em nossa terra.
Este LP, que leva o nome de “Multiplication” diz bem, em seu íntimo, do muito que irá obter, de sucessos indiscutíveis, este jovem alemão de nascimento e brasileiro de coração. Muitas vezes irá se multiplicar a popularidade deste “astro” – galã da nossa juventude sadia e feliz, que sonha ser um dos melhores atores do cinema pátrio, agora, em tamanha ascensão internacional. O seu contrato com a RGE é exatamente a tecla que irá bater no coração de suas fãs. O ex-estudante de química industrial, que abandonou a sala de aula para vir a ser o expoente de nossa música popular juvenil, dá assim o passo definitivo para a maturidade artística. O adolescente que chegou ao Brasil com tantas ambições recebe assim o seu diploma de consagração.

A sua Berlim natal, tão sofrida e maltratada, ficou para trás; e hoje, São Paulo é quem detém todos os momentos do extraordinário cantor. Aqui é que se vai amoldar a personalidade definitiva deste cartaz fabuloso, que os paulistas admiram e o Brasil inteiro quer bem.

Atentem para esse detalhe: este LP vai entrar para a historia!

Sim, para a historia da música, por que aqui está reunido um repertório bem variado e bem a gosto do público jovem.

E… então, comecemos pela primeira faixa do lado A; você vai ver que não me enganei… tá?

George Freedman já estava fazendo sucesso no Brasil com seu LP quando viajou para a Alemanha onde foi reencontrar seu pai, que havia sido prisioneiro de guerra e estava de volta à Alemanha.

Freedman viveu cerca de seis meses na Alemanha e retornou ao Brasil em 1963.
Ao chegar aqui, reencontrou o amigo Antonio Aguillar e recomeçou sua carreira artística.
Gravou mais um disco na RGE e foi para a Continental. Depois parou de gravar porque o mercado havia mudado, e foi então que Carlos Imperial o chamou para trabalhar com ele como Secretário na TV Excelsior Canal 9.

O tempo passou e os amigos perderam contato após George Freedman sair do cenário artístico em 1972, porém com o advento da Internet e as redes sociais, os dois amigos voltaram a se encontrar em 2012.
Eu costumava fazer pesquisas sobre as gravações de George Freedman e lendo a capa do seu disco descobri que havia um nome que supus ser de seu empresário na época e me interessei em fazer uma busca no Google. Foi quando encontrei Antonio Aguillar.

Ontem, durante o Show realizado por Antonio Aguillar no Club Homs em São Paulo, com a participação de vários artistas da Jovem Guarda, George Freedman foi um dos convidados e finalmente pude tirar uma foto que há muito eu aguardava, que é esta dos dois amigos juntos…

Antonio Aguillar e George Freedman em 22/08/2015

Antonio Aguillar e George Freedman em 22/08/2015

Show 50 anos JG - George Freedman Aguillar no palco Homs 1

George Freedman, Antonio Aguillar e o Alfaiate Thomazini

George Freedman, Antonio Aguillar e o Alfaiate Thomazini

A apresentação de George Freedman no Show 50 anos da Jovem Guarda!

Show em Comemoração aos 50 anos da Jovem Guarda!

No próximo dia 22 de agosto de 2015, comemora-se os 50 anos do primeiro programa Jovem Guarda levado ao ar pela TV Record Canal 7 de São Paulo, e para comemorar a data, o radialista e precursor da Jovem Guarda, Antonio Aguillar, atualmente com 85 anos de idade, se propôs a realizar um evento que contará com a presença de vários cantores que pertenceram ao movimento e que também estiveram presentes no programa comandado por Roberto Carlos, Erasmo e Wanderléa.

Estarão presentes Jerry Adriani, Wanderléa, George Freedman, Martinha, Bobby de Carlo, Cyro Aguiar, Enza Flori, Os Jovens, Ronald e Deny, Cláudio Fontana, Cláudio Roberto, Demétrius, Ary Sanches, Joelma, Dick Danello, Nilton César, Ed Carlos, The Clevers, entre outros artistas da Jovem Guarda e um convidado especial: Cauby Peixoto!

sHOW DA jOVEM gUARDA 50 ANOS

DATA: 22 de agosto de 2015

HORÁRIO: Das 18h às 23h

LOCAL: Club Homs em São Paulo, localizado na Avenida Paulista, 735, entre as Estações Brigadeiro e Trianon/Masp do metrô.

Os ingressos estão à venda na Secretaria do Club Homs, no horário comercial.
Telefone: (11) 3289 4088

Outros locais de venda:

BRJ – Loja de CDs e DVDs na Av. Paulista, 657 das 9hs as 21h; sábado das 9h às l9h e domingo das l0h às 16h – Tel. 3253-4990;

Museu dos CDs. – Av. Paulista 1499 loja l8, das 9h às l8h de 2a. a Sábado. Tel. 3289-9415

Ouçam aqui o que dizem alguns artistas que estarão presentes a esta festa que promete ser de arromba! 😉

.

Programa Jovem Guarda: quem não viu, ouviu falar!

Estamos perto de comemorar 50 anos do início do Programa Jovem Guarda, e devido aos incêndios ocorridos no Teatro Record e consequente queima dos arquivos do programa, muito pouco temos em registro de imagem, foto e datas, e pensando nisso, seguindo uma sugestão do músico Serginho Canhoto, que pertenceu ao conjunto The Jet Black’s de 1964 a 1966, fizemos uma pesquisa no grupo do Facebook, Eterna Jovem Guarda, para descobrirmos alguns detalhes que não estão nos livros que contam a historia do programa que deu origem ao movimento da Jovem Guarda, ou ao estilo de música denominado “iê iê iê”, o famoso “pop rock”, devido ao sucesso dos Beatles com a canção “She Loves You (Yeah Yeah Yeah)”.

Enfim, quais os cantores e conjuntos musicais que participaram do programa?
Quem estava nos bastidores, como maquiadores, câmera men, iluminadores, pessoas que organizavam o palco e estabeleciam a ordem de entrada e participação dos artistas, etc…?

Eu me lembro muito pouco sobre os programas, mas algumas coisas ficaram marcadas na minha memória, como a participação de George Freedman cantando “Coisinha Estúpida”, Prini Lorez cantando “La Bamba”, Martinha, apresentada como “o queijinho de Minas”, Ary Sanches, “a granada romântica do programa”, Wanderley Cardoso, Ed Wilson, Golden Boys, Trio Esperança, Reynaldo Rayol, o “boa pinta” Tony Campello, “o bidu” Jorge Ben(jor), Gilmar, Beatnicks, Vanusa, Wanderléa, Rosemary, Nalva Aguiar, Waldireni, Meire Pavão, a dupla Os Vips, Ed Carlos, Kátia, Jean Carlos e claro, Erasmo e Roberto Carlos, entre outros.

O Serginho Canhoto, por exemplo, me contou que Roberto Carlos queria que o conjunto The Jet Black’s fosse a sua banda, portanto estava lá no primeiro programa, pois The Jet Black’s havia sido contratado para acompanhar os cantores. Hoje infelizmente Sérgio é o único sobrevivente daquela formação que participou daquele primeiro programa, que era: Jurandi, Zé Paulo, Gato e Serginho Canhoto.

A dupla Leno e Lílian também participou, e há este registro aqui, a “boneca” e o “barra limpa”:

O Calhambeque estava na moda, devido ao sucesso da canção interpretada por Roberto Carlos, e a Magaldi, Maia & Prosperi (MM&P), agência que atendia a conta da emissora de Paulo Machado de Carvalho, vendeu a ideia a ele de criar as calças Calhambeque, aproveitando o sucesso da canção do Roberto.

Uma curiosidade: The Jet Black’s foi o primeiro conjunto a receber as famosas calças.

Quando os músicos viajavam para outros Estados, a Magaldi, Maia & Prosperi providenciava para cada um deles um talão com os horários e passagens, e também contatavam as pessoas da cidade que tivessem Calhambeque para que fossem ao Aeroporto esperar por eles, assim promovendo a marca “Calhambeque”.

Carreata em Belo Horizonte, promovida por Elmar Tocafundo, divulgador da CBS.

Carreata em Belo Horizonte, promovida por Elmar Tocafundo, divulgador da CBS.

Daisymar Tocafundo, filha de Elmar Tocafundo, divulgador da CBS em Belo Horizonte, conta que nasceu em 1963 mas acompanhava seu pai desde menina e também ficava ouvindo as conversas com os artistas que frequentavam sua casa, porém quem sabia de tudo e poderia contar muitas historias seria seu pai, que era ligado à CBS e seus artistas, além de ser radialista, e que sempre foi considerado o maior divulgador em Minas Gerais e um dos melhores do Brasil, mas que faleceu em 2001 aos 61 anos de idade… Muito respeitado no meio artístico e também pelos colegas da Rádio Itatiaia, Elmar foi responsável pelo início da carreira de Roberto Carlos, Renato e Seus Blue Caps, Jerry Adriani, Cláudio Fontana, Martinha, entre outros artistas, também de outras gravadoras como a Copacabana Discos, e continuou tendo grande importância também no início dos anos 70 e depois na RGE Discos.

Elmar Passos Tocafundo tinha um programa chamado “Telefone Pedindo Bis”, iniciou sua carreira nos Diários Associados em 1956 e vale ressaltar que foi o primeiro radialista no Brasil a abraçar o movimento da Jovem Guarda, programando as músicas nas duas maiores rádios dos Diários Associados em Belo Horizonte e com seu prestígio não foi difícil levar os cantores da CBS a estourarem nas paradas de sucesso, a CBS que era a maior gravadora que havia no Brasil naquela época.

“Telefone Pedindo Bis” – Rádio Itatiaia/BH

Para ilustrar o que contou o Serginho Canhoto, sobre os Calhambeques que eram levados ao aeroporto para apanhar os artistas, aqui está Elmar e a carreata que parou a cidade de Belo Horizonte em 1967. Uma fila de Calhambeques acompanhava o da frente, onde estavam Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa, desde o Aeroporto da Pampulha, passando pela Avenida principal da cidade, a Afonso Pena e pararam no Minas Centro, onde estava sendo feita a divulgação das calças Calhambeque. Naquele dia, todas foram vendidas.

Recorte de Jornal com a notícia - Acervo Daisymar Tocafundo

Recorte de Jornal com a notícia – Acervo Daisymar Tocafundo

Renato Barros conta que seu conjunto Renato e Seus Blue Caps viria a participar somente tempos depois do Programa Jovem Guarda, pois Roberto, Erasmo e Wanderléa não “avisaram” que tinham um programa em São Paulo, apesar da convivência que tinham no Rio de Janeiro, mas depois Roberto Carlos trocou sua empresária Edy Silva pelo empresário Marcos Lázaro, que levou Renato e Seus Blue Caps para participarem do programa.
Naquela época os artistas tinham que seguir a “cartilha” de Edy Silva, e muitos artistas foram prejudicados por não aceitarem as regras estabelecidas… Ary Sanches, Prini Lores e Rosemary são alguns exemplos.

Os Jordans também estavam no primeiro programa Jovem Guarda, e participaram até os últimos a serem levados ao ar, como conta o Marquinhos…

Marco Aurélio Carvalho Rocha
Marco Aurélio Carvalho Rocha 15 de julho de 2015 18:53
Oi Lucinha.
Eu não participei do primeiro programa.
A minha estreia na Jovem Guarda, foi exatamente no dia em que o Roberto Carlos se apresentou, após retornar da Itália como campeão do Festival de São Remo, em 1968.
A música que eu solei, como guitarrista dos Jordans, foi o Tema de Aranjuez.
Que por sinal, está gravada no Edição Extra nr2. Grande abraço.
Marquinho

George Freedman, que foi um dos pioneiros do Rock no Brasil e que fez muito sucesso com a canção versionada por Leno, “Coisinha Estúpida”, era contratado da emissora e também deu seu sincero e verdadeiro depoimento…

George Freedman
George Freedman 15 de julho de 2015 23:41
Eu, por minha vez, era contratado do programa e, recebia por mês. Após ficar ausente por 3 programas, devido uma hepatite que contraí, fui proibido de participar por ordem médica para tratar da doença. Foi na época do auge das calças calhambeque. Quando fui munido dos documentos comprobatórios ao escritório do Marcos Lázaro, este tentou me passar a perna se negando a me pagar os dias ausentes. Arrumei o maior “salseiro” na porta do escritório, pois havia ficado doente independente de minha vontade. Ameacei entrar na justiça e a levar o caso ao Paulinho, como era carinhosamente chamado o Dr. Paulo Machado de Carvalho. Quando o M. Lázaro, percebeu que eu falava sério, ele resolveu acertar as contas comigo. Infelizmente, uma passagem desagradável mas, marcou tanto que foi a primeira coisa que me veio à cabeça. Em outra ocasião contarei passagens mais agradáveis. Esta foi para mostrar como o meio que envolve muito dinheiro é corrupto. Me perdoem. Abraços!!!

O cantor italiano Dick Danelo conta sobre a sua participação no programa…

Dick Danello
Dick Danello 16 de julho de 2015 10:05
A jovem Guarda era uma festa. Nós cantores participávamos dos programas, no Teatro Record, na rua da consolação, e tínhamos horário para ensaiar. Mas, sinceramente nem dava pra ensaiar todo o mundo. Então, muitas vezes entrávamos em cena, direto. Me lembro que num programa cheguei em cima da hora, e o Marcos Lázaro (que era um grande empresário), falou: agora é vc. Eu dava o tom e os Jet Blaks ficavam meio que assustados, mas tudo dava maravilhosamente certo. Que coisa linda, era ver o público do Teatro aplaudindo freneticamente. Saudades daquelas tardes de domingo….e…..arrivederci!!!!

O cantor Reynaldo Rayol também participou do programa, contratado já na época do empresário Marcos Lázaro:

Reynaldo Rayol
Reynaldo Rayol 19 de julho de 2015 17:53
No meu caso fui contratado por Paulinho Machado de Carvalho via Marcos Lázaro.

Da participação do Reynaldo Rayol há este registro:

Bobby de Carlo participava do programa de Ronnie Von e também do Jovem Guarda…

Roberto Caldeira Dos Santos
19 de julho às 19:40
Fui contratado pela Record para atuar efetivamente no programa “O Pequeno Mundo de Ronnie Von” aos sábados à tarde, por intermédio de Marcos Lázaro. Logo em seguida, me tornei parte integrante do programa Jovem Guarda, tanto em São Paulo como no Rio, contrariando algumas afirmativas de que, quem participasse do programa do Ronnie não faria parte da Jovem Guarda. Isto ocorreu no final de 1966 e durou até o final de ambos os programas.

Há também quem esteve assistindo na plateia, como o radialista Nilton Gonzaga…

Nilton Gonzaga
Nilton Gonzaga 16 de julho de 2015 07:28
Além de estar presente nos programas da Jovem Guarda, ia todo paramentado com a marca Calhambeque, inclusive usando o famoso anel Brucutu, retirados dos fuscas. Lembro-me bem que nos finais do programa, muitos cantores e grupos participavam de outros shows, como exemplo, várias vezes foram ao Teatro Paulo Eiró, em Santo Amaro, onde fiz meu primeiro teste como locutor comercial, com o Mário Ferraz, que apresentava o Clube dos Bairros, que possuía um restaurante na praça Marechal, em Sto. Amaro. O Baragatti nesse tempo era da Rádio Santo Amaro.

Se você que está lendo esta postagem foi um câmera man, um maquiador, ou esteve na plateia em um dos programas, quais são as suas recordações?

Conte aqui a sua historia com a Jovem Guarda, deixando um comentário. 😉

Antes dos primórdios do Rock no Brasil… o Tango imperava!

Nos anos 50 o tango foi um ritmo que imperou no Brasil. Todas as emissoras de rádio só tocavam tango. Dai surgiu em São Paulo, um moço, descoberto artisticamente por um corretor de seguros gerais, chamado Jacob Rosemblat. O nome dele de batismo era Cármino Lombardo, mas artisticamente se chamava Carlos Lombardi. Sua voz tinha tudo a ver com Carlos Gardel, conhecido cantor de tango da Argentina, mas de origem francesa.

Jacob Rosemblat tinha a maior discoteca de tango no Brasil e foi um grande divulgador do seu pupilo, levando-o nas emissoras de rádio para divulgar suas gravações voltadas para o tango.
Carlos Lombardi foi considerado no Brasil o Rei do Tango e tinha espaço cativo na Churrascaria Rincon Argentino, localizada no bairro Higienópolis, São Paulo, onde sempre se apresentava. Fez também uma boa temporada na Galpão.
Carlos Lombardi cantava tango igual ou até melhor do que os próprios cantores argentinos.

A data da morte de Carlos Lombardi ou “Cármino Lombardo” é ignorada até pelos colegas que tanto o elogiavam e falavam – “que grande voz” – desse brasileiro nascido no Braz em São Paulo.

Na foto Carlos Lombardi concede entrevista para Antonio Aguillar (1957) Radio Progresso de São Paulo. Sentado esta o seu criador Jacob Rosemblat (falecido).

Carlos Lombardi, Aguillar e  Jacob Rosemblat

Carlos Lombardi, Aguillar e Jacob Rosemblat

(Por Antonio Aguillar)

Raridade!!! George Freedman no Programa do Aguillar nos anos 60!

Antonio Aguillar encontrou nos seus arquivos de vídeos, áudios, MD etc, essas duas gravações do Freedman quando ele participava dos seus programas nos anos 60 na TV Paulista, Canal 5, hoje Globo.

A primeira parte do áudio colocado em vídeo abaixo, trás George Freedman cantando uma canção em alemão, intitulada ” Ich denk an dich”! (Eu penso em você).
Esta canção ele ouviu pela primeira vez quando assistiu a um filme na Alemanha, como ele mesmo conta:

“Se não me engano o filme foi, Branca de Neve e os sete “alguma coisa” não eram os anões… Assisti lá em Berlim. Eu tanto gostei da música que pedi para o produtor do filme me tirar uma cópia, para que pudesse aprender a letra e a música!!! Conheci o produtor através de amigos do meu pai…, que, fui conhecer em 1962. O nome dele era Heino Gazze!!! Quase, que fiquei por lá, pois ele ouviu meu LP Multiplication” e, queria me contratar para gravar na Alemanha. Não fiquei, porque tive um desentendimento com meu genitor!!! Voltei para o Brazil em 63 para continuar minha carreira por aqui, mesmo!!!”

A segunda gravação é o Rock em inglês, intitulado “We got to move rigth out the ligths”!!! A gravação deste programa ocorreu em plena Copa do Mundo em 1962, no dia 13 de junho de 1962, dia em que o Brasil venceu o anfitrião Chile por 4 X 2; o George menciona que apostou num bolão e ganhou, e comemora a vitória do Brasil!

O programa era realizado pela TV Paulista Canal 5 da Organização Victor Costa, antes de se tornar Rede Globo de Rádio e Televisão, e nesta data, entre outros, se apresentou também um cantor holandês chamado Larry Wold, que depois se mudou para a Argentina e nunca mais se teve notícias dele…

digitalizar0001

A apresentação do cantor holandês segue abaixo…