Seguindo os passos dos Beatles na “The Reeperbahn”, Hamburgo!

Todo fã dos Beatles assim como eu gostaria de parar em cada um dos bares que ainda existem na região de St. Pauli e a Reeperbahn em Hamburgo, onde eles aprenderam como cantar melhor, ou pelo menos passar por lá por alguns minutos para ver a atmosfera dos clubes que fortemente influenciaram a banda. Os clubes onde os Beatles tocaram, como o The Top Ten, localizado na Reeperbahn número 136, e o The Star Club, por exemplo, não existem mais, porém em alguns ainda há referências, ou pelo menos o antigo nome. Na verdade houve um tempo em que alguns lugares na Reeperbahn mostravam mais sobre os Beatles do que podemos ver hoje, como por exemplo um “Museu da Beatlemania”, assim como tendas vendendo cachorro quente e restaurantes com o nome deles. Estes lugares tinham “Beatles” somente no nome e o museu na Reeperbahn foi fechado por falta de visitantes, como já publiquei aqui tempos atrás.
No entanto, o verdadeiro espetáculo é a própria Reeperbahn, famosa pela vida noturna selvagem, sex shops e bares turbulentos e agitados que ficaram marcados pelos Fab Four até muito tempo depois que eles deixaram Hamburgo. Em homenagem a eles, existe no início da rua a Praça dos Beatles (The Beatles Platz), onde estão as silhuetas dos cinco: John Lennon, Paul McCartney, Pete Best, George Harrison e Stuart Sutcliffe…

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 065

The Reeperbahn

The Reeperbahn

A Reeperbahn é o centro agitado da vida noturna da cidade, que abriga um dos maiores distritos da luz vermelha da Europa, e também onde os Beatles começaram a deixar sua marca na música durante o início da década de 1960. Os Beatles tocaram primeiramente em 4 clubes localizados na Reeperbahn e eu pude seguir os passos deles em cada um, enquanto sentia aquela sensação de caminhar por uma trilha do pecado, muito bem retratada no musical Backbeat, que assisti em Londres e postei aqui.

Começando o movimento noturno na Reeperbahn...

Começando o movimento noturno…

The Reeperbahn durante o dia

Durante o dia, a Grosse Freiheit ainda vazia…

The Reeperbahn à noite

Grosse Freiheit à noite

Indra Musikclub

No Indra foi onde os Beatles tocaram pela primeira vez em Hamburgo e ao visitar o local percebe-se a origem humilde deles. Os Beatles tiveram que trabalhar arduamente, tinham que tocar muito e rápido para entreter a multidão do jeito que podiam, e era muito difícil às vezes, pois brigas onde o povo quebrava tudo durante os shows eram muito comuns.

early-beatles-photo-indra

As bebidas eram baratas no alto e apertado Indra Musikclub, e por ser alto, era um ótimo lugar para se assistir aos shows, por que mesmo estando bem lá atrás, a pessoa não ficava muito longe do palco, ou do bar.

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 090

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 091

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 093

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 094

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 095

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 096

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 097

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 098

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 099

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 100

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 102

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 103

Kaiserkeller

Este tem uma grande sala de concertos que é difícil de não se ver na esquina da 36 Große Freiheit.
Soube que esta casa funcionava alternando durante o dia entre clube, bar e sala de concertos de rock, dance music, salsa etc…

O interior do Kaiserkeller é maior do que o Indra, mas ainda causava uma sensação de intimidade quando havia música ao vivo tocando. Os Beatles não tocaram por muito tempo lá (apenas por alguns meses durante 1960) e não é um lugar onde as pessoas ficavam por muito tempo, a não ser que houvesse um concerto para assistir.

Kaiserkeller

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 137

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 138

The Star Club

Infelizmente não deixaram nada do Star Club exceto uma placa com o nome. Ele está escondido em uma rua lateral chamada Große Freiheit 39 perto de um clube de dança Thai (tailandesa) e de um bar de strip. A placa fica sozinha em uma parede num corredor de entrada e outra nos fundos.
Os Beatles tocaram no Star Club por 7 semanas no final de 1962 e é o único desses clubes de Hamburgo onde Ringo Starr tocou com a banda (ele substituiu Pete Best). O prédio original foi incendiado em 1987, mas a placa comemorativa indica outros músicos famosos que posteriormente tocaram lá, como Little Richard, Ray Charles, Cream, Jerry Lee Louis e Black Sabbath, para citar alguns.

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 077

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 080

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 083

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 084

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 085

The Top Ten

The Top Ten era um clube cujo proprietário chamava-se Peter Eckhorn. O endereço fica no distrito de St. Pauli em Hamburgo, na Reeperbahn número 136.

Hoje não existe mais nenhuma referência a este clube neste endereço, mas foi lá que os Beatles tocaram entre março e julho de 1961. Eles viviam no sótão em cima do clube e acompanhavam Tony Sheridan nas primeiras sessões de gravação desse cantor durante este período.

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 109

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 110

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 111

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 112

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 114

“I might have been born in Liverpool – but I grew up in Hamburg.” John Lennon

Fonte das informações

Fotos: Por Lucinha Zanetti, entre os dias 23 e 24 de janeiro de 2016.

Vídeo “Seguindo os Passos dos Beatles” (sem trilha sonora, somente som dos vídeos)
Visitando a cidade de Hamburgo na Alemanha, e seguindo os passos dos Beatles no início de carreira, além de outros pontos, como os canais, o Porto e o Parlamento.

Fiz com muito carinho este vídeo com a trilha sonora das canções que os Beatles tocaram em Hamburgo, para ilustrar aqui nesta postagem, porém devido aos direitos autorais, tive que retirar todas…
Refiz tantas vezes o vídeo tentando manter as músicas, que alguns vídeos inseridos nele ficaram “de lado”, só vi depois. rsrs

Quem quiser ouvir com a trilha sonora, poderá assistir neste link a seguir, porém deve estar fora do Brasil, país onde o vídeo está bloqueado:

Vídeo com trilha sonora (Beatles em Hamburgo)

“The Beatles Platz”, Hamburgo, Onde Tudo Começou!

IMG_1732

Os Beatles construíram sua reputação tocando em clubes de Liverpool e Hamburgo por cerca de um período de três anos desde 1960, inicialmente com a presença de Stuart Sutcliffe como baixista. O curioso é que Stu não sabia tocar mas era muito amigo de Lennon, então ele se apresentava no palco sempre de costas… e é assim, de costas, que fizeram a silhueta dele na The Beatles Platz em Hamburgo.

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 061

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 063

IMG_1730

Allan Williams, um empresário não oficial dos Beatles, organizou uma estada para eles em Hamburgo, mas como faltava um baterista em tempo integral no conjunto, eles fizeram um teste e contrataram Pete Best em meados de agosto de 1960. A banda, agora um quinteto, partiu quatro dias depois para Hamburgo, contratados pelo dono do clube, Bruno Koschmider, para o que seria uma residência de 3 meses e meio. O historiador dos Beatles, Mark Lewisohn escreveu: “Eles chegaram em Hamburgo no crepúsculo do dia 17 de agosto, a hora em que a zona de luz vermelha ganha vida… luzes de néon piscando exibiam os vários entretenimentos em oferta, enquanto mulheres seminuas se sentavam ousadamente nas vitrines das lojas esperando pelas oportunidades de negócio.”

Koschmider havia convertido um par de clubes de strip que havia no distrito em locais de música, e ele inicialmente colocou os Beatles no Indra Club…

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 093

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 096

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 100

Depois de fechar o Indra devido a reclamações de barulho, ele mudou os Beatles de lugar, levando-os para o Kaiserkeller em outubro…

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 138

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 071

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 073

Kaiserkeller

Quando ele ficou sabendo que eles estavam tocando no rival Top Ten Club, quebrando o contrato…

O Top Ten ficava neste prédio na Rua Reeperbahn, 136. Hoje nem o nome está mais lá...

O Top Ten ficava neste prédio na Rua Reeperbahn, 136. Hoje nem o nome está mais lá…

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 108

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 109

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 110

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 111

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 112

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 113

O dono do Indra, Koschmider, deu à banda um mês de aviso prévio de rescisão do contrato e relatou que Harrison era menor de idade e que ele somente tinha obtido permissão para ficar em Hamburgo por que mentiu às autoridades alemãs sobre sua idade. As autoridades arranjaram para que Harrison fosse deportado no final de novembro. Uma semana depois, Koschmider mandou prender McCartney e Pete Best por terem colocado fogo em um preservativo em um corredor do prédio, causando incêndio criminoso; as autoridades os deportaram. Lennon voltou para Liverpool no início de dezembro, enquanto Sutcliffe permaneceu em Hamburgo até o final de fevereiro com sua noiva alemã Astrid Kirchherr, que foi quem tirou as primeiras fotos semiprofissionais dos Beatles.

Durante os próximos dois anos, os Beatles residiram por períodos em Hamburgo, onde eles costumavam usar Preludin tanto para diversão como para manter a energia durante as apresentações durante a noite inteira. Em 1961, durante o segundo compromisso deles com Hamburgo, Astrid Kirchherr cortou o cabelo de Sutcliffe no estilo “exi” (existencialista), mais tarde adotado pelos demais Beatles.
Quando Sutcliffe decidiu deixar a banda no início daquele ano e retomar seus estudos de arte na Alemanha, McCartney assumiu o baixo.
O Produtor Bert Kaempfert contratou o que agora era um grupo de quatro peças a partir de junho de 1962, e usou o grupo como banda de apoio para o cantor Tony Sheridan em uma série de gravações para a Polydor Records. Como faziam parte das sessões, os Beatles assinaram com a Polydor por um ano.
Foi creditado como “Tony Sheridan & The Beat Brothers” o single “My Bonnie”, gravado em junho de 1961 e lançado quatro meses depois, chegando ao número 32 na parada de Musikmarkt.

Os Beatles tocaram também no The Star Club, que fica na 39 GroBe Freiheit…

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 076

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 080

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 083

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 084

Pasta 14 - Colônia e Hamburgo 085

Depois de terem concluído sua segunda residência em Hamburgo, eles começaram a colher os frutos de uma popularidade em ascenção em Liverpool, com o crescimento do movimento Merseybeat. No entanto, eles também estavam cansados da monotonia de inúmeras aparições nos mesmos clubes noite após noite.
Em novembro de 1961, durante um dos espectáculos frequentes do grupo no Cavern Club, eles encontraram Brian Epstein, um proprietário de loja de discos e colunista sobre música. Brian Epstein lembraria mais tarde: “… Eu imediatamente gostei do que ouvi. Eles eram joviais, e eles eram honestos, e eles tinham o que eu pensei que era uma espécie de presença … qualidade de estrela”.
Epstein acompanhou a banda durante os próximos dois meses e então eles o nomearam seu empresário em janeiro de 1962. Ao longo do início até meados de 1962, Epstein procurou libertar os Beatles de suas obrigações contratuais para com A Bert Kaempfert Productions. Ele, eventualmente, negociou a liberação do contrato dos rapazes com um mês de antecedência E em troca eles fariam uma última sessão de gravação em Hamburgo.
A tragédia os recebeu em seu retorno à Alemanha em abril, quando uma Kirchherr perturbada se encontrou com eles no aeroporto com a notícia da morte de Sutcliffe no dia anterior. Mais tarde foi descoberto ter sido uma hemorragia cerebral que o levou à morte.
Epstein começou algumas negociações com gravadoras para fazer um contrato de gravação. A fim de garantir um contrato de gravação no Reino Unido, Epstein negociou um fim antecipado do contrato da banda com a Polydor, em troca de mais gravações deles acompanhando Tony Sheridan.
Depois de uma audição no início de fevereiro, a Decca Records rejeitou a banda com o comentário: “grupos de guitarra estão chegando ao fim, Sr. Epstein. ”
No entanto, três meses mais tarde, o produtor George Martin assinou com os Beatles para o selo Parlophone da EMI…

O núcleo de Lennon, McCartney e Harrison passou por uma sucessão de bateristas, mais notavelmente Pete Best, antes de Ringo Starr se juntar a eles. O empresário da banda, Brian Epstein os moldou de forma que se tornassem profissionais e o produtor George Martin reforçou o seu potencial musical do grupo. Assim eles ganharam popularidade no Reino Unido depois de seu primeiro hit, “Love Me Do”, no final de 1962. Eles adquiriram o apelido de “Fab Four” quando a Beatlemania cresceu na Grã-Bretanha em relação ao ano seguinte, e pelo início de 1964 eles se tornaram estrelas internacionais , liderando a “British Invasion” do mercado pop dos Estados Unidos. A partir de 1965, os Beatles produziram o que muitos consideram seu melhor material, incluindo os álbuns inovadores e amplamente influentes, que foram o Rubber Soul (1965), Revolver (1966), o Sgt. Pepper`s Lonely Hearts Club Band (1967), The Beatles (mais conhecido como Álbum Branco, 1968) e Abbey Road (1969).

FONTE DA PESQUISA (1)
FONTE DA PESQUISA (2)

Neste vídeo filmei durante o dia As Silhuetas – ficam no início da rua Grosse Freiheit;

Kayserkeller – Esquina da 36 GroBe Freiheit;

The Star Club – Street off 39 GroBe Freiheit (perto de um clube de dança Tailandesa);

Indra Mt 64, 22767usikclub – Este foi o lugar onde os Beatles tocaram pela primeira vez. Fica na rua GroBe Freiheit;

The Top Ten – Concorrente do Indra, os Beatles tocaram lá causando desavença com os donos do Indra.
Entre março e julho de 1961 os Beatles tocaram no Top TeN e moraram no porão em cima do clube, quando faziam apoio ao cantor Tony Sheridan em sua primeira sessão de gravação oficial durante este período.

.

Álbum de fotos da cidade de Hamburgo

“Viagem pra Hamburgo, sonho de todo Beatlemaníaco!”

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10208151914057422.1073741903.1288187940&type=1&l=20ef71ee6d

Especial Jovem Guarda em Vídeos!

Em 17 de janeiro de 1968 Roberto Carlos se despediu do programa Jovem Guarda comandado por ele pela TV Record canal 7, que teve seu início em 22 de agosto de 1965.

Apesar do breve período de duração, o programa ficou para sempre eternizado no coração de quem viveu aquelas jovens tardes de domingo…

Para quem viveu aquela época e acompanhou tudo de perto e gosta de recordar aqueles belos dias, seguem alguns vídeos de um evento especial realizado entre alguns cantores que participaram da Jovem Guarda, como Bobby de Carlo, George Freedman, Waldireni, Nalva Aguiar, Deny, Leno, Renato e Seus Blue Caps, Wanderley Cardoso, The Jordans, Martinha, Demétrius, Os Caçulas, Marcos Roberto e Dori Edson.

A apresentação foi realizada no final do ano de 1995 para 1996, na fazenda de Sérgio Reis em Sorocaba, e levado ao ar em seu programa pela Rede Manchete de televisão.

“Foi em 1995/96 Programa do Sérgio Reis gravado direto de uma fazenda no interior de São Paulo em comemoração aos 30 anos da Jovem Guarda, registro antológico.” Disse-me Deny sobre este dia memorável.

The Jordans – Blue Starr

Bobby de Carlo – “Tijolinho”

Tutti Frutti – George Freedman

Doce de Coco / O Bom Rapaz – Wanderley Cardoso

Menina Linda / Feche os Olhos – Renato e Seus Blue Caps com Leno no baixo

Pobre Menina – Leno e Renato e Seus Blue Caps

Rítmo da Chuva (Demétrius) / Eu Daria a Minha Vida (Martinha)

“Vá embora daqui” / “Perto dos Olhos, Longe do Coração” – Marcos Roberto e Dori Edson

Os Caçulas – “A chuva que Cai”

“Coruja” – Deny e Sérgio Reis

“Roberta” / “Al-di-la” / “LA Bamba” – Ary Sanches

Ary Sanches, Deny e Bobby de Carlo

Ary Sanches, Deny e Bobby de Carlo

George Freedman

George Freedman

Aconteceu há 54 anos…

Foi no dia 04-01-1962 que o jornal Mersey Beat, de Liverpool (UK) publicou sua primeira pesquisa de popularidade para aferir o que o público achava das bandas de rock nascidas na cidade e região.

Os Beatles, ainda sem Ringo Starr, ficaram em primeiro lugar seguidos de perto por Gerry & The Pacemakers.

Pesquisa de popularidade

Esta primeira página se tornaria histórica e foi parar até em capas de disco.

A grafia errada do sobrenome de Paul – “McArtrey” – viraria símbolo dos duros primórdios do grupo no norte da Inglaterra.

Por Cláudio Teran