O DIA EM QUE O ROCK AND ROLL CHEGOU AO BRASIL PELO AEROPORTO DE CONGONHAS!

Bill Haley e Seus Cometas, a convite da TV Record, chegaram a São Paulo no Aeroporto de Congonhas no dia 24 de abril de 1958.

O repórter Silvio Luiz, meio escondido atrás do Microfone tipo tijolão, faz sua entrevista para divulgar o Rock and Roll no Brasil.

A TV Record foi a emissora que mais trouxe artistas internacionais ao Brasil nos anos 50 e 60.
O rock ainda não tinha vez em nosso País, era o tempo dos cantores românticos como Orlando Silva, Carlos Galhardo, Nelson Gonçalves, Nora Ney, etc… Orquestras como Ray Connif, Élcio Alvares e sua orquestra, Rago e Seu Regional, Mario Zan etc.

Bill Haley nasceu em 6 de julho de 1925 e faleceu no Texas em 9 de fevereiro de 1981, acometido por um tumor cerebral. Seu corpo foi cremado. Foi um musico do Rock and Roll. Ele e sua banda Crazy Man Crazy chegou a gravar o primeiro rock a entrar nas paradas de sucessos dos Estados Unidos. Sua banda mudou de nome em 1952 passando a chamar-se Bill Haley e Seus Cometas. Receberam das mãos de um compositor em 1953 o Rock Around The Clock que só conseguiram gravar em 12 de abril de 1954.

Quando Bill Haley e os demais componentes da banda desceram do avião no Aeroporto de Congonhas em 1958, foi uma correria de jovens que desejavam chegar perto da famosa banda para pedir autografo.
O rock internacional revolucionou o palco do Teatro Record na Rua da Consolação, 1992 e ensinou o novo modo de dançar no Brasil.

O sucesso foi tanto que os brasileiros correram às lojas para comprar discos do grupo e dos outros astros do rock and roll. Bill Haley, com o topete tipo “pega rapaz”, sua marca registrada, levou os jovens ao delírio. Houve confusão no aeroporto envolvendo os fãs mais exaltados e segurança de serviço.

Lembrando que na época Antonio Aguillar ainda era repórter fotográfico do jornal O Estado de São Paulo, e registrou todo esse novo momento musical com reportagens ilustradas no periódico. No Cine Art-Palácio existente no Largo do Paissandu havia a projeção do filme O Balanço das Horas com cenas da famosa banda e o rock comia solto, a ponto de a rapaziada se exaltar, pulando, dançando, quebrando as poltronas do cinema para conseguir espaço e celebrar ali suas danças acrobáticas, que era ao som do rock n’ roll. Foi dai em diante, que veio a inspiração para uma nova vocação: fazer um programa musical de rock numa boa emissora de rádio. A profissão de repórter fotográfico ficou para trás, Antonio Aguillar foi contratado pela Rádio Nacional de S.Paulo e nasceu o programa Ritmos para a Juventude a partir de 1960.
Dai em diante não é preciso dizer mais nada, pois há mais de meio século Aguillar continua prestigiando esse movimento musical.

(Por Antonio Aguillar)

Anúncios

51 anos ouvindo o Álbum Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band dos Beatles!

O Álbum Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band completa 51 anos em 01-06-2018, e sempre será o meu álbum favorito na discografia oficial dos Beatles!

Vamos navegar de volta a 1967, quando os beatlemaníacos que haviam tentado achar o prumo com ‘Rubber Soul’ e ‘Revolver’ seriam recompensados com uma divertida fantasia musical.
O ‘Sgt. Pepper’ ficou 15 semanas no topo da parada da Billboard e ainda estava entre os cinco primeiros álbuns quando ‘Magical Mystery Tour’ chegou à liderança, seis meses depois.

Isso por que a ampliação de horizontes proposta pelo álbum vinha ancorada em composições brilhantes. Desde a abertura contagiante de McCartney ( que Jimi Hendrix tocou ao vivo dois dias depois de lançado o disco), passando pela caleidoscópica ‘Lucy in the Sky with Diamonds’, de Lennon, até a atordoante ‘A Day in the Life’, composta pela dupla, cada música é um tesouro.

Apesar da omissão de ‘Strawberry Fields Forever’, o single provocativo que fez a ponte entre ‘Revolver’ e ‘Sgt. Pepper’, o álbum contém elementos psicodélicos: filosofia oriental (‘Within You Without You’, de Harrison) e menção a drogas (embora Lennon tenha negado as referências ao LSD em ‘Lucy’, McCartney deixou tudo claro com ‘Fixing a Hole’).

O certificado de ‘Sgt. Pepper’ como uma obra da pop art foi conferido pela capa mais famosa da história do disco. O designer Pete Blake imaginou primeiro uma caixa de presente, mas acabou optando por juntar na capa uma série de recortes de cartolina (alguns rostos famosos – Jesus, Hitler, Gandhi – não sobreviveram à montagem final).

O álbum causou um impacto sem precedentes. As rádios o tocaram dias a fio. O crítico Kenneth Tynan, do The Times, o classificou como “um momento decisivo na história da civilização ocidental”. Essa hipérbole já não se aplica, mas ficou um pop perfeito, no qual a ousadia e a música se mesclaram para sempre.”

(Fonte: Livro “1001 Discos para se ouvir antes de morrer”)

Em junho de 2006 o músico que pertenceu à banda Oasis, Noel Gallagher, concedeu entrevista ao jornalista Colin Paterson da Rede BBC inglesa, quando o músico declarou mais uma vez sua admiração pelos Beatles ao afirmar que nunca haverá outra banda como eles.

Para falar de Sgt. Peppers agiu como um fã, e seguem alguns trechos da entrevista:

Pergunta: O que Sgt. Peppers representa para você?
Resposta: É muito especial para mim! Nasci no dia 29 maio de 1967 e Peppers foi lançado horas depois, no dia primeiro de junho. Gosto de dizer que quando estava chegando ao mundo, na maternidade do hospital St. Mary,s em Manchester, Sgt. Peppers estava tocando nos receptores de rádio do hospital.

Pergunta: Houve envelhecimento das canções, 40 anos depois?
Resposta: Não. As canções continuam fazendo você flutuar e sonhar. Eu penso que quanto mais velho você fica, mais as aprecia.

Pergunta: Por quê?
Resposta: Porque algumas das maiores canções dos Beatles estão lá, como A Day in the Life e Lucy in the Sky With Diamonds.

Pergunta: Algum grupo ou banda dos tempos atuais pode ser comparado aos Beatles?
Resposta:Não existe nenhuma com essa condição. Não gosto de comparações. É preciso entender que os Beatles tiveram seu tempo. Eternizaram-se e surgiram numa outra época. Então não dá para estabelecer comparativos entre um grupo de hoje e outro dos anos 1960. Eu acho que você só pode ser do seu tempo. Também é preciso considerar que a música tinha muito mais importância nos anos sessenta que atualmente. De todo modo, nunca haverá outra banda como os Beatles.

Pergunta: Você gostou do álbum “Love”?
Resposta: Chapei quando ouvi. Fiquei impressionado com a “junção” da alta tecnologia com o talento dos Beatles perpetuado nas gravações. O resultado foi a “montagem” daquela trilha sonora futurista, uma autêntica viagem sonora. Uma das melhores coisas que eu escutei foi o “cruzamento” da percussão de Tomorrow Never Knows com os vocais de Within You Without You. Aquilo é uma coisa absolutamente emocional, são os Beatles vivos sendo reinventados por eles próprios. Uma coisa meio louca. Fantástica!

“Acho que o fã que merece mais respeito é aquele sujeito que toma um ônibus vai até a loja de discos, compra meu álbum, volta para casa, e se põe a ouvir atentamente, ao mesmo tempo em que desmonta o encarte e lê cada linha, cada detalhe das informações contidas lá. Este é um verdadeiro fã”. (Paul McCartney)

.

Pois bem, está aí um depoimento interessante sobre o álbum que também mexeu demais com a minha cabeça lá naquele distante ano de 1967, quando fui a São Paulo, na famosa Rua Augusta, na companhia de meu irmão mais velho, especialmente para adquirir aquele que seria o meu disco preferido, o disco que me levaria a me dedicar ainda mais aos estudos da língua inglesa, porque naquela época eu queria entender as letras e cantar junto com eles… 🙂

Alguns depoimentos de artistas brasileiros por ocasião dos 40 anos do álbum Sgt. Pepper em 2007.


.

“THE LIGHT THAT HAS LIGHTED THE WORLD”

Nem faz tanto tempo assim que George Harrison se foi, mas eu sinto falta do tempo dele. 2001 não tinha rede social nem 4G ou banda larga, mas fluía melhor que 2018. Sem George o tempo empobrece feito maldição.
Deve haver uma conspiração cósmica que nos tira os bons e deixa os maus que ficam e proliferam.

Guitarras vendem cada vez menos e a Gibson e a Fender estão em crise dizem as notícias que lavam o nosso cérebro. As guitarras de George estão silentes no escuro dos cases pra nunca mais.

Sim, podem ser ligadas a qualquer momento, mas não haverá a essência dele lá. É disso que eu mais sinto falta. De um acorde novo ou um riff de sempre.
E do non sense e da ironia sub-reptícia dele.

Aquilo sempre deixava no ar a esperança de que o lançamento de um disco seria o acontecimento do ano outra vez. Os sons e tons que George Harrison criou nós podemos tocar e ouvir de novo e de novo.
Mas falta ele na terra para ligar o amplificador e fazer as rodas girarem.

Temos fevereiro e nunca mais a possibilidade de ele vir ao Brasil como em 1979. Faz falta o homem, o Beatle, o guitar hero e o cara que nos fazia refletir num verso: “sou grato a qualquer um que é feliz ou ‘livre’ por me dar esperança enquanto eu estou procurando ver a luz que iluminou o mundo”.

Aquela luz do sujeito bom e essencial e talentoso que ele foi faria toda a diferença se ele estivesse aqui hoje…

Texto do jornalista Cláudio Teran.
FOTOS por Oswaldo Luiz Palermo/Estadão – George no GP de Interlagos (SP) 1979.

NOTA:
Todo ano as pessoas confundem a data do aniversário do George Harrison e pensam que é dia 25/2. E todo ano, uma enxurrada de comentários tentando corrigir a informação. Pois bem, vamos explicar mais uma vez: George nasceu dia 24/2, pouco antes da meia-noite. Durante uma entrevista, em 1992 À Revista Billboard ele revelou ter descoberto os documentos que comprovavam a data correta, porém não os mudou.

Washington Coliseum Concert em 11 de fevereiro de 1964. Há 54 anos!

Os Beatles John, Paul, George e Ringo fizeram seu lendário primeiro concerto Americano no Washington Coliseum em 11 de fevereiro de 1964, portanto, há exatos 54 anos!

O local era uma arena de boxe com plateia por todos os lados, o que forçava a banda a parar o show e mudar a bateria e os amplificadores de lugar para contemplar o público, para que este pudesse ter a chance de ver a banda de frente.

Os microfones falhavam e a potência sonora era bem precária, mas a banda teve uma performance cheia de energia.

O evento foi filmado pela Rede CBS e exibido em circuito fechado de cinemas, mas depois ganharia o mundo!

Considerações: Cláudio Teran

.
FOTOS by Rowland Scherman Photography

The Beatles no Ed Sullivan Show – O Início da Beatlemania!

Num domingo, 09 de fevereiro de 1964, milhões de norte-americanos esperavam na frente de pequenos aparelhos de TV em preto e branco na expectativa de ver o novo fenômeno da Grã-Bretanha. O público para aquele show foi estimado em mais de 70 milhões de pessoas.

The Beatles fizeram sua primeira apresentação no Ed Sullivan Show, e o mundo estava diante do início da BEATLEMANIA!

De acordo com o livro “Diário dos Beatles” de Barry Miles, há uma passagem onde ele fala sobre o começo da Beatlemania e que diz:

“O começo da Beatlemania” ( pág 103)

“No dia 13 de outubro de 1963, os fãs da banda bloquearam a Argyl Street e depois se espalharam pela Great Marlborough Street, interrompendo o tráfego na região do London Palladium. Enquanto isso, dentro do teatro a plateia gritava tanto que John chegou a berrar, “calem a boca”. As manifestações dos fãs inspiraram os jornais do dia seguinte a criarem o termo ” Beatlemania”. A cobertura do evento também foi feita pela ITV, que a exibiu em seu noticiário noturno.”

Mas também há quem considere o início da Beatlemania o dia em que os Beatles desembarcaram no Aeroporto JFK nos Estados Unidos pela primeira vez, em 07 de fevereiro de 1964, já com um número 1 nas paradas de sucesso!”

Mas a data mais provável e marcante talvez seja mesmo a de 09 de fevereiro de 1964, quando há exatos 54 anos, The Beatles fizeram sua primeira apresentação no Ed Sullivan Show, dando início à Beatlemania!

Em fevereiro de 1964, os Beatles começaram a ganhar ímpeto como a mais nova mania da América, e foi a primeira apresentação deles no The Ed Sullivan Show que solidificou a popularidade deles na América do Norte.
Ed Sullivan, o apresentador com “cara de poker” de show de variedades da TV americana, havia visto os Beatles em uma cena de confusão no aeroporto de Heathrow, Londres, em outubro passado.

“Afinal quem são esses tais de Beatles?” ele aparentemente teria perguntado a seus associados.

Ele iria descobrir rapidamente que eles eram o mais novo fascínio da Grã-Bretanha, e ele decidiu levá-los para tocar no seu show.

O Ed Sullivan Show foi gravado nos estúdios da CBS em Nova York. O estúdio tinha uma capacidade para 703 pessoas sentadas. Os escritórios da CBS receberam mais de 50.000 pedidos de bilhetes. Mas apenas uma pequena parte destes foram delegados para os fãs dos Beatles. O Ed Sullivan Show tinha tarifa familiar, e embora Sullivan nunca tivesse se esquivado de atos considerados controversos, tais como Elvis Presley, James Brown e outros astros do rock iminentes, Sullivan ficava sempre claramente mais confortável seguindo o “establishment” do mundo do entretenimento. Na verdade, o seu animal de estimação era um fantoche de rato chamado Topo Gigio, uma paródia meio idiota de estereótipos culturais italianos.

Além do mais, Sullivan sabia que os Beatles eram algo especial, e ele os teria em seu show de uma forma ou de outra, nove vezes.

Em sua primeira aparição no The Ed Sullivan Show, os Beatles tocaram cinco músicas em dois sets. O primeiro incluiu All My Loving , Till There Was You, e She Loves You. Depois, na segunda metade do show, os Beatles tocaram I Saw Her Standing There e I Want To Hold Your Hand.

Cada canção foi bem ensaiada e saiu sem nenhum problema. O público , pelo menos naquela seção que estava reservada para os fãs jovens dos Beatles ficou comportado além do que se poderia esperar, até o sinal dos administradores de palco para gritarem até colocar pra fora o coração. Essa foi uma parte do negócio , ao que parece . Sullivan tinha feito um pacto ou uma “promessa “, como ele chamou, com os “jovens” em seu auditório para frearem um pouco a exaltação até que a música terminasse. Isso era, afinal, a televisão, e não algum clube noturno local. E enquanto os Beatles pudessem ser a atração principal da noite, Sullivan estaria igualmente orgulhoso do fato de que ele estava apresentando o elenco da Broadway de “Oliver ” – com Georgia Brown e Davy Jones, que passou a ser um dos The Monkees – Frank Gorshen (comediante, dando impressões de celebridades ) , Mitzi McCall & Charlie Brill (time de comédia ) , Tessie O’Shea ( cantor, medley de canções ) , Fred Kapps ( mágico ) e Wells & The Four Fays ( acrobatas, fazendo comédia física ).

No início do Show de 09 de fevereiro, Sullivan leu um telegrama de congratulações de Elvis Presley, o rei do movimento do rock nos Estados Unidos . Alguns descrevem isso como uma espécie de “torch-passiong “. O Rei estava longe da morte naquela época, mas seus herdeiros certamente estavam presentes naquela noite no estúdio da CBS. Isso não foi para dizer que não houve detratores. Tendo vivido através do hulla hoop e a louca mania da dança chamada “The Twist” , a maioria dos pais viram os Beatles como simplesmente mais um modismo momentâneo. Até mesmo o diretor musical de Sullivan teria dito em reportagem que “Eu lhes dou um ano.” Mas aquilo era mais do que o início de um breve caso de amor com quatro rapazes de Liverpool. Era o início da Beatlemania, uma mudança de comportamento cultural que duraria e continuaria até os dias de hoje.

Texto original traduzido por Lucinha Zanetti.

klaus Voorman e a última vez que esteve com George Harrison.

Em 29 de novembro de 2017 faz 16 anos que George Harrison fez sua passagem espiritual, e me lembrei de um texto muito triste escrito por Klaus Voorman em seu livro intitulado “Warum spielst du Imagine nicht auf dem weissen Klavier, John?”, onde ele narra a última vez em que esteve com o amigo George Harrison…

“Depois do nosso curto passeio pelo jardim nós nos sentamos por ali juntos durante um longo tempo e ele queria saber como estava indo a minha família. Ele sempre perguntava sobre eles, era importante para ele saber se tudo estava bem de verdade.
“Como está Christina, ela ainda tem aquela organização de ajuda com os Sioux”? George sabia dos problemas dos Índios Americanos nos Estados Unidos. O irmão de Olívia trabalhava como professor com os Navajos e ambos sabiam das condições catastróficas nas reservas dos índios.
“Sim, parece ser algo como um destino na vida dela.”
George assentiu. “Sim, isso acontece com algumas pessoas e depois elas não conseguem mais fazer outra coisa.
Na verdade, cada um de nós tem um papel a desempenhar na terra, mas apenas poucas pessoas sabem disso. A maioria acha que só estamos aqui para ganhar muito dinheiro muito rapidamente e caminhar pelo lado ensolarado da rua. O que Christina faz certamente não é fácil mas é admirável. De onde vem o dinheiro para o projeto?”
Eu sempre ficava encantado ao ver como George ia fundo quando o assunto lhe interessava. Eu contei a ele sobre os problemas momentâneos em obter dinheiro suficiente, e que Christina queria ir às reservas dentro de quatro semanas com uma equipe de especialistas em construir outro prédio para os jovens. Eu disse a ele que os índios cresciam rápido.
George riu. “Você não quer dizer a marca que você fuma, quer?”
Ele sabia exatamente o que eu queria dizer. Nós conversamos sobre o quanto cada um poderia fazer com este material ecológico: roupas, materiais de construção, papel. Quando eu contei a ele a história sobre como o FBI havia ceifado os campos poucos dias antes da colheita no verão anterior, ele não podia acreditar. “Isso é impossível. Eu pensei que as reservas não estivessem ligadas a eles. O DEA e o FBI não deveriam estar roçando em outro lugar?” Coisas desleais, deixavam George louco da vida.
“Sim, e é por isso que ela quer isolar este prédio de jovens do outro, misto. Na Alemanha, perto de Karlsruhe, há uma empresa que faz materiais de acabamento de todo tipo. Eles doariam todo o material, mas falta dinheiro para a organização fazer o transporte.”
“Quanto custa”? perguntou George.
“Nós temos uma oferta de uma empresa de mudança. Por volta de cinco mil dólares. É muito dinheiro, mas tem um valor simbólico para os Índios, mostrar o que seria possível se os campos tivessem sido deixados para eles.”
“Ligue para Christina. Ela deve me passar um fax com a oferta. Eu tenho bons contatos com as empresas inglesas de mudanças. Talvez eu possa ajudá-los e obter uma oferta melhor.”
Liguei imediatamente para Christina e ela, claro, ficou exultante. Qualquer oferta mais barata seria mais do que bem vinda.
Quando cheguei em casa, Christina já me saudou com um largo sorriso na face. O que aconteceu? Christina havia, como conversado, passado o fax da oferta para George. Duas horas mais tarde, seu assistente ligou com a solicitação a ser enviada para o número da conta bancária da organização de Christina, a Lakota Village Fund.
“George quer pagar pelos custos do transporte.”
“Mas ele apenas queria encontrar um serviço mais barato pra nós!” Christina estava sem palavras.
“Não estou sabendo de nada. Ele me disse para enviar o dinheiro para o transporte imediato. Boa sorte, Christina.”

Bem, este era George. E não somente ele, mas este era o jeito que todos os quatro membros dos Beatles costumavam ser. Eles ajudavam e davam suporte a coisas as quais o público nunca, jamais soube a respeito.
Algumas poucas semanas mais tarde, George ligou novamente. Ele estava em Going (região montanhosa localizada na Áustria), mas nesta hora não estava em um Hotel, mas sim na casa de seu amigo Gerhard Berger. Eu havia ficado muito preocupado, por que havido saído muitas reportagens na imprensa sobre sua fraca saúde. Eu sabia que ele estava na Suiça, vendo um especialista, mas ninguém sabia contar-me realmente o que estava havendo com o meu amigo. Sua ligação telefônica me confortou, por que era a mesma velha voz, seguida de seus típicos comentários, secos e cheio de humor. Então eu dirigi de volta para a Áustria, mas desta vez com um estranho sentimento no estômago. O que eu poderia esperar? Em Going (região montanhosa na Áustria) havia um trecho relativamente longo de estrada com montanhas de pequeno porte, até se chegar a uma casa típica no estilo pseudo alpino. Fui levado até a casa por um empregado. Olívia estava trabalhando no computador. Quando ela me viu, foi em minha direção. Ela parecia triste e me pediu para segui-la até lá fora no terraço. Fazia um maravilhoso dia ensolarado, e tínhamos uma bonita vista da montanha chamada “Wilder Kaiser”. Olívia tentou preparar-me para tudo, gentilmente. Esperamos por mais de uma hora por George. Ele entrou na casa, vindo lá de fora, e usava um chapéu na cabeça. Seu rosto e corpo pareciam inchados. Resultado de todas as terapias. Sua risada e olhos brilhantes não deixavam você pensar que havia ali um homem muito doente. Ele sentou-se próximo a mim e eu evitei a pergunta idiota “como vai”. Não era necessário perguntar isso a ele. Ele começou a conversar sobre sua saúde sem nenhum aviso.
“Não é tão ruim assim, Klaus. Estou bem. Os médicos fizeram de tudo e eu vou ficar bom de novo. Acredite-me. Exceto que acho que eu deveria trocar de cabeleireiro.”
Rindo, ele tirou seu chapéu e mostrou a cabeça, que estava coberta com alguns fios de cabelo de diferentes comprimentos.
“Que tipo de câmera é aquela que você tem aí, acho que tenho a mesma. Deixe-me ver.”
Como se não tivesse percebido a minha mudez, George continuou conversando e tomou a câmera digital da minha mão, que eu tinha comprado poucas semanas atrás em Londres. Conversamos sobre ela por instantes e George mostrou-me algumas dicas das coisas que se poderia fazer com ela.
George não era apenas um excelente motorista, ele também era dedicado ao automobilismo. Ele tinha uma porção de amigos no cenário automobilístico, porém ele não suportava Michael Schumacher. Ele sempre reclamava na frente da televisão quando Schumacher competia numa corrida. Neste dia também, enquanto assistíamos a um show ao vivo da Corrida de Fórmula 1 na casa de Gerhard Berger.

“Empurre-o pra fora da pista!” ele gritava cada vez que Schumacher ultrapassava um de seus colegas. Eu sempre me divertia com isso. George, que costumava ser sempre quieto e pacifico, com a Fórmula 1 e principalmente com Schumacher, ele ficava furioso. Nada podia tirá-lo da frente da tela da TV. Ele mal olhou quando eu acidentalmente esbarrei em um grande vaso de flor e inundei a sala do Gerhard Berger.
Quanto mais tempo eu passava com George aquela tarde, mais ele me convencia de que estava ficando cada vez melhor. Ele tinha grandes planos, queria fazer algumas mudanças necessárias na Apple.
“Irrita-me ver que o mundo inteiro quer ganhar dinheiro às nossas custas, e nós não podemos administrar pra obtermos juntos, um conceito decente de propaganda (merchandising).”
Eu sabia o que ele queria dizer. O assunto “merchandising” tem sido um problema desde Brian Epstein. Ele subestimou o assunto naquela época.
Depois de poucas horas, nós dois nos sentimos como se estivéssemos fazendo um agradável passeio. Caminhamos pelos campos levemente montanhoso, mas George só podia caminhar bem devagar. Tínhamos que parar várias vezes. Sua respiração tensa demonstrava que ele estava na verdade muito fraco para isso, mas nós queríamos continuar o passeio. Ou será que ele estava só fingindo ser um homem carregado de energia?
Seu convite foi seu secreto adeus a mim. Ele queria ter algumas horas agradáveis comigo, rir, planejar e dar-me conselhos para o futuro.
“Quando você vai finalmente escrever seu próprio livro? Você vivenciou demais. Qualquer idiota que apenas apertou nossas mãos sente a necessidade de escrever um livro sobre nós. Por que não você, Klaus?”
“Por que qualquer idiota faz isso. Pra mim seria como uma traição. Todos iriam dizer: claro, agora aí vem o Voormann também.”
George olhou pra mim sem acreditar. “Não fale asneiras, Klaus. Você não tem que escrever sobre o tamanho do meu pau. De qualquer forma, o que você acha que devemos fazer? Ou todo o pessoal da Apple: Neil por exemplo. Há pessoas demais ganhando dinheiro usando o mito dos Beatles. É por isso que me incomoda que não possamos organizar nosso conceito de “merchandising”.
George estava respirando como uma locomotiva, e tivemos que nos sentar no chão de novo, de forma que ele pudesse se recuperar. Estávamos ambos deitados na grama olhando para o céu.
“Você sabe, a morte na verdade não é nada especial, nem boa nem má. É apenas um veículo que nos leva ao próximo passo ou nível.”
Ele falava sobre a morte da mesma forma que outros falam de comida ou bebida.
“Já estou aqui tempo suficiente. O que mais eu vou querer. Tenho vivido uma vida privilegiada. Já experimentei de tudo que alguém pudesse experimentar. Se eu for chamado pra ir embora agora, então é a hora certa. Acredite-me, não estou com medo.” E enquanto ele falava sobre isso, nós dois olhávamos as nuvens se movendo e passando por nós no céu azul. O humor era cheio de paz e também um pouco feliz. Caminhamos de volta vagarosamente, e ele me contou sobre sua nova casa adquirida na Suíça e o pequeno estúdio onde ele poderia trabalhar. De volta à casa, nós dois esperávamos ansiosos por uma xícara do “velho e bom Inglês”.
“Venha”, disse ele depois de alguns instantes, “vou lhe mostrar minha mais nova produção de vídeo.” Ele colocou uma fita no gravador de vídeo e sorriu descaradamente.
Era inacreditável. George havia filmado ele próprio. Estrábico, careca e faltando um dente, ele cantou diante da câmera.
“Como é a sensação de ser uma das pessoas mais bonitas.” Nós rimos até chorar. Escutamos as canções de George Formby até tarde da noite, e quando ficamos com fome mais tarde naquela noite, fomos até a cozinha, onde ele preparou sanduíches de queijo e uma xícara de Horlix pra cada um de nós.
Se eu soubesse que esta seria a minha última vez com George, eu não teria ido dormir, e teria ficado acordado a noite toda a seu lado.
Mas George não queria que eu soubesse. Ele deixou que eu dirigisse de volta acreditando que ele estava curado e que havia grandes coisas programadas para nós.
Em outubro, um aviso através da mídia dizia que ele havia sido internado em uma clínica, que os médicos não tinham muitas esperanças e tudo o mais. Eu não queria acreditar nisso e dizia a todos que ligavam que George estava passando bem, uma vez que eu havia estado com ele poucas semanas antes e ele estava em boas condições. Falei sobre todas as suas muitas ideias e que ele queria gravar um novo LP. Hoje eu sei que eu dizia isso mais para mim mesmo. Eu queria evitar, com todas as minhas forças, acreditar que o meu querido amigo estava morrendo.
No começo de novembro tentei chegar até Olívia e enviei a ela um E.mail. Sua resposta confirmou que George estava em uma clínica especial. Ele estava muito fraco, mas eles não desistiram de ter esperança. De repente o telefone começou a tocar sem parar. Editores e jornalistas queriam assegurar entrevistas comigo em caso de George falecer. O que todos acreditavam que estava prestes a acontecer. Eu me senti horrível e não podia compreender tal atitude. Meu pequeno George estava morrendo e eles estavam tentando chegar até as pessoas convenientes para fazerem os seus elogios.
Eu não atendia mais ao telefone e me escondi no porão a tocar piano por horas. Christina teve sucesso, e conseguiu manter todos afastados.
Em 29 de novembro, aconteceu. Um editor da ZDF nos ligou após ter recebido a notícia através de telégrafo. Para mim este foi um dos piores momentos de minha vida. A morte de John me bateu muito forte, mas George? A notícia de sua morte me deixou chocado. Eu não queria falar com nenhum jornalista sobre isso, nem por telefone, nem em nenhum programa de TV. Durante dias eu fui bombardeado com ligações telefônicas, mas eu não podia dizer nada. Somente alguns muito poucos é que respeitaram meus sentimentos e compreenderam.
Alguns não tinham nenhum tato, e machucavam os sentimentos. Não por mim, mas por George. Na metade de dezembro, um pacote chegou da Califórnia. O endereço do remetente era do escritório de Olivia. Era o último presente de Natal e o último cartão de Natal de George e Olivia. Aquele que ele havia organizado antes de sua morte. Mostrava um anjo com uma flor de lótus em suas mãos e as palavras “Love and Peace”.
O primeiro verão após a morte de George, Dhani e Olivia convidaram amigos próximos para uma pequena cerimônia para George. Foi um evento muito emocionante, muito positivo e muito delicado, totalmente sem a imprensa e toda a atenção costumeira. Lá se encontraram a pequena “turma”, que notavelmente acompanharam a vida de George: Eric, Paul, George Martin, sua primeira esposa Pattie, Astrid, irmão Harry, Neil Aspinall e o fiel Joan, que já trabalhava em Friar Park antes de George comprá-la. E novamente a fascinação deste parque foi sentida. O tempo permitiu que o evento acontecesse no jardim. Pequenas velas acesas flutuavam no lago, e no final, Dhani tocou uma parte da fita com os últimos sons de guitarra de George, seu planejado novo LP. Era uma peça instrumental, faltava a voz de George e ele ainda estava lá. Enquanto a típica guitarra de George tocava pela quietude do parque, os visitantes andavam ao redor quase em meditação. Todos estavam dizendo adeus, cada um a sua maneira. Ninguém falava e muitos deixaram suas lágrimas se derramarem livremente. Eu também. Oh! George, sinto tanto a sua falta!”

Do livro de Klaus Voorman, ainda lançado apenas em alemão, cujo título é “Warum spielst du Imagine nicht auf dem weissen Klavier, John?”

“Concentrava-me mais em John e Paul porque eram eles que nos davam os primeiros lugares. Mas a gente deixava George gravar uma faixa ou duas mais por pena dele. Mas hoje eu vejo que ele sempre fez grandes canções. Perdão, George”… (George Martin em depoimento sobre a história dos Beatles)

“O espírito dele estava pronto para partir”… (Frase dita por um amigo de escola de George Harrison).

Renato e Seus Blue Caps faz nostalgia virar realidade durante show em Arapiraca, Alagoas.

A Música tem um poder invisível – daqueles que só se pode sentir. Foi o que se viu logo após a Segunda Guerra Mundial. O mundo estava tomado pelo terror do genocídio de milhares de inocentes, além dos reveses de soldados que lutavam contra um poder totalitário e fascista, coisa que a gente não quer tornar visível nunca mais.

Foi nesse campo de batalha que a geração pós-guerra se viu diante de um vazio existencial tremendo. Surgiram os poetas beats e uma música dançante chamada Rock N’ Roll, ali em meados de 1950.

No fim daquela década, alguns irmãos se juntaram para formar uma banda com sotaque tupiniquim e expressar o que sentiam aquela altura. Eram Renato Barros, Ed Wilson e Paulo César Barros. Os “Bacaninhas do Rock da Piedade”, nome de um bloco de carnaval no bairro da Piedade no Rio de Janeiro, onde cresceram, e logo se tornaram sucesso local após a gravação de seu primeiro long play (LP) “Twist”, em 1962, tocando na rádio e no programa Os Brotos Comandam, de Carlos Imperial.

Mas a influência de outros garotos igualmente sonhadores do outro lado do oceano atlântico, os Beatles, invadiu o gosto musical daqueles jovens brasileiros de tal modo que a banda Renato e Seus Blue Caps não seria mais a mesma. E eles explodiram no país inteiro.

Vários hits deles são versões do quarteto de Liverpool, que dominaram as paradas mundiais com seus hits por muito tempo. A mensagem era clara: diversão, amor e envolvimento verdadeiro em um cenário onde se vislumbrava a paz, depois de uma guerra insensata em escala global.

Renato e Seus Blue Caps botaram mais de 2 mil pessoas para dançar (Foto: Genival Silva)

Esse foi o pavimento para o que veio a se chamar depois de “Verão do Amor”, a partir de 1967, embalado pela psicodelia e o desejo harmônico de uma sociedade igual e vívida.

Jovem Guarda

Na esteira dessas movimentações culturais, o Brasil viu toda uma geração emergir com um som denominado “Jovem Guarda”, ou iê-iê-iê (termo originário da canção She Loves You, dos Beatles).

As bases dos Beatles abriram as porteiras para as canções autorais e elas já estavam na boca do povo – e na sola dos pés. Ninguém ficava parado.

E esse revival se deu neste sábado (28/10/2017) com a apresentação de Renato e Seus Blue Caps em show gratuito no Bosque das Arapiracas, dentro da Semana do Servidor 2017, em Arapiraca, Alagoas.

Quem estava na plateia não conseguia não dançar com músicas como “Não Te Esquecerei”, “Feche os Olhos”, “Menina Linda”, “Até o Fim”, “Tudo o Que Eu Sonhei” e até surpresas como “Corcovado”, de Tom Jobim”, e “Smile”, do gênio Charlie Chaplin.

“Estamos levando a cultura musical para o nosso país, coisa que estamos precisando bastante ultimamente. Nossas músicas não carregam apenas nostalgia, mas, sim, a identidade de toda a nossa geração sonhadora. Obrigado, Arapiraca, por essa receptividade calorosa e, ao mesmo tempo, parabéns pelos seus 93 anos de liberdade”, diz o cantor e guitarrista Renato Barros, no alto de seus 74 anos de idade e ainda na linha de frente da banda.

O momento foi também para prestar um tributo ao comunicador Jarbas Lúcio (Foto: Genival Silva)

Direto de Fortaleza, quem estava curtindo por lá era o engenheiro mecânico José Ailton Leão Barbosa, de 62 anos. Ele nasceu em Arapiraca e foi embora para o Ceará em 1975, mas firmou amizades em Arapiraca. “Está sendo um momento bem bacana porque estou revendo vários amigos de infância e ainda aproveitando para reviver aqueles dias com essas músicas. Esse ambiente é muito bom e saudável”, conta.

E quem cantava todas as músicas era a servidora pública e administradora Mary Selma Brito, que atua na assistência de contabilidade da Secretaria Municipal de Finanças. “Não tem tempo ruim com essas canções! O prefeito Rogério está de parabéns por ter trazido o Renato, valorizando ainda mais o nosso trabalho como servidores do povo. Isso é um estímulo e tanto”, pontua ela, que trabalha na Prefeitura há cinco anos.

Na oportunidade, diversos artistas da terra se apresentaram no show de abertura, homenageando os servidores públicos de Arapiraca, com a banda Dija e Pé de Balcão dando todo o apoio instrumental aos cantores Beto Borges, Ginaldo, dr. Walberto, Jorginho, César Soares, Gorete, Adailton Reis, Olga Soares, Os Diamantes e Maurício Fernandes.

O momento também foi de tributo a um dos maiores comunicadores do Brasil, o eterno Jarbas Lúcio. Sua família recebeu uma placa, reverenciando seu trabalho, das próprias mãos do prefeito Rogério Teófilo.

De lá, ele desceu e ficou no meio do povo, curtindo os shows como todo bom jovem da Jovem Guarda. Dentro da megaestrutura montada – parte dela permanecerá para os festejos de Emancipação Política nesta segunda-feira (30) –, segundo a organização, havia mais de 2 mil pessoas dançando, cantando e sonhando junto mais uma vez.


.

Por Prefeitura de Arapiraca