George Freedman, um dos precursores do Rock no Brasil!

Hoje vou falar sobre um cantor alemão que naturalizou-se brasileiro para fazer carreira no Brasil, tornando-se um dos precursores do rock, e também um ícone da Jovem Guarda!

Seu nome artístico é George Freedman e foi um dos precursores do Rock na terra do Samba e da Bossa Nova, pois já na década de 50, quando iniciou sua carreira, cantava as versões que ele mesmo compunha, de sucessos vindos dos Estados Unidos e Europa.

George começou sua carreira nos anos 50 inspirado em Elvis Presley e em 1959 gravou seu primeiro disco contendo um rock balada de sua autoria, chamado “Leninha”, e de Steve Rowlands, em versão de Fred Jorge, o Rock calipso “Hey, little Baby”.

Aparecia constantemente na TV Tupi de São Paulo e em 1960 fez grande sucesso com a canção “Olhos Cor do Céu”, versão de “Pretty Blue Eyes”:

Inspirado em Elvis Presley também gravou um cover de grande sucesso, que foi “Good Luck Charm”…

.

Nesta época George Freedman era estudante do Curso de Química Industrial no Liceu Eduardo Prado em São Paulo, e além de “Olhos Cor do céu”, teve outros grandes sucessos como “Volta”, “Quando Me Enamoro”, “Adivinhão”, “Um Beijinho Só”, “Eu te amo, tu me Amas”, entre outros.

Nos anos 60 participava de todos os principais programas de rádio e televisão, inclusive tinha presença semanal no programa humorístico da TV Record, “A Família Trapo”, no papel de “Felipe Camarão”.

Não há registros em video de sua participação na Familia Trapo, devido ao incêndio que ocorreu na TV Record, onde a maioria das fitas de programas como o Jovem Guarda se perderam. Porém temos o importante depoimento de Ricardo Côrte Real, filho de Renato Côrte Real, que também fazia parte da Família:

Ricardo Côrte Real publicou no seu postado em seu Mural.
“Oi Lucy, você escreveu sobre a participação do George Freedman na Família Trapo e que eu poderia confirmar o que você dizia, mas seu post foi retirado. De qualquer forma, posso confirmar que êle participou algumas vezes como namorado da Verinha (Cidinha Campos). Abs “

Quando a Jovem Guarda surgiu em 1965, George Freedman já era famoso, e tornou-se também um dos cantores mais populares dos anos 60. Conviveu com personalidades artísticas nacionais e internacionais, e um dos seus melhores amigos foi Eduardo Araújo, companheiro de vários momentos em sua vida.

Nesta foto podemos ver George com o cantor Chubby Checker

Seu grande sucesso veio em 1967 com o lançamento de “Coisinha Estúpida”, que ficou quase um ano nas paradas de sucesso, o que lhe rendeu o troféu “Chico Viola”, além de vários outros.

Atualmente George Freedman está escrevendo um livro de memórias, e continua compondo suas canções, cujo tema, em sua maioria, tem inspiração no amor.

Incentivado pelos amigos, George promete voltar a gravar suas canções, para o deleite de nós, os seus eternos fãs!

George pode ser encontrado em sua página do Facebook, onde sempre com muita simpatia, responde a perguntas e está sempre distribuindo gentilezas a todos que o cercam.

George Freedman em foto recente

“Good Luck”, Charming Man! 😉

Anúncios

The Beatles em forma de Poesia


Os Beatles deram voz inimitável à poesia de uma era.
Os Beatles sempre foram eles mesmos, ninguém mais, ainda que tenham sido e continuem sendo todos nós.
Os Beatles se foram mas cada um trilhou seu caminho em carreira solo, e ainda agora, nestes versos que seguem, os Beatles permanecem juntos para sempre.

(The poetry of an era was given inimitable voice by the Beatles. The Beatles were themselves and no one else, yet the Beatles were – and remain – us all. The Beatles are gone now, taking their separate paths.
Yet in these lyrics the Beatles remain together forever.)

John é o nosso lado rebelde, contestador, iconoclasta, revolucionário;

Paul é o nosso lado romântico, sonhador, doce;

George é a nossa porção espiritualista, transcendental;

Ringo é o nosso lado debochado, auto-piedoso e absolutamente sem vergonha do nonsense; é o eterno conciliador.


“Lots of people who complained about us
receiving the MBE received theirs for
heroism in the war – for killing people.
We received ours for entertaining other people.
I´d say we deserve ours more. Wouldn´t you?” JOHN

“There´s a lot of random in our songs…
Writing, thinking, letting others think
of bits – then bang, you have the
Jigsaw puzzle”. PAUL


“I began to write more songs when I had more time,
especially when we began to stop touring.
Having indian things so much in my head,
it was bound to come out.” GEORGE

“I´ve never really done anything to create
what has happened. It creates itself. I´m
here because it happened. But I didn´t do
anything to make it happen apart from saying YES”. RINGO

Ouçam alguns takes, isso é Beatles!

I`ve Just Seen A Face

Get Back – George Harrison

Mother Nature`s Son

I Wanna Be Your Man

O dia em que a platéia pediu a Paul McCartney que tocasse “Satisfaction”!

Desde 1963 que Paul não se apresentava ao vivo no The Cavern, até fazer um concerto lá em 1999.

Na platéia havia 300 pessoas e como o show foi transmitido pela TV, cerca de 3,5 milhões de fãs puderam acompanhá-lo em todo o mundo.

Durante o concerto, um fato interessante ocorreu, que foi quando alguém da platéia pediu a Paul que tocasse “Satisfaction” (dos Rolling Stones).

Diálogo entre Paul e a platéia:

_ Satisfaction! (o povo ri, vaiando ao mesmo tempo).
Paul: _ “What`s that? Is there a little wacko in the crowd, huh?”
E o povo delira: “Yeah!!!”
Paul: “Read my lips: fuck off!”

Este momento do show podemos assistir no início deste video:

O Show completo em 5 partes

Paul McCartney – Live at the Cavern – Part 1/5 (HQ)

Paul McCartney – Live at the Cavern – Part 2/5 (HQ)

Paul McCartney – Live at the Cavern – Part 3/5 (HQ)

(Paul fala do dia em que conheceu John)

Paul McCartney – Live at the Cavern – Part 4/5 (HQ)

Paul McCartney – Live at the Cavern – Part 5/5 (HQ)

Há 46 anos os Beatles lançavam o compacto Paperback Writer / Rain

Em 23 de maio de 1966 o compacto Paperback Writer / Rain era lançado, alcançando o primeiro lugar nas paradas de sucesso.

Video promocional exibido no Ed Sullivan Show

.

Estas duas músicas mostram claramente que o som dos Beatles estava mudando, e talvez tenha sido uma introdução para o álbum Sgt. Pepper, que seria lançado um ano depois.

O psicodelismo entrava no som dos Beatles com temas mais profundos e guitarra mais forte.

Paperback Writer foi a única música deste compacto que os Beatles cantavam ao vivo.

Rain ficou de fora, mas bem que poderia ter sido incluída por ser uma música mais fácil de ser tocada ao vivo, concordam?

Nas apresentações ao vivo, em 1966, os Beatles davam a alma para cantar suas canções, e interpretações como em Paperback Writer e Nowhere Man foram espetaculares!

We Love the Beatles Forever!

De como George Harrison entrou para a banda The Beatles.

Em 06 de fevereiro de 1958, Paul McCartney levou para a banda um outro guitarrista, um jovem amigo de colégio chamado George Harrison, que também era louco por Rock´ n`roll.

Do livro de Mark Lehvinson, "The Complete Beatles Chronicles"

Do livro de Mark Lehvinson, “The Complete Beatles Chronicles”

George mostrava progressos consideráveis como músico e podia tocar perfeitamente vários hits instrumentais do momento. Sem perda de tempo, ele foi aceito como membro do grupo.

“A primeira vez que eu vi os Quarrymen foi quando eles tocaram no Wilson Hall em Garston. Paul estava tocando com eles e me disse que eu devia aparecer para vê-los e, pelo fato de conhecer Paul, fui apresentado a John.
John disse que se eu pudesse tocar como o outro guitarrista, Eddie Clayton, poderia me juntar ao grupo. Toquei Raunchy para eles, e John disse que eu estava aprovado. Eu estava sempre tocando Raunchy para eles.” (George Harrison)

E com esta canção, foi que George juntou-se aos Beatles!

Em 1958 George Harrison tocou a canção para John Lennon e Paul McCartney no andar de cima de um ônibus, e tocou de forma tão perfeita que Lennon decidiu deixá-lo entrar para a banda, ainda a chamada The Quarrymen, que mais tarde se tornaria The Beatles, apesar das reservas que ele havia demonstrado ter devido à idade de Harrison.

Embora Harrison tenha sido considerado muito jovem para se juntar ao grupo, ele ocupou seu lugar na banda quando o guitarrista do Quarrymen, Eric Griffiths, não estava mais disponível. Eventualmente ele foi aceito efetivamente como um membro, apesar das reservas do fundador e líder do Quarrymen, John Lennon, que disse:

“Paul me apresentou a George e eu tive que tomar uma decisão se deixava George entrar ou não. Eu ouvi George tocar e disse: “toque Raunchy” (um sucesso de 1958 do saxofonista Bill Justis). Depois eu disse: “Certo, você pode entrar.
Não pude deixar de me incomodar com ele no inicio, quando ele começou. George costumava me seguir, como uma criança chata, me chamando todo o tempo. Ele era uma criança que tocava guitarra e era amigo do Paul, o que tornava as coisas mais fáceis. Demorei anos pra chegar até ele, e começar a considerá-lo de igual para igual.” (John Lennon)

A primeira viagem da banda terminou com a deportação de Harrison por ele estar trabalhando sendo ainda menor de idade. Quando eles retornaram, em março de 1961, os Beatles tinham se tornado músicos mais seguros e assumidos, e em junho veio o primeiro single, My Bonnie, como banda de apoio para Tony Sheridan. Por este single eles receberam 300 marcos sem nenhum “royalties”.

Na primeira sessão de gravação na EMI, o produtor George Martin tentou acalmar os nervos da banda dizendo: “Deixe-me ver se há alguma coisa que vocês não gostam”. “Bem, pra começar, “respondeu Harrison”, “Eu não gosto de sua gravata”. Isto deu origem a uma série de brincadeiras no estúdio, as quais encantaram o pessoal que trabalhava no estúdio da EMI.

Anos mais tarde, enquanto trabalhavam no projeto “The Beatles Anthology”, em 1994, os três Beatles sobreviventes, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, tocaram a canção Raunchy durante uma jam session.

Muito se fala no relacionamento entre John Lennon e Paul McCartney, mas raramente se vê paralelos entre John Lennon e George Harrison.
O documentário a seguir faz um paralelo entre eles, tanto do ponto de vista de suas personalidades, quanto da importância de cada um para a banda The Beatles.

Lennon & Harrison, legendado

Fonte: The Beatles Bible

The Beatles: Dito e Não Dito, de Arthur Davis

“I Want To Hold Your Hand”, uma Beatle canção que mudou o mundo!


Lançada pelos Beatles em 1963, é um dos maiores sucessos da dupla Lennon & McCartney, podendo ser considerada o marco inicial da Beatlemania nos Estados Unidos, pois foi a primeira música deles a fazer sucesso lá, alcançando a primeira posição na Billboard no dia 1º de fevereiro de 1964, como a música mais tocada nas rádios, por sete semanas ; Nos EUA também esteve entre as cem mais tocadas durante quinze semanas.
No Reino Unido o single havia alcançado o primeiro lugar nas paradas no dia 12 de dezembro de 1963, permanecendo no topo por cinco semanas.

I Want to Hold Your Hand – 1963 – Clipe com audio editado em “Back track”)

Em sua primeira visita à América, os Beatles a tocaram na antológica apresentação no programa Ed Sullivan Show, quebrando recordes de audiência.

Com uma harmonia simples, a música fala sobre uma declaração de amor.
Foi gravada em 17 de outubro de 1963 nos estúdios Abbey Road, em Londres.

Por ocasião do aniversário de 25 anos de seu lançamento, foi exibido um documentário com depoimentos de fãs e amigos dos Beatles, cujo título é: “Songs that Changed the World – I Want to Hold Your Hand”, mostrando o impacto que esta canção causou, através de entrevistas e depoimentos como os de Peter Asher, Mike Love, Peter Noone, Joe Perry, Tom Petty, Carl Perkins, entre muitos outros.

É muito interessante e causa emoção aos fãs dos Beatles! Comprovem, assistindo ao vídeo abaixo:

Ringo diz que perdeu suas fotos com os Beatles!

Ringo Starr disse à revista “Rolling Stone” que perdeu as fotos que tirou na época em que tocava com os Beatles.

Os Beatles durante a filmagem de “Help!”

“Não sei onde elas estão”, disse ele. “Queria saber. Houve várias mudanças e coisas acontecem.”

Segundo Ringo, ainda há esperança de encontrar as fotografias. Há aproximadamente dez anos, achou uma caixa com cartões-postais que havia recebido de George Harrison, John Lennon e Paul McCartney, seus companheiros na banda mais famosa do mundo.

“Achei uma caixa em uma prateleira e pensei: ‘O que é isso?’

Estava cheia de cartões. Na época, estava mudando de casa de novo, e a secretária que trabalhava comigo decidiu colocar todos os cartões em envelopes e guardá-los em uma caixa de sapatos”, contou.

“Foi assim que descobri que ainda os tinha. Então você nunca sabe. Um dia eu posso achar uma outra caixa com todas as minhas fotos.”

Ringo iniciou polêmica junto aos Beatlemaníacos, quando há alguns anos publicou um video onde pedia aos seus fãs que não lhe enviasse mais cartas, pois ele não iria mais distribuir autógrafos!

Peace and Love, Ringo! 😀