Os números deste Blog em 2012

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

4,329 films were submitted to the 2012 Cannes Film Festival. This blog had 17.000 views in 2012. If each view were a film, this blog would power 4 Film Festivals

Clique aqui para ver o relatório completo

Anúncios

O casamento do ano (1962)

“Em julho de 1962, Antonio Aguillar, que cuidava do conjunto The Jordans, resolve criar outro grupo de rock que leva o nome de Clevers (escolhido pelo próprio, consultando um dicionário inglês-português…). Eram eles: Waldemar Mozena (Risonho) na guitarra de solo, Domingos Orlando (Mingo) na base e voz, Demerval Rodrigues (Neno) no baixo, Antonio Rosa Sanchez (Manito) sax e Luiz Franco Thomaz (Netinho) na bateria.
Antonio Aguillar se casa em agosto e George Freedman, que lançava seu 1º LP, o “Multiplication”, era o padrinho.
Na festa de casamento, os Clevers se apresentam e mostram para os convidados “El Relicário”, um tradicional espanhol em ritmo de twist com o frenético sax de Manito.

O sucesso foi imediato e os Clevers já entraram na Continental gravando um LP. Nessa época, Aguillar vai para a TV Excelsior, canal 9 de SP e começa lá produzindo o “Show do Meio Dia” com a turma do Rock, com apresentação do Nairson Menezes. Logo recebe o horário de domingo, das 18 às 19 horas, onde passa a apresentar o “Festival da Juventude”, com a presença de um público delirante e muita audiência.”

Do livro de Albert Pavão, “Rock Brasileiro 1955-65 trajetória, personagens e discografia” – Pág. 66

Foto do acervo de Messias da Silva

Foto do acervo de Messias da Silva

Aconteceu com George Freedman!

Nos anos 60, as Revistas “InTerValo” e “Melodias” costumavam trazer notícias dos artistas, cantores e músicos, e foi o que aconteceu quando o cantor George Freedman sumiu de circulação…

Eu... George Freedman

Esta foto publicada recentemente por Messias da Silva, mostra uma reportagem sobre o que aconteceu com George Freedman quando este viajou com Nerino Silva para uma turnê no Norte do Brasil!

George Freedman com o sambista Nerino Silva 1968

George Freedman e Nerino Silva
Foto enviada por Luis Avelima

“Eu… George Freedman”

George Freedman, o cantor que se tornou popular com a gravação de “Coisinha Estúpida”, música que ocupou durante muito tempo lugar nas paradas de sucesso, fez o público sentir sua falta nos últimos 8 meses. Seus admiradores, desconhecendo a causa desta ausência tão longa, admitiram diversas hipóteses, inclusive a de um desastre, prisão e até mesmo de morte.
Mas agora George Freedman voltou; voltou para São Paulo e para os fãs e, é ele mesmo quem conta a triste aventura pela qual passou lá no Norte, para onde programara com Nerino Silva uma excursão.

George e Nerino Silva - Cópia

“Nós estamos confiantes com o sucesso da “tournèe”, pois pudemos constatar isto pelo carinho com que fomos recebidos pelo povo do Norte nas principais cidades em que estivemos, que foram Piauí e Terezina. Destas, seguimos para o interior, passando por Floriano até Codó. Foi aí que o drama começou: um mal-estar seguido por um desmaio era o princípio da tragédia que iria acabar com todos os planos da nossa viagem. Mas isto só fui saber em Maranhão, para onde partimos logo depois de termos passado alguns dias em Belém. Como a doença tornava-se cada vez mais progressiva, concordei em ser examinado pelo Dr. Murilo Sarney, irmão do Governador do Estado, Sr. José Sarney, pessoa que aprendi a respeitar e admirar nos 7 meses que lá fiquei. O diagnóstico do médico não demorou muito: a malária havia me atacado. E foi só por esta razão que eu fiquei tanto tempo afastado do público. Quanta à falta de notícias atribuo à minha incógnita lá no Hospital do Governo, em Maranhão.”

O rapaz bonitão de quase 2 metros de altura, que pesava 80 quilos, voltou para São Paulo com apenas 68 quilos, e ainda com os restos de sua doença. Mas isto não impediu que ele continuasse lutando pela carreira: um compacto simples da RCA mostra suas últimas gravações:

“Correio Sentimental”, “Eu Menti pra Você”, “Tenho Medo de te Perder”, além de uma versão.

George Freedman que já participou de diversos programas de TV, como “Família Trapo”, “São Paulo Meu Amor”, “Moacyr Franco Show”, tem agora como parceiro Puska, que o auxiliará nas versões que ele pretende fazer.
Vanusa e Paulo Henrique concordam em gravá-las. Quanto ao Norte, Freedman pretende voltar muito em breve para agradecer uma vez mais o carinho com que o trataram.

Texto: Berto Stark
Fotos: Moacir dos Santos

E a Revista noticiou…

George Freedman ressuscitou

Ronnie Wood conversa com Sir Paul McCartney e falam dos óculos de John Lennon.

Ronnie Wood pergunta a Sir Paul McCartney sobre John Lennon, sua miopia e o uso de óculos (John não costumava usar óculos nas apresentações dos Beatles ao vivo), e McCartney não hesita em contar uma situação hilária que aconteceu com eles.

Paul fala que naquela época John Lennon usava aqueles óculos dele (de tartaruga, redondos) mas que sempre que chegava uma menina bonita ele tirava os óculos pra parecer galã (mais bonito), mas aí ele não enxergava nada.

Ronnie Wood e Sir Paul

Uma noite, era época de Natal e eles saíram juntos. Quando voltavam da noitada, avistaram numa esquina um casal jogando cartas, e já era tarde, onze horas da noite. No dia seguinte John comentou com ele que estava abismado com aquilo, e que ele não podia acreditar que aquele casal estivesse lá ainda jogando cartas até aquela hora!

Paul então conta a Ronnie que passou lá em frente da casa e o que havia na verdade era um presépio, com Maria e José olhando para o Menino Jesus…

(Risos de Ronnie e Paul)

A piada era que o John ficava completamente cego sem os óculos e que confundiu as estátuas com pessoas de verdade, pensando que estavam jogando cartas…

Fonte: The Ronnie Wood Show

Antonio Aguillar entrevista Ed Carlos, ídolo do Movimento Jovem Guarda!

“Esta é uma entrevista feita com Ed Carlos, afilhado artístico de Roberto Carlos. Trata-se de um momento histórico, porque Ed Carlos não tem mais sua fala assim. Ele passou por depressões e pegou uma doença do pai, que tinha dificuldade para pronunciar as palavras. Quando Ed Carlos está bem, ele vai ao seu Restaurante ED CARNES, que foi inaugurado pelo seu padrinho artístico; quando entra em crise, fica em casa na solidão. Já tentou suicídio com uma tesoura (graças a Deus, seus familiares acudiram a tempo). Enfim, é um drama a vida desse rapaz. O Roberto o adora e sempre que pode ajuda também. Vânia, esposa de Ed Carlos, e seus três filhos o ajudam a tocar o restaurante.
Contando mais um pouquinho desse rapaz, quando o conheci ele tinha apenas 14 anos e sua mãe insistia para que eu o ajudasse na vida artística, sempre dizendo que acreditava no talento do filho. Eu pedi a ela que me desse uma declaração, que eu pudesse ter a liberdade de trazê-lo para São Paulo (ele morava em Sto André) colocá-lo num apartamento e levá-lo sempre que podia aos meus programas de radio e de televisão. Nesse meio tempo, ele conheceu o Roberto Carlos quando fazia uma visita ao meu programa de rádio. A história ele conta nesta gravação…” (por Antonio Aguillar)

Antonio Aguillar durante um programa na Rádio Capital

Antonio Aguillar durante um programa na Rádio Capital

Nesta entrevista, Ed Carlos diz:

– Que é feliz por ter participado do movimento da Jovem Guarda
– Que é feliz por ter tido bons amigos como Antonio Aguillar
– Que a Jovem Guarda marcou muito sua vida
– Que foi apresentado na Rádio Nacional por Antonio Aguillar
– Que seu primeiro grande sucesso foi “Estou Feliz”, em 1967
– Surgiu a Mini Guarda pela TV Bandeirantes, e lá foram revelados cantores como Fábio Jr., Pepeu Gomes, Baby Consuelo
– Ed Carlos fala de sua amizade com Roberto Carlos, que inaugurou seu restaurante Ed Carnes
– Roberto Carlos/Erasmo fizeram 3 músicas para Ed Carlos gravar
– RC se emociona com a música composta em sua homenagem
– Enfim, Ed Carlos conta que viu de perto tudo que aconteceu no movimento chamado Jovem Guarda, uma verdadeira família.
– O apelido “Biquinho”, dado por Lady Laura

Canta, Ed Carlos!

Mingo, que pertencia ao conjunto The Clevers/Os Incríveis, fazia um programa ao vivo chamado Country Pira, e nele certa vez recebeu Ed Carlos…

Eduardo Araújo faz revelações a Antonio Aguillar!

Numa conversa com Aguillar sobre os primórdios do Rock no Brasil, Eduardo Araújo, hoje voltado mais para a música “country”, diz: “Colocar o primeiro tijolo na construção do Rock and Roll é você aqui em São Paulo e Carlos Imperial no Rio de Janeiro”.

Eduardo Araujo 3

Eduardo Araújo revela a Antonio Aguillar que antes de tudo acontecer, seu ídolo era Little Richard!
Ouçam o próprio Eduardo dizendo quais as músicas que ele mais gostava antes de tudo acontecer!

Manito conversa com Antonio Aguillar e toca “Oceano”: uma raridade!

Em 09 de setembro de 2011 perdemos o Manito, do grupo “Os Incríveis’. Ele lutava contra um câncer na laringe desde 2006 e morreu dormindo em sua casa numa sexta-feira, em São Paulo.
O Saxofonista Antonio Rosas Sanches, o Manito, tinha apenas 68 anos e era considerado um dos músicos mais virtuosos do “iê-iê-iê”. Era chamado de o “homem dos mil instrumentos”, pois tocava, além do saxofone, também guitarra, baixo, bateria, diversos instrumentos de sopro, teclados, enfim, era um multi-instrumentista!
Ele começou tocando bateria, depois aprendeu acordeom, violino, trompete,clarinete, sax alto, sax tenor, flauta, teclados, enfim, e tocava tudo com perfeição!
Foi um dos mais importantes músicos da Jovem Guarda, e nós podemos matar a saudade dele, ouvindo a conversa que foi ao ar em um dos programas de Aguillar pela Rádio Capital…

Ouçam Manito no Sax, em “Oceano”, que está no CD gravado pela RGE.

manito1

“O Manito esteve no meu programa acredito que em julho de 2010 e realmente essa entrevista é uma raridade. Ele recebeu uma homenagem prestada por mim, na Casa de Portugal, em 14 de maio de 2011, vindo a falecer 4 dias após a homenagem. Na noite ele foi a casa de portugal em cadeira de rodas e todo entubado porque havia passado por uma cirurgia muito grave (câncer nas cordas vocais). O Antonio Rosas Sanches MANITO nos anexos”.
(Antonio Aguillar)

1o. LP The Clevers

Aguillar e Manito

Aguillar e The Cleves 1a. formação

Manito e Aguillar

Manito no show do Aguillar