PASSAGEM DA BANDA RENATO E SEUS BLUE CAPS PELA RÁDIO CLUBE DE MARÍLIA (SP), P.R.I.-2.

O ano de 1965 foi um marco para a carreira da banda Renato e Seus Blue Caps. O sucesso inesperado aumentava cada vez mais e já no final do ano, com a passagem da banda por São Paulo, ocasião em que se apresentavam no programa Jovem Guarda, da TV Record, Renato e Seus Blue Caps conquistou definitivamente seu espaço no cenário da música jovem.

Nesta ocasião, um fato ocorreu, o qual vale relatarmos aqui, que foi quando a banda recebeu convite para tocar na cidade de Marília, interior de São Paulo.
Um dos locutores de destaque na cidade de Marília foi José Marques Beato, que começou profissionalmente no rádio em 02 de abril de 1960 através dos microfones da Rádio Clube de Marília, a P.R.I.-2.

Ao longo dos anos, esse locutor de grande importância para o rádio Mariliense, comandou programas de diversos gêneros, chegando a apresentar cinco programas de auditório por semana.

E foi José Beato quem em 1965 contratou o conjunto Renato e Seus Blue Caps para tocar na cidade, e o acontecimento mereceu grande destaque nos jornais da época!
A passagem do conjunto musical “Renato e seus Blue Caps” pela cidade foi marcada por imprevistos e José Beato estava envolvido.

Houve uma promoção muito grande em cima da ida dos rapazes que iriam realizar um show na cidade. O grupo estava no auge do sucesso com o LP “Viva a Juventude” (1964 – CBS) e tinha acabado de lançar também o disco Isto é Renato e Seus Blue Caps (1965 – CBS).

Os ouvintes, eufóricos, foram “convocados” pela P.R.I.-2 a aguardar a chegada do grupo na estação da Ferrovia Paulista, às 16 horas. No entanto, Renato e Seus Blue Caps chegaram em Marília em uma perua Kombi, às 9 horas da manhã.
Mais que depressa, José Marques Beato explicou à banda que a expectativa dos ouvintes girava em torno da chegada deles no período da tarde, na ferrovia, ou seja, na Estação de Trem.

Assim, o grupo que ficou aguardando em um hotel da cidade, sem poder sair até às 15 horas, foi levado por Beato até a cidade de Vera Cruz, de onde embarcaram no trem com destino a Marília, chegando às 16 horas na cidade, como era esperado pelos milhares de ouvintes da P.R.I.-2.

E é o próprio Renato Barros quem recorda este fato:

“A primeira vez que estivemos em uma cidade do interior de São Paulo foi nos anos 60, na cidade de Marília. Nosso contratante era da Rádio Clube de Marília, seu nome era José Beato, que faleceu não faz muito tempo.
A gente foi a Marília quando nosso disco “Viva a Juventude” estava no auge. Este contratante era muito ligado aos Beatles, e naquela época se copiava muito as coisas que eles faziam, então ele combinou que quando a gente estivesse chegando, deveríamos saltar do carro em uma cidade vizinha a Marília e entrássemos em um trem, inclusive era um daqueles trens antigos, vagões de madeira, puxados por uma máquina; a gente não entendeu bem o porquê disso, mas fizemos o combinado: saltamos do carro (era uma Kombi) na cidade de Vera Cruz e entramos no trem em direção a Marília.
Só que quando nós chegamos à estação de trem de Marília, havia uma multidão impressionante aguardando a gente.
Quando o trem parou, vimos uma banda de música formada por crianças e adolescentes. Esta banda começou a tocar as nossas músicas, com arranjo pra banda de música, foi muito bonito.
Quando a gente saltou do trem, ficamos assim… meio assustados, eu morri de vergonha, sou muito tímido para essas coisas, aquela banda, aquele carinho todo… e foi um corre, corre danado, a polícia teve que intervir, e no final da historia, quando terminou a recepção, os instrumentos dos meninos ficaram todos pisoteados, viraram até o carro de polícia, que ficou com os pneus pra cima, foi uma coisa de louco.
Quando chegou a noite fomos fazer o Show no auditório da Rádio Clube de Marília, que estava muito lotado e como ficou uma porção de gente do lado de fora, veio a ideia de uma segunda sessão, mas não tinha como ser feito, não me lembro o motivo, e como muita gente havia ficado de fora do Show que fizemos, o José Beato perguntou se a gente topava fazer outro show mas lá no terraço da Rádio. A rua estava inundada de gente em frente ao prédio da Rádio, nós achamos muito bacana e dissemos que sim, vamos sim fazer o show no terraço.
E fomos lá para o terraço da Rádio e fizemos o Show lá em cima, me lembro que o prédio tinha uns 4 andares apenas, e nós fizemos este Show no terraço. Até alguns anos atrás eu tinha algumas fotos deste acontecimento, mas tudo se perdeu no tempo…”. (Renato Barros)

Paulo César Barros em entrevista também recordou:

“Fomos de trem a Marília. Quando estávamos chegando vimos uma grande movimentação de pessoas na estação. Não entendemos e achamos que estaria chegando alguma “grande autoridade” e quando fomos ver, toda aquela gente era pra nos recepcionar. Foi muito emocionante”.

A TV “Marília Agora”, através de Fábio Conti, fez este pedido, vejam:

.

.

Foto ilustrativa da Rádio Clube de Marília, onde podemos ver o terraço onde aconteceu o Show de Renato e Seus Blue Caps em 1965.

E não é que os Beatles copiaram Renato e Seus Blue Caps até no show do terraço (Roof Top)? 😉 🙂

Porque Renato e Seus Blue Caps são Considerados os Beatles Brasileiros!

Renato e Seus Blue Caps fez muitas versões de músicas dos Beatles, colocando uma letra que não era nem de longe a tradução ao pé da letra dos originais, assim como fez também muitas homenagens a eles, introduzindo solos e levadas em músicas autorais, como por exemplo em “Porque Eu Te Amo”, de autoria de Paulo Cezar Barros (melodia) e Leno (letra), cuja introdução foi inspirada na música “Michelle”, de Lennon & McCartney e “Perdi Você”, de autoria de Renato Barros, sobre a qual já falamos aqui.

PORQUE EU TE AMO (1968)

Sobre “Perdi Você”, Renato Barros disse:

“Eu me inspirei naquela música dos Beatles, Penny Lane, tem até um solo de trompete no meio e a levada é a mesma. Nesta gravação de 1969 fiz a voz solo dobrada; as duas vozes do backing é a do Cid e mais outro, que deveria ser o Paulo Cezar Barros, mas não posso afirmar com certeza por que é possível que ele tivesse já deixado o grupo pra fazer carreira solo. Caso seja isso, a outra voz deve ser a minha também. Complicado, né? Mas eu canto duas vezes e dobra, só que na segunda vez eu tenho que cantar exatamente igual a primeira.” Renato Barros

Em “Júlia”, por exemplo, há influência de “Do You Want to Know a Secret”.

“Não Me Diga Adeus” e “Batom Vermelho” resgatam o arranjo de “Feche os Olhos”, influência indireta de “All My Loving”.

“Preciso Ser Feliz”, lembra “Menina Linda”, então tem influência de “I Should Have Known Better”.

A música “Como há dez anos atrás” é uma composição típica de Renato Barros com alguns elementos dos Beatles, portanto, é mais uma homenagem aos Fab Four e aos fãs que viveram aquela época da Beatlemania.
E é o próprio Renato Barros quem explica:

“A música ‘Como há dez anos atrás’ eu fiz inspirado na canção dos Beatles chamada ‘What You’re Doing’. Eu queria fazer uma música que lembrasse os Beatles e nem sei exatamente por que, me baseei nessa música.
E quando chega na parte que diz:
‘Dizem que recordar é viver
E eu vou recordando mais e mais
Se eu pudesse, então, voltar no tempo
Voltaria há dez anos atrás’.
O solo rápido neste trecho da música é um pedaço da música ‘Something’.
Portanto, a introdução, a levada e este solo em ‘Como há dez anos atrás’ foi tudo baseado nos Beatles.” (Por Renato Barros em 08/09/2018)
.

.
Vejam também no Youtube:


.

“Levada é o ritmo da música, e em Perdi Você a levada é toda em cima da música Penny Lane, guardada as devidas proporções, claro. Nessa música dá pra se identificar bem por que eu coloquei um Trompete e em Penny Lane há um solo similar a um Trompete.
Eu fazia tudo isso com outra música completamente diferente, e como exemplo citei Perdi Você, que não tem nada a ver com Penny Lane, musicalmente falando.
Eu tentava, procurava usar coisas que os Beatles faziam e colocava numa música completamente diferente, arranjava um lugarzinho pra botar… como no caso daquela guitarra em “Como há dez anos atrás”, que passa despercebida mas ela está ali; a introdução é quase que a mesma.” (Renato Barros em 11/09/2018)

RENATO E SEUS BLUE CAPS SEM FRONTEIRAS!

Desde os anos 60 que RENATO E SEUS BLUE CAPS se destaca no cenário musical brasileiro, primeiro por que surgiu quando o Rock and Roll começava no Brasil e eles foram pioneiros em apresentar as canções que começavam a fazer sucesso internacionalmente. Depois por que passaram pela Jovem Guarda, onde além de ser uma das bandas de maior sucesso, também foi responsável pelo sucesso de inúmeros cantores da época, pois eram seus instrumentos manejados com perfeição e profissionalismo impecável que acompanhavam esses cantores em suas gravações nos discos CBS e até mesmo em apresentações desses artistas no palco do programa Jovem Guarda.

Hoje RENATO E SEUS BLUE CAPS é um dos únicos artistas que não perdeu seus fiéis seguidores e fãs, pelo contrário, adquiriu outros das novas gerações, e a banda continua fazendo sucesso e lotando as casas e teatros por onde se apresenta.

RENATO BARROS, à frente de sua banda, sempre se destacou pelo inusitado, pela criatividade, pelo senso diferenciado na produção artística.

Como compositor, ele acredita na importância em se destacar o autor das canções, os quais são tão esquecidos pela mídia e inclusive pelos próprios intérpretes.
Pensando nisso, em seus Shows pelo Brasil Renato não apenas destaca as suas próprias composições que fizeram sucesso na voz de outros intérpretes como também presta homenagens a outros compositores, e também a quem o influenciou musicalmente.
Em breve os fãs poderão ver uma homenagem a um ex-Blue Cap, o músico Mauro Motta, que Renato considera o Burt Bacharach brasileiro, devido as suas incríveis harmonias, e também a Robinson Jorge, um grande músico esquecido pela mídia.
É que no Brasil parece que ficou estabelecida a cultura que diz ou pensa que o artista que canta ou toca Samba, por exemplo, não pode variar o repertório executando Rock, ou vice versa; mas Renato e Seus Blue Caps não permaneceu nesta mesmice. Renato e Seus Blue Caps saiu dessa por que tem capacidade para mostrar seu talento em outros ritmos musicais, como a Bossa Nova e o Samba Canção, por exemplo.

Viajam e levam a plateia com eles desde Charles Chaplin a Reginaldo Rossi, desde Tom Jobim a Lupicínio Rodrigues… e neste EMBALO, a banda se tornou “SEM FRONTEIRAS” em termos musicais.

“RENATO E SEUS BLUE CAPS SEM FRONTEIRAS!”

HOMENAGENS A CHARLES CHAPLIN, TOM JOBIM, VINÍCIUS DE MORAES, REGINALDO ROSSI E LUPICÍNIO RODRIGUES.

.

.

A Banda Renato e Seus Blue Caps na Atualidade.

Renato & Seus Blue Caps é uma das bandas de Rock mais carismáticas do Brasil, oriunda do Rock e que foi primordial para a Jovem Guarda, tanto por ter acompanhado os artistas, participando ativamente nas gravações dos colegas, como também por ser uma das bandas de maior destaque e sucesso pelos discos lançados no Brasil nas décadas de 60/70/80/90/2000. Renato Barros, sempre à frente do seu tempo e muito antenado, descobriu que sua banda poderia se juntar ao estilo musical que os Beatles estavam mostrando ao mundo e foi quem apresentou os músicos britânicos aos brasileiros, através de versões que embalaram nossas vidas, e continuam a embalar até os dias de hoje!

A Banda teve várias formações ao longo de sua existência, e na atualidade conta com cinco integrantes. Vamos falar de cada um deles, começando pelo seu líder e idealizador, RENATO BARROS!

Renato Barros, o idealizador e fundador da banda.

Guitarrista, vocalista e compositor de vários sucessos da Música Popular Brasileira, Renato com sua banda iniciou uma carreira de sucesso bem antes da Jovem Guarda e foi preponderante nas carreiras dos colegas do movimento, principalmente nas de Erasmo Carlos, Wanderléa e Roberto Carlos.
Como compositor, mantém um grande número de músicas suas sendo regravadas até os dias de hoje, como podemos ver nesta foto quando do recebimento do troféu Imprensa entregue pelo SBT pela sua composição “Devolva-me”, gravada por Adriana Calcanhoto.
Renato é o Diretor Artístico e Musical dos Shows da banda Renato e Seus Blue Caps.
Nasceu em 27 de setembro.

renato-com-o-trofeu-imprensa

Cid Chaves, vocalista e saxofonista

Cid Rodrigues Chaves, Saxofonista e Cantor, atualmente é um dos vocalistas principais da banda Renato e Seus Blue Caps, fazendo parte do grupo desde 1964, quando foi contratado para tocar saxofone.

Cid iniciou sua carreira artística no começo dos anos 1960 atuando na banda The Silvery Boys, do bairro carioca de Campo Grande, ao lado dos primos Paulinho e Zezinho.

Em 1963, durante um show na cidade de Angra dos Reis no Rio de Janeiro, conheceu o baixista Paulo Cesar Barros que o convidou a ingressar no conjunto Renato e Seus Blue Caps, onde permanece até os dias de hoje.

cid-chaves

Darci Velasco, o Tecladista.

Darci é natural do Rio Grande do Sul, nasceu em 24 de fevereiro.

Cursou Licenciatura em Música na UFPE.

Toca os seguintes instrumentos:
Trompete, Contrabaixo, guitarra, bateria e por último Piano e teclados similares.

Entrou para a banda em 1989, tendo antes participado de outras, como a que formou com seus irmãos também músicos chamada “Água da Fonte”.
Depois que saiu do Rio Grande do Sul, participou de outras tantas, como “Os Tártaros”, nome dado a um povo do Oriente.

Também é professor de música.

darci-velasco
.

Gelsinho Moraes , o Baterista!

Gelsinho Moraes é natural do Rio de Janeiro, nasceu em 17 de junho e se juntou a esta nova formação da banda Renato e Seus Blue Caps como baterista em 2013.

Começou tocando em bandas de baile com 17 anos.

Seu primeiro contato gravando com Renato e Seus Blue Caps foi no LP Baton Vermelho.

Foi ao Studio com seu Pai Gelson Moraes e ao passar o som da bateria para seu pai para gravar a música Anjo Rebelde, Gelson Moraes, seu pai disse: _ “Fica aí e grava essa música!”

Aos 18 anos montou uma banda chamada Abalo Cínico. Que gravou na época pela gravadora RCA um LP produzido por Gelson Moraes. Depois passou a tocar com vários artistas do cenário da Música Brasileira, entre eles: MPB 4, Sandra de Sá, Cláudio Zoli, Léo Jayme , Gabriel O Pensador e outros.

Em 2009 seu pai começou a não poder fazer os shows por inteiro devido a uma isquemia. Sendo assim, começou a dividir os shows e em 2013, com o falecimento de seu pai, Gelsinho assumiu as baquetas e tambores de Renato e Seus Blue Caps.

Gelsinho Moraes disse: _” É com muito orgulho que faço parte desta Banda com uma história de glórias. Querida no Brasil inteiro. “Inteiro Mermo” rsrsrs com canções tão significativas que estão na história. Isto é Renato e Seus Blue Caps”!

gelsinho-moraes
.

Bruno Sanson, o Contrabaixista

Bruno Sanson nasceu em 03 de novembro no Rio de Janeiro e é o mais novo integrante da banda Renato e Seus Blue Caps como contrabaixista e vocalista, desde julho de 2018.

Bruno deu seus primeiros passos na música na Igreja Batista, onde aprendeu violão e guitarra. Mais tarde foi músico do grupo Renascer Praise, como guitarrista e vocalista, participando de gravações e grandes eventos.
Nunca escondeu sua paixão pelo rock e nas horas vagas se juntava com os amigos pra tocar músicas de bandas como Legião Urbana, Guns’n Roses, Nirvana, entre outras, até que a coisa ficou séria quando se juntou em 2004 à banda Radar021.
Gravaram um CD pela “Boom Records”, que coincidentemente pertencia ao produtor musical Paulo Ivanovich, filho de Paulo César Barros, o primeiro contrabaixista da banda e irmão de Renato Barros.
Naquela ocasião, Bruno jamais imaginaria que mais tarde conheceria Renato e se tornaria um Blue Cap.

Mais tarde, ao despertar o interesse pelo áudio e produção musical, começou a atuar gravando e produzindo bandas de amigos, até que se formou como produtor musical e técnico de áudio na escola IATEC-RJ, onde se profissionalizou e trabalhou com outros grandes artistas, até que em 2012 se juntou ao elenco de Renato e Seus Blue Caps como Técnico de Monitor.
Um ano mais tarde, assumiu a responsabilidade como Técnico responsável e mixador de P.A da banda.

Em paralelo ao trabalho como técnico, Bruno foi guitarrista da banda Motim e baterista das bandas Malroot e Bongrado, ambas do Rio de Janeiro.

O convite para assumir o lugar até então ocupado por Amadeu Signorelli, veio através de uma ligação de Renato Barros.

“O Renato me ligou pra falar sobre a saída do Amadeu e perguntou o que eu achava… Eu falei que poderia tocar o baixo, já que eu também sou músico e já conhecia todo o show.

Na mesma hora o Renato gostou da ideia e concordou, falou inclusive que não apenas ele, mas todos os integrantes da banda já gostavam do meu trabalho, disse que todos estavam satisfeitos com a minha dedicação profissional, e em conjunto concordaram com a ideia de que eu assumisse como baixista, pois Renato sempre seguiu a filosofia de que todos têm que estar em comum acordo com qualquer decisão tomada em prol do coletivo.
Daí eu falei: _ É comigo!! Vambora!!” (Bruno Sanson)

Bruno Sanson_LI
.

★♪♪♪♪★ ♪♪♪♪★CONTATO PARA SHOWS ★♪♪♪♪★ ♪♪♪♪★

Banda Renato e Seus Blue Caps

Renato Barros – líder guitarra / vocal
Cid Chaves – Vocal
Darci Velasco – Teclados
Bruno Sanson – Contrabaixo
Gelsinho Moraes – Bateria

CONTATO PARA SHOWS

Falar com Jorginho Maravilha
Telefones:
(21) 99983.4300 VIVO
(21) 98265.3038 TIM

A Banda Renato e Seus Blue Caps tem novo Contrabaixista!

Em 14 de julho de 2018, durante o Show da banda Renato e Seus Blue Caps em Juazeiro, na Bahia, iniciou seus trabalhos de Contrabaixista na Banda, o músico BRUNO SANSON, que já figurava há 06 anos como Técnico de Som, acompanhando o grupo pelo Brasil.
Além de Baixista, Bruno também toca guitarra e bateria.

RENATO BARROS apresentou BRUNO SANSON aos fãs e seguidores de Renato e Seus Blue Caps.
.

.

“E é assim que uma nova fase se inicia! Com alegria, muito trabalho e dedicação eu viro uma página da vida pra estar no palco com essas lendas do Rock e da historia da música brasileira.
Pego esse bastão com muito orgulho e satisfação, sabendo do peso da bagagem que essa banda carrega.
Obrigado a cada um que, de alguma forma, contribuiu com esse crescimento”. (Bruno Sanson)

Durante o Show em Juazeiro, ao lado do guitarrista Renato Barros, líder da banda. Ao fundo, Gelsinho Moraes.

Segue uma breve entrevista de apresentação do Bruno, que aproveitou para agradecer a todos que manifestaram carinho e votos de boa sorte a ele.
.

.

Bruno Sanson e o baterista Gelsinho Moraes

.

FOTOS DO SHOW EM JUAZEIRO/BA

Apresentação da Banda na cidade de Juazeiro na Bahia, em 14 de julho de 2018.Estreia do Baixista Bruno Sanson.https://youtu.be/IRZW9UUYkxQ

Posted by Renato e Seus Blue Caps Original on Monday, July 16, 2018

.

FECHE OS OLHOS – APRESENTAÇÃO EM JUAZEIRO/BA
.

.

Menção da banda Renato e Seus Blue Caps em livro sobre os Beatles.

Renato e Seus Blue Caps teve o nome mencionado no livro “The Beatles at the Beeb – 1962-1965”, de Kevin Howlett, um livro que fala sobre todas as canções que os Beatles apresentaram na Rádio BBC citando as regravações e as versões delas feitas no mundo. Renato e Seus Blue caps é citado diversas vezes, por exemplo:

– Anna (Go to Him) – Originalmente gravada pelo compositor Arthur Alexander, a versão com os Beatles saiu em março de 1963 no álbum Please Please Me. Alguns anos mais tarde Renato e Seus Blue Caps apresentaram ‘Ana’ em português brasileiro.

– I Call Your Name – The Mamas and the Papas recorded it in 1966 and the Portuguese version ‘Garota Malvada’ was by, you guessed it, Renato and his Blue Caps. (The Mamas and the Papas gravaram essa música em 1966 e a versão em Português foi feita por, você adivinhou, Renato e Seus Blue Caps).

– I’ll Get you – Esta canção tornou-se inesplicavelmente muito popular em países da América Latina, daí o comentário no livro ter sido que “misteriosamente”, Renato e Seus Blue Caps deixou passar em branco esta canção. (Mysteriously, Renato and his Blue Caps passed this song by).

– I’m Happy Just to Dance with you – Renato e Seus Blue Caps gravaram uma versão desta, claro, e cantaram Sou Feliz Dançando com Você, uma tradução bastante ao pé da letra. (Renato and his Blue Caps covered it, of course, and sang ‘Sou feliz dançando com voce’ which was a pretty fair translation).

– I Should Have known better: Estranhamente houve grande atração de artistas estrangeiros por esta música e “Menina Linda” teve a versão em Português gravada pelos Vips* e, claro, por Renato e Seus Blue Caps.
* A gravação com os Vips foi bem depois da gravação com Renato e Seus Blue Caps.

– Love Me Do: Renato e Seus Blue Caps cantaram a versão em Português “Sou tão Feliz”. (Renato and his Blue Caps sang the Portuguese translation ‘Sou tao feliz’).

– The Night Before e Ticket To Ride – Músicas negligenciadas por outros artistas, até mesmo Renato e Seus Blue Caps deixaram de gravá-las.

O livro pode ser baixado em PDF aqui neste link:

http://www.americanradiohistory.com/Archive-BBC-Books/Beatles-at-the-Beeb-1965.pdf

“I’ll Get You” foi a música dos Beatles que Renato e Seus Blue Caps deixou passar batido, segundo o livro, e não foi feita nenhuma versão dela pela banda.
No Brasil saiu no LP “Beatles Again”.

Aqui o clipe de uma apresentação dos Beatles ao vivo pela BBC, com o áudio alterado para playback (o original não está muito bom).

AS COMPOSIÇÕES DE ED WILSON GRAVADAS PELA BANDA RENATO E SEUS BLUE CAPS.

Edson Vieira de Barros (Rio de Janeiro, 29 de julho de 1945 – 03 de outubro de 2010), mais conhecido como Ed Wilson, fez parte do programa Jovem Guarda e também do movimento da Jovem Guarda.
Foi um dos fundadores da banda Renato e Seus Blue Caps, juntamente com seus irmãos Renato Barros e Paulo Cezar Barros onde permaneceu até 1961 e no final de sua carreira esteve ligado à música gospel.

Em 1962 Ed Wilson iniciou sua carreira solo e fez muito sucesso com músicas compostas por ele, como “Carro do Papai”, “Sandra”, “Saudade”, entre outras.


.

Ed Wilson teve também muitas composições de sucesso gravadas por outros cantores, como “Aguenta Coração”, “Chuva de Prata” e “Aparências”, além de muitas outras gravadas pela banda Renato e Seus Blue Caps, as quais seguem listadas abaixo.

O cantor passou por diversas gravadoras como RCA, Odeon, CBS, Line Records e Top Gospel.
Foi um dos criadores da banda The Originals em 2005, onde gravou os três CDs/DVDs da banda.

Aderiu ao estilo Gospel e neste meio gravou 06 discos solo sendo um em espanhol. Teve suas músicas regravadas por muitos cantores, inclusive no exterior.

Ouçam ED WILSON, compositor e cantor de uma voz extraordinária, que se calou em 03 de outubro de 2010, mas não para os seus eternos fãs.

Cara – 1983

.

Chuva de Prata / Aguenta Coração / Aparências
.

.

Ed Wilson, nosso Elvis, em performance durante a gravação do primeiro DVD The Originals, arrasando na interpretação das canções de Elvis Presley!
.

.
COMPOSIÇÕES DE ED WILSON GRAVADAS POR RENATO E SEUS BLUE CAPS

Comanche (Ed Wilson) – 1962
A Saudade que Ficou (Renato Barros-Ed Wilson) – 1967
A Esperança É a Última Que Morre (Ed Wilson) – 1968
Despedida – 1969
Vontade de Viver (Ed Wilson) – 1970
Sou Louco Por Você (Renato Barros-Ed Wilson) – 1971
Agora É Tarde (Ed Wilson) – 1971
Não é Nada Disso (Ed Wilson-Gelson) – 1971
Você Vive (Ed Wilson) – 1972
Como num Sonho (Pseudônimo de Alessandro – Cury) – 1974
Vou curtir minha dor (Pseudônimo de Alessandro) 1974
Recordações (Ed Wilson) 1974

Tire os Grilos da Cabeça – 1976
.

.

Adorada – (Pseudônimo de Alessandro) 1977
.

.

Triste Fim de Tarde (Pseudônimo de Cury-Alessandro) – 1979
Tudo Em Vão (Pseudônimo de Alessandro-Gibran) – 1979

Tim-Tim (Sob Pseudônimo Fatha-Cury) – 1981
.

.

Você Foi Longe Demais (Sob Pseudônimo Fatha-Cury) – 1981
Sonho Colorido (Carlinhos-Fatha) – 1981

Velhos Tempos (Sob pseudônimo Cury-Fatha) – 1981
.

.
Será? (Cury-Ed Wilson) – 1983
Amor Sem Fim (Renato Barros-Alessandro) – 1996